• Informações apuradas pela Agência Mural por meio de dados e entrevistas, buscando ouvir todos os lados envolvidos e seguindo nossa linha editorial.
    Notícia

Não leve o coronavírus para casa; veja orientações

Com a flexibilização do isolamento, quais os cuidados para quem vive nas periferias ao sair de casa e evitar a propagação da Covid-19

Moradores das periferias têm voltado ao trabalho. Apesar da quarentena ainda em vigor e prorrogada até o dia 28 de junho por causa do novo coronavírus, os dias têm sido marcados pela ida às ruas, sobretudo, por quem depende do emprego e precisa da renda para levar para casa. 

A reabertura, contudo, ocorre em um momento que o número de casos de Covid-19 segue em alta na Grande São Paulo. Por isso, se estiver na rua é preciso manter o cuidado redobrado para se proteger e proteger os seus. 

Há 95 dias de quarentena, a Agência Mural faz a cobertura sobre o impacto do vírus nas periferias da capital e nas cidades da Grande São Paulo e tem trazido informações sobre os cuidados necessários para evitar o vírus. Relembramos alguns deles para que você possa alertar quem está por perto a seguir se cuidando.

TRANSPORTE PÚBLICO

Entre as preocupações nas periferias, a propagação do coronavírus para quem circula diariamente no transporte público é uma das principais

Segundo dados oficiais, as operações do Metrô e da CPTM (Companhia Paulista de Transportes Metropolitanos) tiveram uma redução média de 75% no número de passageiros. Também houve registro de queda de 68% na circulação de ônibus. No entanto, cada vez mais tem sido comum ver cenas de trens e ônibus cheiosO que fazer neste caso se não tiver escolha?  

Em geral, a higienização é o principal ponto. Além da máscara, obrigatória para entrar nos veículos, lavar as mãos assim que chegar em algum lugar após utilizar o transporte público é a principal recomendação. 

De acordo com o Ministério da Saúde, lavar as mãos frequentemente com água e sabonete por pelo menos 20 segundos, respeitando os cinco momentos de higienização faz parte das medidas. A falta de água em algumas periferias têm sido também um dos desafios para evitar o contágio. 

Caso não tenha água e sabonete, usar um desinfetante para as mãos à base de álcool é o caminho. 

Apesar do risco de aglomerações, infelizmente, ônibus e trens cheios têm sido cada vez mais comum. Tendo em vista isso, é fundamental evitar tocar nos olhos, nariz e boca com as mãos não lavadas. Cobrir boca e nariz ao tossir ou espirrar com um lenço de papel e jogá-lo no lixo, evitar contato próximo com pessoas doentes.

Vale por fim, enfatizar que a transmissão é muitas vezes feita por conta das gotículas de saliva que podem sair enquanto falamos. Por isso, o distanciamento e o uso de máscaras pode ajudar a evitar o contágio.

QUANDO FOR COMPRAR OU VENDER

Caso precise ir comprar ou se trabalha em um estabelecimento comercial, há algumas precauções que devem ser tomadas. Além de lavar as mãos e não tocar nariz, boca e olhos, os estabelecimentos precisam disponibilizar álcool em gel 70% para o uso dos funcionários, assim como materiais de limpeza, explica o microbiologista Sidcley Silva de Lyra.  

“Em comércios de alimento, essas medidas tem que ter a atenção triplicada para evitar ser um foco de contaminação”, afirma. 

Sidcley comentou que o coronavírus pode resistir em diferentes superfícies por horas ou dias, dependendo do material. “Melhor que saber quanto tempo ele resiste em cada material, é saber como eliminar o vírus”. 

Funcionários que apresentem algum tipo de sintoma do coronavírus devem ser afastados para não infectar os outros funcionários e clientes, ajudando na sustentação da pandemia. 

Quando possível, incentivar o uso de pagamento por aproximação, disponível em algumas máquinas de cartão e indicar que os funcionários não utilizem adornos como anéis, pulseiras e relógios pois dificultam a limpeza das mãos. As unhas também devem ser cortadas são outras medidas de proteção.

Crédito: Léu Britto/Agência MuralUso de máscaras é obrigatório nos ônibus

MÁSCARAS

Em São Paulo, o governador João Doria (PSDB) publicou decreto em que determina a obrigatoriedade do item nas ruas do estado desde 7 de maio. A medida vale em espaços públicos, inclusive nos transportes por aplicativos, por tempo indeterminado.

Segundo a SBI (Sociedade Brasileira de Infectologia), a máscara de pano serve como uma barreira de proteção, mas não elimina a importância das outras medidas preventivas, como distanciamento social e a higienização das mãos com água e sabxonete ou álcool gel 70%. 

As orientações gerais indicam usar máscaras todas as vezes que for necessário sair de casa. Depois que ficar úmida, é preciso trocar. 

A SBI também afirmou que a máscara de pano pode diminuir a disseminação do vírus por pessoas assintomáticas ou pré-sintomáticas que podem estar transmitindo o vírus sem saberem. Outra determinação é de que o uso da máscara de tecido deve ser individual, não devendo ser compartilhado

MAIS QUARENTENA

O governador de São Paulo, João Doria, prolongou, pela quinta vez, o período de quarentena no estado. Com isso, a quarentena vale até o dia 28 de junho.

Apesar da prorrogação, algumas regiões do estado estão autorizadas a parte de suas atividades, conforme decisões do Plano São Paulo, de reabertura da atividade econômica do estado.

Válido desde 1º de junho, o Plano incluiu a capital paulista está na fase laranja, etapa identificada como controle, onde é permitida a abertura de shoppings e comércio de rua – por quatro horas – e de imobiliárias e concessionárias.

Lucas Veloso

Jornalista, cofundador e correspondente de Guaianases desde 2014.

Guaianases, São Paulo

Comentários