APOIE A AGÊNCIA MURAL

Colabore com o nosso jornalismo independente feito pelas e para as periferias.

OU

MANDE UM PIX qrcode

Escaneie o qr code ou use a Chave pix:

30.200.721/0001-06

Agência de Jornalismo das periferias
32xSP

Sé é o distrito que mais emite poluentes em São Paulo

Para especialista, região central é bastante poluída pela falta de arborização e pela alta verticalização, com prédios que formam verdadeiras ilhas de poluição

Image

Por: Redação

Publicado em 14.12.2018 | 13:42 | Alterado em 14.12.2018 | 13:42

Tempo de leitura: 3 min(s)
Image

Vista do distrito da Sé a partir do Farol Santander (Carmem Bellini Jocas)

Localizado no centro da capital paulista, a Sé é o distrito que mais emite poluentes atmosféricos na cidade de São Paulo, segundo o Mapa da Desigualdade 2018, divulgado pela Rede Nossa São Paulo no último mês de novembro.

A pesquisa se baseia na quantidade diária de poluição por material particulado emitida no ar (kg de MP), dividida pela área de cada distrito onde a emissão ocorreu (km²). O material particulado é aquele expelido pelo escapamento dos veículos.

Na Sé, a emissão diária de poluição no ar chega a 10,9 kg de MP/km². Os vizinhos da região central, como a República (9,63 kg de MP/km²), a Bela Vista (8,24 kg de MP/km²) e o Pari (7,45 kg de MP/km²), completam a lista dos mais poluentes.

Na outra ponta está Marsilac, no extremo sul, que emite apenas 0,01 kg de MP/km² de poluição diária. Uma diferença de mais de mil vezes à registrada na Sé.

LEIA MAIS
Conheça os serviços prestados à população na subprefeitura da Sé

Para quem trabalha na região, a maior quantidade de poluição no ar passa despercebida, frente a uma cidade acostumada com essa situação.

“Na verdade, não percebo tanto a diferença na poluição do ar entre quando estou na Sé e na casa da minha mãe, na zona norte”, diz a auxiliar administrativa Gabriela Almeida, 23, que trabalha na região central.

“Mas percebo uma diferença entre o ar da capital com relação ao ar de Guarulhos, onde moro”.

A estudante Júlia de Souza, 22, que faz estágio na Sé e mora em Pinheiros, zona oeste, também diz não perceber a diferença.

“Não percebo a diferença entre o ar daqui e o do meu bairro. Na verdade, acabei me surpreendendo com esse dado”
Júlia de Souza, estudante

Pinheiros também é um dos distritos que mais poluem, onde a emissão diária chega aos 6,63 kg de MP/km².

“Minhas colegas de trabalho, que moram bem mais afastadas do centro, geralmente reclamam de coceira nos olhos quando estão por aqui. Talvez eu esteja acostumada”, brinca.

Ainda segundo o estudo, a Sé também é a região com menor arborização viária da cidade, com apenas 518 árvores. Para Carmem Bellini Jocas, pesquisadora do Bacharelado em Planejamento Territorial da UFABC, esse fator agrava a poluição no distrito.

“A Sé e toda a área central da cidade é bastante poluída pela falta de arborização e pela alta verticalização. Os prédios muito altos formam ilhas de poluição sobre as avenidas congestionadas”
Carmem Bellini Jocas, pesquisadora da UFABC

O relatório Introducing the Air Quality Life Index (Apresentando o Índice de Vida e Qualidade do Ar), dos pesquisadores Michael Greenstone e Claire Qing Fan, da Universidade de Chicago, afirma que a poluição do ar por material particulado pode diminuir em cerca de 1,8 ano a expectativa de vida global.

No estudo norte-americano, ela aparece como a principal ameaça à vida humana, à frente de outros problemas sociais, como o tabagismo (que reduz em 1,6 ano a expectativa de vida global) e o terrorismo (que reduz em 22 dias a expectativa de vida no planeta).

SEM SOLUÇÕES NO HORIZONTE

Segundo Carmem, o poder público não dá indícios de que irá resolver o problema no curto prazo. Para ela, o projeto de requalificação urbana da região, o Centro Novo, até demonstra preocupação em melhorar a qualidade do ar, porém, não apresenta soluções concretas e viáveis.

“Um dos eixos do Centro Novo, projeto do arquiteto Jaime Lerner [ex-prefeito de Curitiba], é tentar fazer o centro da cidade mais habitável e menos poluído, por meio da intervenção Estado em paisagismo e arborização”, acrescenta.

VEJA TAMBÉM
Na Sé, os problemas com o Minhocão vão além da estrutura viária

“Porém, o projeto, baseado no que Lerner chama de ‘acupuntura urbana’, consiste em uma série de ações que não são bem definidas. É apenas um conjunto de ideias soltas, um golpe midiático”, finaliza.

O projeto Centro Novo foi apresentado pelo então prefeito João Doria em setembro de 2017. De acordo com o site da Prefeitura, a última reunião sobre ele aconteceu em março de 2018, antes de Bruno Covas assumir a gestão.

https://32xsp.org.br/2017/11/27/prefeito-regional-da-se-quer-revitalizar-monumentos-historicos-para-atrair-turistas/

receba o melhor da mural no seu e-mail

Redação

A Agência Mural de Jornalismo das Periferias tem como missão minimizar as lacunas de informação e contribuir para a desconstrução de estereótipos sobre as periferias da Grande São Paulo.

Republique

A Agência Mural de Jornalismo das Periferias, uma organização sem fins lucrativos, tem como missão reduzir as lacunas de informação sobre as periferias da Grande São Paulo. Portanto queremos que nossas reportagens alcancem outras e novas audiências.

Se você quer saber como republicar nosso conteúdo, seja ele texto, foto, arte, vídeo, áudio, no seu meio, escreva pra gente.

Envie uma mensagem para [email protected]

Reportar erro

Quer informar a nossa redação sobre algum erro nesta matéria? Preencha o formulário abaixo.