APOIE A AGÊNCIA MURAL

Colabore com o nosso jornalismo independente feito pelas e para as periferias.

DOE MENSALMENTE PELO CATARSE

OU

MANDE UM PIX qrcode

Escaneie o qr code ou use a Chave pix:

30.200.721/0001-06

Agência de Jornalismo das periferias
Notícias

Um dia depois da eleição, capital e Grande São Paulo recuam à fase amarela da quarentena

Plano de reabertura da economia estava na fase verde e ficou assim durante todo o período eleitoral; ocupação de UTIs aumentou

Image

Por: Lucas Veloso

Notícia

Publicado em 30.11.2020 | 15:45 | Alterado em 30.11.2020 | 16:07

Tempo de leitura: 2 minutos

Em uma coletiva de imprensa no início da tarde desta segunda-feira (30), o governador João Doria incluiu todo o estado de São Paulo na fase amarela do Plano SP.

“Essa medida, quero deixar claro, não fecha comércio, nem bares, nem restaurantes. A fase amarela não fecha atividades econômicas, mas é mais restritiva nas medidas para evitar aglomerações e o aumento do contágio da Covid-19″, ponderou Doria.

De acordo com a alteração, estabelecimentos de todos os setores ficam com capacidade limitada a 40%, funcionamento máximo de 10 horas por dia e horário de funcionamento limitado até as 22 horas, além de que eventos com público em pé passam a ser proibidos.

Image

Comércios por enquanto não devem ser fechados, mas cidades entram em alerta por causa do vírus @Léu Britto/Agência Mural

O comunicado chegou em meio à declarações de especialistas médicos sobre o aumento de casos e mortes no estado e na cidade de São Paulo. Números da Secretaria do Estado de Saúde de São Paulo, as internações, no sábado (28) foram quase 20% superiores às de 28 dias atrás. O aumento na ocupação proporcional dos leitos de UTI na Grande São Paulo, onde a taxa chegou a 58%, também foi notado e impactou na decisão.

No Plano São Paulo, na fase amarela, espaços culturais como cinemas, teatros e museus podem continuar abertos, mas as prefeituras têm autonomia para decidir o que e quando deve reabrir. Na capital paulista, o prefeito Bruno Covas (PSDB) determinou que a abertura dos setores da cultura só ocorreria quando a cidade estivesse na fase verde.

Outro anúncio do governo foi de que a análise dos dados deixará de ser a cada 28 dias e passará a ser a cada 7 dias para acompanhar a trajetória da pandemia no estado.

A decisão desta segunda estava prevista para 16 de novembro, mas foi adiada. O governo estadual justificou que a mudança foi devido a um apagão de dados que gerou instabilidade do sistema Sivep-Gripe do Ministério da Saúde em 5 de novembro. Na ocasião, o estado chegou a ficar cinco dias sem atualizar os dados da pandemia.

Além disso, o governo apontou que 62 cidades do estado estão com a ocupação de leitos acima dos 75% por causa do novo coronavírus.

Delas, 20 são da Grande São Paulo: Arujá, Barueri, Caieiras, Carapicuíba, Diadema, Embu das Artes, Ferraz de Vasconcelos, Francisco Morato, Franco da Rocha, Guarulhos, Itapecerica da Serra, Itapevi, Itaquaquecetuba, Jandira, Mairiporã, Mogi das Cruzes, Poá, Ribeirão Pires, Santana de Parnaíba e Suzano.

Lucas Veloso

Jornalista, cofundador e correspondente de Guaianases desde 2014.

Republique

A Agência Mural de Jornalismo das Periferias, uma organização sem fins lucrativos, tem como missão reduzir as lacunas de informação sobre as periferias da Grande São Paulo. Portanto queremos que nossas reportagens alcancem outras e novas audiências.

Se você quer saber como republicar nosso conteúdo, seja ele texto, foto, arte, vídeo, áudio, no seu meio, escreva pra gente.

Envie uma mensagem para [email protected]

Reportar erro

Quer informar a nossa redação sobre algum erro nesta matéria? Preencha o formulário abaixo.