APOIE A AGÊNCIA MURAL

Colabore com o nosso jornalismo independente feito pelas e para as periferias.

OU

MANDE UM PIX qrcode

Escaneie o qr code ou use a Chave pix:

30.200.721/0001-06

Agência de Jornalismo das periferias
32xSP

UBS de madeira do Jardim Fontalis não entra no Programa de Metas

O imóvel, cedido pelos moradores do bairro, é de madeira, o seu teto é coberto com uma em telha ondulada de fibrocimento, e o fechamento vertical externo é feito de telha ondulada plástica.

Image

Por: Redação

Publicado em 14.08.2017 | 15:01 | Alterado em 14.08.2017 | 15:01

Tempo de leitura: 3 min(s)

Há 18 anos, a UBS (Unidade Básica de Saúde) do Jardim Fontalis, na zona norte da capital, atende cerca de 400 pacientes por dia, de acordo com a IABAS (Instituto de Atenção Básica e Avançada à Saúde), que gerencia a unidade. Passados tanto tempo, o local apresenta grandes problemas estruturais. O imóvel, cedido pelos moradores do bairro, é de madeira, o seu teto é coberto com uma em telha ondulada de fibrocimento, e o fechamento vertical externo é feito de telha ondulada plástica. Apesar desses problemas, a readequação da unidade não está prevista no Programa de Metas da Prefeitura de São Paulo (2017-2020).

Segundo a Secretaria Municipal de Saúde (SMS), a unidade realiza entre 2.200 e 2.500 consultas médicas por mês, sendo 600 delas na área de enfermagem. De acordo com IABAS, a UBS é responsável pelo acompanhamento de cerca de 40 mil pessoas e conta com uma equipe Saúde da Família composta por um médico, um enfermeiro, dois auxiliares de enfermagem e cinco agentes de saúde. Oferece atendimento em ginecologia, pediatra e clínica geral.

Há dois anos, a empregada doméstica Leiziane dos Santos, 25, utiliza a ginecologia e a pediatria da unidade. Apesar das questões estruturais, ela elogia a UBS. “O atendimento daqui é muito bom. Fiz o pré-natal do meu filho, que agora está com três meses de idade, aqui. Antes era ruim, mas melhorou muito. A gente leva cerca de três a quatro meses para se consultar com um médico, mas em compensação sempre tem remédios. Eu daria nota 8.5 para esse posto”, avalia.

De acordo o Observatório Cidadão, da Rede Nossa São Paulo, o número de Unidades Básicas de Saúde na Prefeitura Regional do Jaçanã/ Tremembé, onde está situado o bairro Jardim Fontalis, cresceu de 5 para 11 entre 2003 e 2016. Já a população da região aumentou em 45 mil habitantes no mesmo período.

Image

O teto é coberto com uma em telha ondulada de fibrocimento, e o fechamento vertical externo é feito de telha ondulada plástica

Maria Madalena dos Santos, 72, mora bem próximo à UBS e, apesar da demora no agendamento de consultas e da estrutura precária, ela elogia. “Venho aqui há mais de cinco anos e gosto muito desse posto. O atendimento dos funcionários é bom, mas o problema é para agendar consultas porque demora. Quando dá, eles fazem encaixe – consulta sem agendamento –, diz a arrumadeira”

O aposentado Antonio Flor Filho, 60, é um exemplo de quem necessitou de um encaixe recentemente. “Tenho um caroço no pescoço que está crescendo. Confesso que estou com medo. A doutora não teve como me atender ontem, mas pediu para eu retornar hoje e disse que me atenderia de algum jeito”, explica.

A Secretaria Municipal de Saúde esclareceu que existe um processo aberto para a construção de uma nova Unidade Básica de Saúde no Jardim Fontalis e que ela irá substituir a atual, que funciona em um imóvel pequeno. Informou ainda que não há condições estruturais para reconstruir uma casa de alvenaria. Segundo a secretaria, já foi solicitada a manutenção da atual unidade, principalmente em relação à reforma do telhado e à pintura interna e externa.   

Em relação à demora no atendimento, a secretaria informou que eventualmente ocorrem saídas voluntárias de servidores e por isso há uma queda na oferta de vagas de atendimento. O órgão admitiu que é preciso ampliar o quadro de funcionários, o que atualmente não é possível devido ao tamanho do imóvel que a UBS ocupa.

receba o melhor da mural no seu e-mail

Redação

A Agência Mural de Jornalismo das Periferias tem como missão minimizar as lacunas de informação e contribuir para a desconstrução de estereótipos sobre as periferias da Grande São Paulo.

Republique

A Agência Mural de Jornalismo das Periferias, uma organização sem fins lucrativos, tem como missão reduzir as lacunas de informação sobre as periferias da Grande São Paulo. Portanto queremos que nossas reportagens alcancem outras e novas audiências.

Se você quer saber como republicar nosso conteúdo, seja ele texto, foto, arte, vídeo, áudio, no seu meio, escreva pra gente.

Envie uma mensagem para [email protected]

Reportar erro

Quer informar a nossa redação sobre algum erro nesta matéria? Preencha o formulário abaixo.