“Sim, tem cidadão interessado nas metas, senhor prefeito”

Nas audiências públicas, colou muita gente para discutir o que queremos para a cidade

Moradores levaram até cartazes para alertar sobre problemas durante audiência pública — Foto: Lívia Lima/Agência Mural

Você, morador da quebrada ou da mais área nobre de São Paulo, já participou de uma audiência pública do governo?

Receba nossa newsletter!

“Audiência pública? Governo? Política? Ish. Tô fora! Tenho mais o que fazer”, diriam muitos dos meus parças ou familiares.

Pois bem, vou desenhar uma que participei no último sábado. Isso mesmo, num abençoado sábado de folga à tarde.

Na verdade, fui fazer uma cobertura como repórter da Agência Mural de Jornalismo das Periferias, para o site 32XSP, na reunião que apresentaria o Plano de Metas, que está sendo elaborado pelo prefeito João Doria, para cidade de São Paulo durante sua gestão. Eu e outros 23 jornalistas das quebradas nos organizamos e nos distribuímos por vários lugares onde aconteceriam essas audiências.

Confira as reportagens aqui.

Como moro no Jardim Damasceno, zona norte, fui designado a estar às 14h30 na Prefeitura Regional da Brasilândia/Freguesia do Ó. Cheguei bem em cima do horário, já identificando várias figuras carimbadas desse tipo de encontro. Tem uma galera que gosta muuuuito dessas reuniões. Rola até tretas de ideias e conchavos entre os grupos, às vezes, com líderes de um mesmo bairro. Só no meu morro descobri que existem mais de 10 associações/grupos.

Como foi o encontro?

Fiquei no fundão da sala estrategicamente, para ter uma visão geral e tirar umas fotos. Mais de 20 pessoas, a maioria engajadas em movimentos sociais, foram até o microfone com direito a falar por três minutos.

Alguns puxa-sacos mandaram salves e não falaram nada com nada. Outros meteram o pau no documento apresentado e fizeram propostas bem diversificadas. Tinha gente que reclamava do lixão no bairro, do semáforo quebrado, e das mais variadas falhas de infraestrutura da região.

Muitos questionaram a continuação de obras como o hospital da região, que estão paradas há um bom tempo. A necessidade de um parque municipal para área, como o Villa Lobos, Ibirapuera; um hospital, uma UBS (Unidade Básica de Saúde) para o Jardim Brasília. Várias demandas importantes.

Mas o que vale mesmo o motivo de eu estar escrevendo tudo isso aqui é o que aprendi com a experiência e preciso compartilhar.

Seu Quintino Viana, do Jardim Damasceno, falou sobre a luta por Parque Municipal da Brasilândia — Foto: Cleber Arruda/Agência Mural

Por que vale a pena?

  • Sim, é importante sair das redes sociais e ir para esses lugares saber o que estão propondo e discutir a respeito.
  • O prefeito João Doria disse em um auditório lotado na segunda-feira (10) que a população não está preocupada com plano de metas. Você concorda? Não é bem assim não. Vi muita gente interessada e meus amigos jornalistas também. É claro que faltou uma divulgação da parada, minhas tias e alguns vizinhos nem sabiam que isso ia rolar.
  • No encontro uma galera questionou qual o motivo desse plano apresentado não ser regionalizado, não ter metas direcionadas para Brasilândia. Temos que questionar por que um plano para a cidade não trata das questões específicas da periferia.
  • Uma dica: evite pegar o microfone se quiser fazer média, você pode levar umas vaias da plateia.
  • O plano apresentado está em fase de elaboração e essa é a parte mais importante de tudo! É a hora que você, cidadão de São Paulo, pode e DEVE meter o bedelho. Não adianta só reclamar dos políticos, dos gestores ou da zona que está o seu bairro. Esse plano da nova gestão, como eu disse, está sendo organizado, ainda vão rolar modificações e NÓS devemos chegar junto e não deixar passar o que eles acham que está bom para gente.

E como posso fazer algo? CHEGUEI ONDE EU QUERIA!

  • Tem dois sites para enviar sugestões:

http://programademetas.prefeitura.sp.gov.br/ http://planejasampa.prefeitura.sp.gov.br/

  • Dá para enviar e-mail para [email protected]
  • ou ofícios para a Secretaria Municipal de Gestão — Viaduto do Chá, 15–8º andar, Centro — São Paulo, CEP: 01002–020. E também é possível entregar ofícios nas 32 Prefeituras Regionais.

É isso! A audiência foi legal? Não foi “nossa que evento animado, incrível”, mas achei importante, principalmente para entender melhor o que está rolando e como eu posso alertar os outros do que podemos fazer ainda.

Cleber Arruda, morador do Jardim Damasceno, na Brasilândia, editor da Agência Mural de Jornalismo das Periferias