APOIE A AGÊNCIA MURAL

Colabore com o nosso jornalismo independente feito pelas e para as periferias.

DOE MENSALMENTE PELO CATARSE

OU

MANDE UM PIX qrcode

Escaneie o qr code ou use a Chave pix:

30.200.721/0001-06

Agência de Jornalismo das periferias
Democratize-se!

Segunda dose da CoronaVac não está relacionada à taxa de eficácia da vacina

Doses escalonadas são comuns em programas de vacinação e servem para reforçar a primeira dose

Image

Por: Redação

Notícia

Publicado em 18.01.2021 | 18:03 | Alterado em 22.11.2021 | 16:38

Tempo de leitura: 7 minutos
Enganoso
Doses escalonadas são comuns em programas de vacinação e servem para reforçar a primeira dose. A taxa de eficácia global da CoronaVac, de 50,38%, não indica que metade dos vacinados vai pegar a doença e a outra metade, não.
  • Conteúdo verificado: Postagem do deputado federal Eduardo Bolsonaro sobre a eficácia global da vacina CoronaVac e a necessidade de duas doses do imunizante.

É enganoso o tuíte do deputado federal Eduardo Bolsonaro em que ele relaciona a taxa de eficácia global da CoronaVac no Brasil, de 50,38%, à necessidade de aplicação de uma segunda dose da vacina contra a covid-19. Doses escalonadas são comuns em programas de vacinação e servem para reforçar a primeira dose, o que é previsto na cartilha de vacinação do Ministério da Saúde inclusive para imunizantes contra doenças como a febre amarela e a gripe. As vacinas desenvolvidas pelo laboratório Pfizer e pela Universidade de Oxford, em parceria com a Fiocruz, também necessitam de duas doses para a imunização total.

Image

Doses escalonadas são comuns em programas de vacinação e servem para reforçar a primeira dose @Itamar Aguiar/Palácio Piratini

Segundo dois especialistas ouvidos pelo Comprova, a taxa de eficácia de 50,38% é muito boa na prevenção de novos casos da doença e para diminuir os casos graves de covid-19. A taxa de eficácia indica a chance que uma pessoa imunizada tem de não contrair a doença. E não significa que metade dos vacinados vai pegar a doença e metade, não. Na verdade, o imunizante diminui em 50,38% a probabilidade de apresentar covid-19. O mínimo estabelecido pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) é de 50% – a CoronaVac, portanto, tem grau de proteção satisfatório. Além disso, segundo os especialistas, a taxa de eficácia ajuda a determinar a meta de cobertura vacinal, ou seja, quanto menor a eficácia, mais ampla a vacinação deverá ser.

Entramos em contato por e-mail com o deputado Eduardo Bolsonaro (PSL-SP), mas não tivemos resposta até a publicação desta verificação.

Como verificamos?

Questionamos o Instituto Butantan sobre os dados divulgados quanto à eficácia global da vacina e também sobre um comentário feito na semana passada pelo do ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, sobre a estratégia de priorizar a imunização do maior número de pessoas, antes de pensar na aplicação da segunda dose.

Conversamos com os professores e pesquisadores do Instituto de Patologia Tropical e Saúde Pública (IPTSP) da Universidade Federal de Goiás (UFG), João Bosco e Moara Borges. Consultamos os estudos e pesquisas sobre as vacinas produzidas no Brasil e as recomendações da Organização Mundial de Saúde sobre as medidas de segurança no período de vacinação.

Verificação

Estudos científicos da CoronaVac

O Instituto Butantan anunciou em 12 de janeiro que a vacina CoronaVac, produzida em parceria com o laboratório chinês Sinovac, obteve 50,38% de eficácia global no estudo clínico desenvolvido no Brasil, além de proteção de 78% em casos leves e 100% contra casos moderados e graves da covid-19.

Em nota enviada ao Comprova, o Butantan afirmou que “todos os índices são superiores ao patamar de 50% exigido pela OMS (Organização Mundial de Saúde). Os dados deixam claro a importância do impacto para a saúde pública com o imunizante que impede que a forma grave ou moderada da doença”.

