• Informações apuradas pela Agência Mural por meio de dados e entrevistas, buscando ouvir todos os lados envolvidos e seguindo nossa linha editorial.
    Notícia

Votação para vereador indica efeito das emendas nas periferias de São Paulo

Parlamentares que mais enviaram emendas têm votações concentradas em algumas regiões da cidade, mostra levantamento do Pindograma

Entre 2017 e 2019, o vereador reeleito Milton Leite (DEM) foi o que mais conseguiu enviar verbas por meio de projetos na Câmara de São Paulo. Foram R$ 9,7 milhões em 91 propostas de emendas parlamentares –  dinheiro público que os vereadores têm à disposição para encaixar no orçamento da cidade.

Todos os vereadores podem propor, mas a confirmação cabe à Prefeitura. No caso de Leite, foram 25 emendas para a Secretaria de Cultura. Já a região do M’Boi Mirim foi a subprefeitura destinatária de 8 emendas parlamentares. 

Mas o destino desses recursos foram decisivos na votação? Em boa parte dos casos sim.

Apuração do Pindograma, site de jornalismo de dados, mostra as regiões onde os vereadores foram mais votados na eleição de 2020 em São Paulo. 

A reportagem cruzou os dados de quatro dos vereadores que mais enviaram emendas para os bairros para analisar se a distribuição corresponde com esses repasses. 

1 / 4
Imagem da galeria
Milton Leite manteve forte redutos na zona sul
2 / 4
Imagem da galeria
Milton Ferreira (Podemos) contou com votos pulverizados
3 / 4
Imagem da galeria
Donato (PT) foi reeleito e teve boa votação em regiões para onde destinou emendas
4 / 4
Imagem da galeria
Atilio Francisco (Republicanos) teve mais presença na zona sul

No caso de Leite, o levantamento indica que sim. As zonas eleitorais que mais votaram no democrata são as mesmas onde ele destinou recursos.

A maior parte das emendas dele foram para zeladoria urbana, eventos esportivos, culturais e ligados a escolas de samba e entidades religiosas em bairros da zona sul da capital. As regiões onde foi mais votado nesta eleição foram Campo Limpo, M’Boi Mirim, Capela do Socorro, Parelheiros e Cidade Ademar. 

Em alguns locais de votação nesses bairros, ele recebeu até  40% dos votos válidos. Ao todo, o vereador assumirá o seu sétimo mandato consecutivo com 132 mil votos.

A atuação não é ilegal. Entre as funções dos vereadores estão a apresentação e votação de projetos de lei, discussão e aprovação das finanças municipais e, justamente, a distribuição de emendas parlamentares. 

No entanto, há questionamentos se esse tipo de recurso em vez de trazer serviços públicos não vira moeda de troca por votos. Em setembro, a Agência Mural mostrou como esses repasses priorizaram áreas como cultura e esporte, em detrimento da saúde

Entre os anos de 2017 e 2019 mais de R$ 426 milhões de reais foram destinados às secretarias e subprefeituras da cidade em 3.092 emendas parlamentares. A Agência Mural levantou as informações junto a Secretaria Municipal da Casa Civil. Em 2020, o valor das emendas parlamentares foi de R$ 4 milhões de reais por vereador.

Mas não é uma regra geral. Os demais vereadores apresentam uma votação que nem sempre se cola com o local de envio de recursos.

Segundo vereador eleito que mais destinou verbas via emendas foi Atílio Francisco (Republicanos). Em três anos, o parlamentar destinou mais de R$ 9,4 milhões via 58 emendas parlamentares.

Atílio encaminhou para as pastas de Esporte e Cultura R$ 5,5 milhões. Diferente de Milton Leite, Atílio priorizou eventos que envolvem diversas regiões da cidade em vez de uma área específica. A maior parte das emendas foi destinada a federações esportivas.

Ele obteve seu melhor desempenho eleitoral na zona sul , mas não ultrapassou os 5% dos votos nesses locais, segundo levantamento do Pindograma. As regiões de Campo Limpo, M’Boi Mirim, Santo Amaro, Capela do Socorro e Cidade Ademar foram onde ele foi mais votado. O vereador do Republicanos segue para seu sexto mandato.

No caso de Milton Ferreira (Podemos), terceiro vereador que mais destinou valores via emendas parlamentares entre 2017 e 2019, a presença na zona leste da cidade pode ser vista tanto em votos quanto em emendas. 

O legislador do Podemos priorizou a Secretaria Municipal de Cultura com 54 emendas parlamentares e as Subprefeituras de Guaianases e São Miguel Paulista com quatro e três emendas, respectivamente. No total, o vereador destinou R$ 9,3 milhões em 105 acréscimos ao orçamento. Essas foram as mesmas regiões onde o Milton Ferreira concentrou seus votos para chegar ao terceiro mandato. 

Apesar disso, o parlamentar atua em outra região com mais presença. Das 54 emendas parlamentares liberadas por Milton Ferreira à Secretaria Municipal de Cultura 18 foram para o Instituto Social Cultural Ekballoin. A entidade com sede na Mooca recebeu cerca de R$ 2,3 milhões, 25% do valor que o vereador liberou nos três primeiros anos de governo.

Com relação a Antonio Donato (PT) foram R$ 8,2 milhões em 80 emendas parlamentares liberadas entre 2017 e 2019.

Reeleito em 2020, Donato priorizou a Secretaria Municipal de Esportes e a Subprefeitura Pirituba/Jaraguá. Somadas as pastas receberam cerca de R$ 2,7, 32% do valor liberado pelo vereador.

As emendas do vereador petista priorizaram a reforma de praças e  CDC (Clubes da Comunidade), espaços esportivos públicos geridos por times de futebol locais, nos bairros de Campo Limpo, Jardim Mangalot, Pirituba e Parada de Taipas.

Algumas regiões onde esses CDCs estão localizados coincidiram com a votação, em especial no Campo Limpo e em Taipas, na zona norte. Em geral, Donato teve concentração no extremo norte da capital, zona oeste e zona sul. Em alguns bairros, chegou a ter até 12% de votos válidos no político. 

** Vereador persista que segue para o seu quinto mandato**

Reportagem produzida em parceria com Pindograma

Matheus Oliveira

Bairrista até no nome, Matheus de Souza é jornalista correspondente de São Mateus desde 2017. Com a intuição de que a comunicação vai além das palavras, busca a evolução ao som de muita música brasileira.

São Mateus, São Paulo

Comentários