APOIE A AGÊNCIA MURAL

Colabore com o nosso jornalismo independente feito pelas e para as periferias.

OU

MANDE UM PIX qrcode

Escaneie o qr code ou use a Chave pix:

30.200.721/0001-06

Agência de Jornalismo das periferias
32xSP

Usuários aguardam ampliação de pontos de wi-fi nas periferias de SP

Meta da Prefeitura é duplicar os pontos de acesso existentes na capital paulista; 300 localidades devem estar funcionando até o segundo semestre de 2019

Image

Por: Redação

Publicado em 21.12.2018 | 15:47 | Alterado em 21.12.2018 | 15:47

Tempo de leitura: 4 min(s)
Image

Praça Silva Teles, no Itaim Paulista, receberá um ponto de wi-fi livre em 2019 (Eduardo Silva/32xSP)

A Prefeitura de São Paulo anunciou, no último mês, a expansão do programa WiFi Livre SP. Com velocidade de 512 kbps por usuário, a rede de conectividade atualmente está disponível em 120 praças e parques da cidade. De acordo com a administração municipal, as localidades serão, no mínimo, duplicadas até o final da gestão.

Inicialmente, a previsão do Programa de Metas 2017-2020 era que todos os 120 novos pontos estivessem em operação no segundo semestre de 2018. A escolha das localidades foi determinada por consulta pública realizada neste ano.

O novo prazo estima que a expansão seja iniciada no primeiro trimestre de 2019, agora com 180 novos pontos de conexão obrigatórios, contemplando centros culturais e bibliotecas, centros desportivos e atrações turísticas.

“A proposta é que, no decorrer do ano que vem, esses 300 pontos estejam funcionando. Eles serão instalados de forma gradual, não há como determinar um prazo fixo. Se tudo der certo, até o fim do ano poderemos ter até 619 pontos ativos”, explica Daniel Annenberg, secretário municipal de Inovação e Tecnologia.

ALTERNATIVA PARA OS DADOS MÓVEIS

No Itaim Paulista, extremo leste de São Paulo, a praça Silva Teles receberá um ponto de wi-fi com capacidade para atender 50 usuários. Cercado por estabelecimentos comerciais, bancos e próximo à estação Itaim da CPTM (Companhia Paulista de Trens Metropolitanos), o local é bastante movimentando, mesmo em dias de semana.

Image

Moradora do Itaim Paulista, Erika Alves sugere que o WiFi Livre também seja ampliado para a CPTM (Eduardo Silva/32xSP)

auxiliar administrativa Erika Alves, 25, não costuma acessar a internet gratuita da Prefeitura de São Paulo, mas diz que um ponto de acesso livre na praça Silva Teles pode melhorar sua conexão e mobilidade. Ela usa um aplicativo de transportes para voltar para casa quando faz compras no mercado próximo dali.

“A ideia de instalar internet aqui é boa, mas seria interessante ter nas estações da CPTM também”, comenta.

Já a professora de matemática Adriana da Silva, 38, que frequenta o espaço com seus dois filhos quatro vezes na semana, acredita que o acesso à internet via WiFi Livre irá facilitar sua conexão móvel quando estiver na rua. “Há lugares onde o sinal da operadora é péssimo. Com esse ponto, poderei fazer downloads mais facilmente”, conta.

LEIA TAMBÉM
– Fora do centro de SP: onde encontrar wi-fi gratuito?
– Em Guaianases, Wi-Fi Livre ajuda imigrantes a matar a saudade da terra natal

No distrito vizinho, Guaianases, um ponto do wi-fi será implantado na praça do Mercado Municipal com capacidade para atender 150 usuários.

“Eu uso mais o Wi-Fi Livre para economizar a internet do meu celular. Não é sempre que tenho créditos. Com um ponto aqui, vou acessar o WhatsApp e as redes sociais na hora do almoço. Acho que será bem útil”
Joyce Regina, 22, vendedora

No entanto, Joyce relata que a velocidade é lenta nos pontos de wi-fi gratuito que ela utiliza, em outras praças de Guaianases. “Talvez seja pela quantidade de pessoas que usam na mesma hora”, sugere.