Os ensaios clínicos da CoronaVac incluíram a aplicação de duas doses do imunizante com intervalo de 14 dias e, de acordo com o instituto, esse reforço não pode ultrapassar o período de 28 dias entre as aplicações.

Segunda dose é reforço da primeira

Organização Mundial de Saúde (OMS), em declarações recentes, diz que as vacinações que já começaram em alguns países não tiveram impacto na diminuição da transmissão de covid-19. A professora Moara Borges lembrou que “para a vacina ter uma efetividade precisa de pelo menos de 10 a 14 dias depois da segunda dose para considerar essa proteção total que foi avaliada pelo Butantan”. Portanto, a recomendação da OMS é que as pessoas mantenham o uso de máscara e o isolamento social.

O professor João Bosco, do Instituto de Patologia Tropical e Saúde Pública da UFG, afirma que a segunda dose existe para reforçar os efeitos da primeira dose. “Essa lógica de reforço existe para múltiplas vacinas, agora a expectativa para imunizar um indivíduo uma vacina com mais de 50% de eficácia ela já pode ter uma repercussão muito grande e muito boa na prevenção de novos casos da doença”, afirma.

A professora do mesmo instituto da UFG, Moara Borges, afirma que o ideal é que aconteça um reforço com a segunda dose da vacina para que o organismo se especialize mais em se defender do vírus.

Para a professora, com as duas doses da vacina o organismo “produz anticorpos mais rápido” e “faz identificar esse vírus mais rápido”. Dessa forma, o corpo consegue produzir a melhor resposta para combater o Sars CoV-2. Além da CoronaVac, as vacinas desenvolvidas pelo laboratório Pfizer e pela Universidade de Oxford, em parceria com a Fiocruz, necessitam de duas doses para a imunização total.

As vacinas foram o principal mecanismo de redução da mortalidade por doenças infecciosas no último século. Segundo a professora Moara Borges, é um erro grave acreditar que com uma única dose as pessoas estarão protegidas e não serão capazes de infectar outras pessoas. Ela foi enfática ao afirmar que o objetivo da vacina é diminuir os casos graves. E lembrou que a vacina tem uma grande importância na questão de saúde pública, diminuição da lotação nos hospitais e o número de mortes.

Plano do governo para a vacinação contra a covid-19

De acordo com o Plano Nacional de Operacionalização da Vacinação contra a covid-19, publicado em 21 de dezembro de 2020 pelo Ministério da Saúde, a CoronaVac era uma das 13 vacinas em fase 3 de pesquisa clínica, etapa que avalia a segurança e a eficácia do imunizante. A partir dos dados levantados nesse estágio é que é possível submeter uma vacina ao registro e à aprovação para uso. Contudo, no dia 17 de janeiro, em uma reunião da equipe técnica e diretoria da Anvisa, o uso emergencial da CoronaVac foi aprovado por unanimidade.

No mesmo documento, o Ministério da Saúde destaca que o esquema vacinal da CoronaVac, assim como a maior parte das vacinas candidatas, exige a aplicação de duas doses, no intervalo de 14 dias. Entretanto, o ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, disse durante uma coletiva de imprensa realizada na cidade de Manaus (AM), em 11 de janeiro de 2019, que o programa de vacinação contra a covid-19 que será implementado pelo governo pretende priorizar a aplicação da primeira dose no maior número possível de pessoas, antes de iniciar a aplicação da segunda dose. No dia 18 de janeiro, o Ministério da Saúde começou a distribuição de doses da CoronaVac pelo Brasil.

Em nota, o Instituto Butantan informou que “os ensaios clínicos contemplaram a aplicação de duas doses do imunizante com intervalo de 14 dias, podendo chegar até 28 dias entre as aplicações, não sendo recomendado o ultrapassar o prazo previsto para que os números se assemelham aos apresentados nos testes”.

O Instituto disse ainda que o estudo da CoronaVac foi submetido e aprovado por um comitê internacional independente, e apresentado à Anvisa conforme as normas estabelecidas pela Organização Mundial da Saúde. “Os resultados não teriam sido enviados à Anvisa se o índice mínimo de eficácia global não tivesse sido atingido. Quem põe em dúvida o resultado apresentado especula contra a ciência e só favorece teorias conspiratórias”, finaliza a nota.

