APOIE A AGÊNCIA MURAL

Colabore com o nosso jornalismo independente feito pelas e para as periferias.

OU

MANDE UM PIX qrcode

Escaneie o qr code ou use a Chave pix:

30.200.721/0001-06

Agência de Jornalismo das periferias
Democratize-se!

'Cada vez mais, nós meninas negras, estamos nos aceitando', diz Mc Soffia

Image

Por: Luana Nunes | Lucas Veloso | André Santos

Publicado em 19.11.2018 | 14:55 | Alterado em 22.11.2021 | 16:11

RESUMO

Artista da zona oeste de São Paulo tem 14 anos e é uma das referências infantis no rap, com letras e rimas sobre aceitação e a desconstrução do preconceito entre as crianças.

Tempo de leitura: 3 min(s)

É terça-feira. Enquanto pessoas circulam pelas ruas do centro de São Paulo para almoçar, Soffia Gomes da Rocha Gregório Correia, a Mc Soffia, chega acompanhada da avó na biblioteca Monteiro Lobato, com camisa verde, shorts, boné e cabelos crespos.

Nascida e criada na periferia da zona oeste de São Paulo, na Cohab Raposo Tavares, a menina de 14 anos é uma das referências infantis no rap, com letras e rimas sobre aceitação e a desconstrução do preconceito entre as crianças. Nesta terça-feira (20), é celebrado o Dia da Consciência Negra.

“Ao mesmo tempo em que tem a coisa da diversão, as pessoas vão pegar a mensagem que estou querendo passar. Eu falo sobre o feminismo, sobre o empoderamento da menina negra, pra ela gostar do seu cabelo, da sua cor. Acho que as crianças pegam essas referências”, pontua.

O trabalho tem dado resultado. A rapper começou no hip hop após participar de uma oficina onde tinha aulas de canto, dança, grafite e de DJ. O que mais chamava a atenção era cantar.

Aos 12 anos, participou ao lado de Karol Conka da cerimônia de abertura dos Jogos Olímpicos. “Ela (Carol) foi a primeira mulher que gostei mesmo. Eu falei ‘quero ser igual’, cantar com ela e quero ser muito amiga”, relembrou.

A filha mais velha do ator Will Smith, a cantora americana Willow Smith é outra inspiração. Por outro lado, Soffia afirma que hoje ainda faltam referências às meninas de sua cor e que o objetivo é servir de exemplo para quem a vê cantar.

Com apoio e incentivo da família, a Mc relembra o início da carreira na música, quando surpreendia o público. “O povo achava que eu ia cantar ‘borboletinha está na cozinha / fazendo chocolate para a madrinha’, mas eu mandava logo um rap”, explica. “Era engraçado”.

Entre a rotina de shows e a escola (está na oitava série), Soffia procura se dedicar a outros projetos que gosta. Ela mantém um canal no Youtube e tem realizado um bate papo chamado ‘Preteenha Rainha’. Os encontros reúnem meninas negras de 10 a 17 anos para falar sobre racismo e aceitação da estética negra.

A ideia do projeto partiu da mãe, Kamilah Pimentel, que também é empresária da filha. Logo que a mãe comentou, Soffia lembra que pensou: ‘então, não pode entrar adulto’.

Apesar da responsabilidade musical, brincar e estar com os amigos ainda são prioridades para a cantora: ela  gosta de jogar taco e de brincar de “polícia e ladrão”. “As minhas lembranças são de um monte de meninos e meninas correndo na rua. Da hora!”.

Image

Cantora morou na Cohab Raposo e segue na escola (João Paulo Brito/Agência Mural)

Recentemente, ela foi indicada ao prêmio BET Awards 2018 na categoria de Artista Revelação Internacional, o prêmio foi criado pela Black Entertainment Television para contemplar artistas negros com trabalhos de destaque no ano. “Pretendo aparecer mais vezes e da próxima vez poder ir e cantar nas premiações”, comenta.

“Eu nunca imaginei. Uma menina negra do Brasil? Não teve outra mulher representante do país.” conta animada. “Fiquei feliz do povo ter votado em mim e de ter aparecido internacionalmente, porque todo mundo que eu admiro tava lá”.

Às crianças, que formam a maior parte do seu público, a Mc costuma mandar mensagens de motivação para enfrentar o rascismo. “Sigam seus sonhos. Se aceitem, se gostem, independente das pessoas falarem que você é feia, que seu cabelo é ruim, sabe? Você tem que se aceitar e pensar que você é bonita, bonito, que você pode, você é poderosa, você é poderoso”.

Ela diz que tem percebido mudanças significativas.“Cada vez mais, nós meninas negras, estamos nos aceitando, os nossos cabelos, a nossa cor”.

Luana Nunes, Lucas Veloso e André Santos são correspondentes de Parelheiros, Guaianases e Jardim Fontális

LEIA TAMBÉM

receba o melhor da mural no seu e-mail

Luana Nunes

Moradora de um lugar tão tão distante, que carinhosamente chama de Paris. Colaborou na HQ “Minas da Várzea”. É apaixonada por música, futebol, fotografia, shows e viagens. Atualmente é repórter de tecnologia no Gizmodo Brasil. Correspondente de Parelheiros desde 2018.

Lucas Veloso

Jornalista, cofundador e correspondente de Guaianases desde 2014.

André Santos

Jornalista, entusiasta do carnaval, do futebol de várzea, de bares e cultivador assíduo da sua baianidade nagô! Correspondente do Jardim Fontalis desde 2017.

Republique

A Agência Mural de Jornalismo das Periferias, uma organização sem fins lucrativos, tem como missão reduzir as lacunas de informação sobre as periferias da Grande São Paulo. Portanto queremos que nossas reportagens alcancem outras e novas audiências.

Se você quer saber como republicar nosso conteúdo, seja ele texto, foto, arte, vídeo, áudio, no seu meio, escreva pra gente.

Envie uma mensagem para [email protected]

Reportar erro

Quer informar a nossa redação sobre algum erro nesta matéria? Preencha o formulário abaixo.