APOIE A AGÊNCIA MURAL

Colabore com o nosso jornalismo independente feito pelas e para as periferias.

OU

MANDE UM PIX qrcode

Escaneie o qr code ou use a Chave pix:

30.200.721/0001-06

Agência de Jornalismo das periferias
Notícias

‘Transformar praça em parque não pode ser algo automático’, diz urbanista

Image

Por: Redação

Publicado em 25.10.2016 | 14:53 | Alterado em 25.10.2016 | 14:53

Tempo de leitura: 3 min(s)

Com 22 mil m² de aréa verde, o Parque Buenos Aires, localizado em Higienópolis, no centro da capital paulista, até 1992 era uma praça. Desde o ano passado, quem parece seguir o mesmo processo de transição é a praça Pôr do Sol, em Pinheiros, na zona oeste, sob polêmicas, especialmente em relação à possibilidade de colocar grades, o que pedem alguns moradores do bairro.

Para entender as semelhanças e características do que é uma praça e um parque, o 32xSP conversou com o professor de arquitetura e urbanismo das universidades Belas Artes e FMU, Anderson Kazuo Nakano.

Segundo Nakano, é preciso planejamento. ‘Transformar praça em parque não pode ser uma coisa descuidada e automática. Precisa ter critérios ambientais’. Para ele, antes disso, é necessário compreender os contextos e distinções histórico-urbanístico, institucional, orçamentário e ambiental.

“A origem de praça na cidade antecede à existência do parque. Ela foi criada desde a antiguidade clássica, perto das igrejas, geralmente em meio a troca de mercadorias, como um lugar de intercâmbio”, afirma o ex-diretor do Departamento de Urbanismo da Secretaria Municipal do Desenvolvimento Urbano de São Paulo.

“Já o parque tem uma história mais recente. Consolidou-se na cidade no século 19 e 20 em meio ao crescimento e transformações dos centros urbanos, com a industrialização”, completa.

De acordo com o especialista, com a acentuação dos problemas urbanos, fruto da industrialização, amplificaram problemas como insalubridade e poluição. Nesse contexto, foram criados os parques, com áreas verdes, como já existiam na Inglaterra e na França. “A busca por um lugar dentro da cidade no qual as pessoas tivessem contato com a natureza. Uma ideia romântica”, diz Kazuo.

Junto ao contexto histórico também está o aspecto urbanístico. As praças não precisam ser necessariamente arborizadas, como acontece em muitas cidades europeias, por exemplo. Sua configuração tradicional está nas bordas, no caso, nos comércios. A Praça do Patriarca, o Largo do Café, o Pátio do Colégio compõem esse cenário. Diferentemente da Praça 14 Bis, que não se caracteriza do ponto de vista urbanístico.

Outra distinção é a institucional. Os parques são de responsabilidade da Secretaria do Verde e Meio Ambiente, enquanto a praça é de tutela da Coordenação de Subprefeituras. A primeira fica incumbida da manutenção dos parques, enquanto a segunda assume a responsabilidade de revitalizar. Em cada uma delas, também estão condicionadas diferenças orçamentárias, o que implica em diferentes modelos de gestão.

“A Secretaria [do Verde e Meio Ambiente] adota a divisão do modelo a partir do conselho diretor, de representadores do bairro. As praças não contam com conselhos.

Essa distinção institucional, no Plano Municipal, tem todas as implicações, responsabilidades, modelos de gestão e orçamentário”, explica Kazuo, que trabalhou no Ministério das Cidades e na elaboração do Plano Nacional de Habitação.

Segundo ele, atualmente os parques municipais passaram a ser reconhecidos como parte do Sistema Nacional de Unidades de Conservação. “Os parques não devem ser vistos apenas uma área de lazer, mas como uma função ambiental como realizar drenagens — não só do parque, mas da vizinhança–, se houver nascentes, conter áreas de proteção, entre outros”, elenca. A praça, no entanto, não necessariamente precisa ter essa responsabilidade ambiental.

Image

Parque Buenos Aires, no bairro de Higienópolis Foto: São Paulo Urgente

“Transformar uma praça em parque não pode ser uma coisa descuidada e automática. Precisa ter critérios e responsabilidades para que a área exerça uma função ambiental para a cidade”, reforça.

“Deixar um pedaço de área livre, colocar playground não é torná-la uma praça. Praça é uma configuração urbana, definida junto com as edificações. O que temos hoje ao redor são ruas e avenidas. Precisamos ter atividades”, pontua o urbanista.

Vão livre do Masp

De acordo com Kazuo, a Pôr do Sol é valorizada porque uma característica semelhante ao vão livre do Masp (Museu de Arte de São Paulo), no centro da cidade: o horizonte. “São poucos lugares que têm horizonte em São Paulo, ao contrário do Rio de Janeiro. Você vai para a praia e descansa o olhar porque tem horizonte. No caso da Pôr do Sol, do ponto de vista de arborização não tem nada de especial. É uma área normal”, diz.

Em relação à polêmica envolvendo a possibilidade de gradil, Kazuo é contra. “Colocar grades é uma ilusão. Não são elas que garantem segurança. É mais um controle, de definir o horário de abertura e fechamento do local”, diz.

Em agosto de 2015, o prefeito Fernando Haddad (PT) firmou um decreto que transforma a praça Pôr do Sol em parque. A implantação está no papel.

Leia mais:

Kazuo, no entanto, afirma que é “desonesto afirmar que [a praça Pôr do Sol] é um parque”. “Para transformar em parque tem que ter projeto e chamar não só arquitetos e urbanistas, mas fortalecer questões ambientais. Se tivesse gestão participativa das praças, não precisaria transformar em parque”, finaliza.

Foto: Lu/ Flickr

receba o melhor da mural no seu e-mail

Redação

A Agência Mural de Jornalismo das Periferias tem como missão minimizar as lacunas de informação e contribuir para a desconstrução de estereótipos sobre as periferias da Grande São Paulo.

Republique

A Agência Mural de Jornalismo das Periferias, uma organização sem fins lucrativos, tem como missão reduzir as lacunas de informação sobre as periferias da Grande São Paulo. Portanto queremos que nossas reportagens alcancem outras e novas audiências.

Se você quer saber como republicar nosso conteúdo, seja ele texto, foto, arte, vídeo, áudio, no seu meio, escreva pra gente.

Envie uma mensagem para [email protected]

Reportar erro

Quer informar a nossa redação sobre algum erro nesta matéria? Preencha o formulário abaixo.