Taxa de eficácia não funciona sozinha

Para o professor João Bosco, do IPTSP/UFG, a utilização de qualquer imunizante, independentemente da taxa de eficácia, precisa ser combinada a uma ampla cobertura vacinal. Segundo ele, quanto mais baixa a eficácia, mais ampla deve ser a vacinação para alcançar um impacto similar ao da vacina com eficácia mais alta – e uma cobertura vacinal ampla diminui o surgimento de novos casos.

taxa da eficácia da CoronaVac foi de 50,38%, significa que a cada 100 pessoas vacinadas que tiveram contato com o vírus, 50,38 não vão manifestar sintomas da doença por conta do efeito imunizante da vacina.

A eficácia é a taxa calculada a partir da incidência dos casos de covid-19 em pessoas que foram vacinadas em uma pesquisa clínica e a incidência de casos da doença no grupo controle, que recebeu a aplicação de um placebo. A taxa de eficácia serve para o governo planejar a meta de vacinação e chegar à imunidade de rebanho. Contudo, a OMS já declarou que a imunidade coletiva não será alcançada em 2021. O ideal, neste momento da pandemia, é vacinar o maior número de pessoas e diminuir a gravidade da covid-19.

Sociedade Brasileira de Imunizações emitiu nota no dia 13 de janeiro avaliando os estudos científicos das vacinas, e explicando que eles possuem métodos e abordagens diferentes entre si. Por isso, as taxas de eficácia não são comparáveis.

CoronaVac alcançou 78% de eficácia em casos leves e nenhum dos participantes que receberam as doses da vacina apresentou casos graves e moderados. A taxa de eficácia de 50,38% inclui todos os participantes que ficaram doentes independente da gravidade.

Por que investigamos?

Em sua terceira fase, o Comprova investiga conteúdos duvidosos relacionados às políticas públicas do governo federal e à pandemia do novo coronavírus. Conteúdos falsos sobre vacinação prejudicam o trabalho dos pesquisadores e diminuem a confiança sobre a necessidade da vacinação.

A postagem do deputado Eduardo Bolsonaro alcançou 9,8 mil curtidas e 1,3 mil compartilhamentos até a publicação desta verificação. Ao fazer uma ironia usando um cifrão na pergunta que publicou – “Será que precisaríamos então de duas doses da vacina? $erá?” – levou leitores a acreditar que a segunda dose seria necessária para alcançar a eficácia total de 100% do imunizante, já outros entenderam que a eficácia divulgada serviria para justificar a compra de mais vacinas, fazendo com que o governo gastasse mais dinheiro.

Essa não é a primeira vez que o Comprova verifica uma publicação do deputado. No final de julho de 2020, Eduardo Bolsonaro postou o trecho de um vídeo, que retirava de contexto o uso da cloroquina nos hospitais para tratamento de Covid-19.

Enganoso, para o Comprova, é o conteúdo retirado do contexto original e usado em outro de modo que seu significado sofra alterações; que usa dados imprecisos ou que induz a uma interpretação diferente da intenção de seu autor; conteúdo que confunde, com ou sem a intenção deliberada de causar dano.

Redação

A Agência Mural de Jornalismo das Periferias tem como missão minimizar as lacunas de informação e contribuir para a desconstrução de estereótipos sobre as periferias da Grande São Paulo.

Republique

A Agência Mural de Jornalismo das Periferias, uma organização sem fins lucrativos, tem como missão reduzir as lacunas de informação sobre as periferias da Grande São Paulo. Portanto queremos que nossas reportagens alcancem outras e novas audiências.

Se você quer saber como republicar nosso conteúdo, seja ele texto, foto, arte, vídeo, áudio, no seu meio, escreva pra gente.

Envie uma mensagem para [email protected]

Reportar erro

Quer informar a nossa redação sobre algum erro nesta matéria? Preencha o formulário abaixo.