APOIE A AGÊNCIA MURAL

Colabore com o nosso jornalismo independente feito pelas e para as periferias.

DOE MENSALMENTE PELO CATARSE

OU

MANDE UM PIX qrcode

Escaneie o qr code ou use a Chave pix:

30.200.721/0001-06

Agência de Jornalismo das periferias
Notícias

Alta em mortes por Covid-19 fica estável, mas Grande SP soma 45 mil novos casos

Pela primeira vez em cinco semanas, número de perdas por causa da Covid-19 fica abaixo de mil, mas alta em novos casos mantém alerta sobre doença

Image

Por: Paulo Talarico

Notícia

Publicado em 01.07.2020 | 12:46 | Alterado em 01.07.2020 | 12:55

RESUMO

Pela primeira vez em cinco semanas, número de perdas por causa da Covid-19 fica abaixo de mil, mas alta em novos casos mantém alerta sobre doença

Tempo de leitura: 2 minutos

Pela primeira vez em cinco semanas, o número de vítimas pela Covid-19 na Grande São Paulo ficou abaixo de mil. Ao todo, foram 986 óbitos confirmados pelas 39 prefeituras da região metropolitana entre 23 e 30 de junho, de acordo com levantamento feito pela Agência Mural

As perdas desta semana podem indicar uma estabilidade, apesar do alto número de vidas em risco e famílias que têm sentido o impacto da pandemia. 

Nas duas últimas semanas, as 39 cidades da região registraram entre 1.200 e 1.300 perdas a cada sete dias. Desta vez, a alta de 9% foi menor do que o dos dias anteriores. 

Contudo, a situação ainda é preocupante. Em meio a nova flexibilização da quarentena, houve a confirmação de 45 mil novos casos de Covid-19. Agora são 214 mil, dos quais 151 mil estão concentrados na capital.

A alta de novos casos aqui trata apenas dos casos confirmados e informados pelas prefeituras. É um número que tende a ser maior, pois depende do número de testes realizados, o que tem sido feito apenas nos casos em que os sintomas avançam e os moradores procuram o serviço de saúde.

De todo modo, reforça a necessidade de que os cuidados sejam mantidos caso precise sair de casa, como o uso de máscaras e a higienização.  

A Prefeitura de São Paulo, por exemplo, estima que há dez vezes mais pessoas que foram contagiadas pelo vírus. A subnotificação ainda é um problema. 

Além disso, ainda é preciso ver a gravidade dos novos casos ao longo das próximas semanas e o quanto podem sobrecarregar o sistema de saúde ou não. 

A retomada da economia nos últimos dias teve como uma das condições haver leitos disponíveis para o tratamento dos pacientes. Na capital, por exemplo, os leitos de UTI (Unidade de Terapia Intensiva) estão com pouco mais da metade ocupados. A ocupação é analisada semanalmente.


Atualmente, a capital e outras 14 cidades do ABC e da região Sudoeste (Cotia, Embu das Artes, Itapecerica) estão na fase amarela, que permite a reabertura de estabelecimentos como bares e restaurantes, seguindo algumas regras, a partir da próxima semana. 

No caso das cidades da região oeste, norte e do Alto Tietê, o governo do estado manteve essas regiões na fase laranja, mais restritiva, com a permissão apenas para shoppings e escritórios. No entanto, nas ruas a realidade tem sido a de reabertura geral dos comércios, mesmo nas cidades que não mudaram de fase

Uma dessas cidades que segue na fase laranja é Guarulhos, a segunda mais populosa com 1,3 milhão de habitantes, atrás apenas da capital. 

O município teve uma aceleração no número de novas vítimas para a Covid-19 e chegou a 650 mortos. A cidade se tornou a segunda com mais perdas, após ultrapassar Osasco, que agora registra 484.

As mortes apesar de registradas nos últimos sete dias podem ser de dias anteriores, tendo em vista a dificuldade de resultados dos exames. Os municípios registram mais de 5.000 óbitos ainda em investigação. 

Três regiões superaram a marca das mil mortes. No ABC, são 1.145, na região do Alto Tietê são 1.298 e na região Oeste são 1.071. Apesar disso, quando se leva em conta o número de habitantes, a área que tem os municípios de Osasco e Barueri tem uma taxa maior – são 56 óbitos para cada 100 mil moradores. 

Paulo Talarico

Editor-chefe e cofundador da Agência Mural, é formado em Jornalismo pela Universidade São Judas Tadeu e em História pela Universidade de São Paulo.

Republique

A Agência Mural de Jornalismo das Periferias, uma organização sem fins lucrativos, tem como missão reduzir as lacunas de informação sobre as periferias da Grande São Paulo. Portanto queremos que nossas reportagens alcancem outras e novas audiências.

Se você quer saber como republicar nosso conteúdo, seja ele texto, foto, arte, vídeo, áudio, no seu meio, escreva pra gente.

Envie uma mensagem para [email protected]

Reportar erro

Quer informar a nossa redação sobre algum erro nesta matéria? Preencha o formulário abaixo.