Quem também será beneficiado pelo programa é o auxiliar de limpeza Fábio Lúcio, 36, que também trabalha no local e tem como principal meio de acesso à internet os pontos de Wi-Fi Livre da cidade.

Image

Fábio Lúcio cancelou o plano de internet em casa e agora acessa a rede apenas pelos dados móveis do celular e os pontos de WiFi Livre (Eduardo Silva/32xSP)

“Não tenho internet em casa, mandei tirar por conta do custo. Hoje, acesso pelos pontos livres ou pela internet do chip [móvel]. Mas como carrego só R$ 10, não dura o mês inteiro”, explica.

O WiFi Livre SP registra mais de 7 milhões de acessos por mês. Desde seu início, em 2014, o programa registrou mais de 400 milhões de acessos.

PUBLICIDADE NA CONEXÃO

Em novembro de 2018, foi aberto um edital para o credenciamento de empresas e organizações interessadas em ofertar internet gratuita na capital paulista. Atualmente, a Prefeitura de São Paulo investe cerca de R$ 12 milhões ao ano para manutenção dos 120 pontos de acesso.

Com o credenciamento de empresas privadas, esse investimento será poupado e investido em serviços essenciais, como saúde, educação e segurança, de acordo com a pasta responsável.

LEIA TAMBÉM
– Paulistanos da zona sul veem internet gratuita em praças como algo essencial

Segundo a Secretaria Municipal de Inovação e Tecnologia (SMIT), as empresas serão responsáveis por assegurar internet aos pontos de wi-fi gratuito, tendo, como contrapartida, o direito de explorar a publicidade digital.

“De acordo com o tempo de uso, o usuário do wi-fi verá algumas publicidades. Em pontos destinados para crianças, como os CEUs, a publicidade é vetada”, aponta.

Image

Agora, WiFi Livre SP terá publicidade digital (Reprodução)

Além dos 120 já existentes e os 180 da fase de ampliação, existem outras 319 localidades que são complementares e opcionais para as empresas credenciadas. “A iniciativa privada atenderá um lote com 300 localidades [que são pré-definidas pela secretaria]. A partir daí, poderão escolher outros pontos que mais lhe interessem, podendo chegar a 619, ao todo.”

A publicidade nos pontos do WiFi Livre SP será válida pelo período de cinco anos (leia mais aqui).

DESCONEXÃO ALÉM DO DINHEIRO

Conectar-se à internet pelo smartphone de forma rápida e usando os dados móveis pode ser uma verdadeira barreira na cidade de São Paulo, mesmo para quem tem condições de arcar com os custos.

De acordo com o levantamento “O que acontece quando o telefone não funciona”, realizado pela Associação Brasileira de Infraestrutura para Telecomunicações (Abrintel), a capital paulista tem cerca 2.100 pessoas conectadas por antena. A recomendação da União Internacional de Telecomunicações (UIT) é de, no máximo, 1.500 habitantes por antena.    

Para quem mora no extremo leste de São Paulo, esses números são ainda piores. A pior qualidade de sinal móvel está em Cidade Tiradentes que reúne 16.913 habitantes por antena, seguidos pelos distritos de José Bonifácio (13.546), Vila Jacuí (11.198) e Parque do Carmo (9.948).

Empresas de bairro são única opção de internet na periferia da zona norte

receba o melhor da mural no seu e-mail

Redação

A Agência Mural de Jornalismo das Periferias tem como missão minimizar as lacunas de informação e contribuir para a desconstrução de estereótipos sobre as periferias da Grande São Paulo.

Republique

A Agência Mural de Jornalismo das Periferias, uma organização sem fins lucrativos, tem como missão reduzir as lacunas de informação sobre as periferias da Grande São Paulo. Portanto queremos que nossas reportagens alcancem outras e novas audiências.

Se você quer saber como republicar nosso conteúdo, seja ele texto, foto, arte, vídeo, áudio, no seu meio, escreva pra gente.

Envie uma mensagem para [email protected]

Reportar erro

Quer informar a nossa redação sobre algum erro nesta matéria? Preencha o formulário abaixo.