APOIE A AGÊNCIA MURAL

Colabore com o nosso jornalismo independente feito pelas e para as periferias.

DOE MENSALMENTE PELO CATARSE

OU

MANDE UM PIX qrcode

Escaneie o qr code ou use a Chave pix:

30.200.721/0001-06

Agência de Jornalismo das periferias

Por: André Santos

Notícia

Publicado em 24.02.2022 | 17:02 | Alterado em 23.03.2022 | 10:59

Marcone e Apache são dois times do Parque Vila Maria, na zona norte de São Paulo. Na reta final de 2021, os dois times chegaram às quartas de final da Copa Martins Neto, em um duelo que parou o bairro. As ruas foram fechadas para o deslocamento das torcidas.

No placar, o 2 a 0 para o Marcone foi festejado até tarde, em um jogo que não marcou só a vitória, mas também a presença da torcida. “Foi incrível poder juntar a comunidade novamente”, afirma o comerciante Tiago Peixoto, 36, torcedor da equipe vencedora.

“Uma emoção grande em poder rever amigos que já não moram mais na comunidade, mas que quando souberam que o Marcone voltaria a jogar com torcida vieram de todos os cantos de São Paulo.”

Thiago, à esquerda, torce para o Marcone FC e diz que torcida na várzea chega a ser mais forte que do time profissional @Arquivo Pessoal

O sentimento de Tiago vem após um momento de pausa que impactou os jogos dos fins de semana nas periferias. Após a paralisação durante o período mais grave da pandemia de Covid-19, as torcidas voltaram aos campos para apoiar os times de suas comunidades no ano passado. Com o avanço da vacinação, houve a possibilidade de voltar reunir torcedores.

Apesar dos receios com a variante ômicron, as competições de 2022 já começaram. Das consideradas grandes copas disputadas na várzea de São Paulo, seis já estão com bola rolando (Veja abaixo).

A presença das torcidas tem sido o grande diferencial nesta temporada. Thiago, por exemplo, tem uma relação muito especial com o time do Parque Vila Maria. “Tenho uma relação de família com o time”. Além de ser torcedor do Marcone, o primo e o irmão dele estão entre os fundadores da equipe e da torcida “Fúria da Marcone”.

Perguntado sobre a diferença entre torcer para o time de várzea e o seu clube profissional de coração Thiago afirma:

“A emoção é muito parecida [com o profissional], mas diria que na várzea ela transcende um pouco mais, lá estão todos os seus amigos, conhecidos, vizinhos, família”

Para ele, esse apoio transcende outras rivalidades. “Sabe aquele grande amigo que o único defeito é torcer pros ‘porcos?’ (apelidos dado a torcedores do Palmeiras)? Na várzea torcemos para o mesmo time, e isso é um dos fatores que faz a várzea ser especial”, diz Tiago que também é corintiano.

Na outra ponta da cidade, o analista em informática Paulo José, 42, relata algo parecido. Torcedor do 7 Praias, time do bairro que fica em Pedreira, no extremo sul paulistano. “Torcer para time de várzea é muito bom porque é uma família, a gente mora no bairro, vive aquilo ali. Não tem como torcer para outro time que não seja o time do bairro”.

Torcedores do 7 Praias acompanhando decisão da Copa Pioneer @Arquivo Pessoal

O 7 Praias é o atual vice-campeão da Supercopa Pioneer, um dos maiores torneios amadores do Brasil. Na última edição, a equipe perdeu a final para o Área do Verde. A próxima Copa Pioneer começará em 4 de março e vai garantir como premiação o montante de R$ 80 mil ao vencedor.

“A ideia é que chegue bem também para esse ano, e quem sabe, pra se Deus quiser, a gente possa ser campeão”, e completa “nós deixamos escapar por um detalhe e vamos vir forte esse ano”.

Elenco rotativo

Entre os torneios em disputa estão a Copa 9 de Julho, da zona norte da capital, a Copa Doroteia, da zona sul, a Copa Negritude, a Copa do Busão, de Osasco, Copa da Paz, de Paraisópolis, Copa CECAP, de Guarulhos. Porém, a escolha de qual campeonato disputar varia em uma cidade que tem centenas de equipes como São Paulo.

Com a variedade de campeonatos realizados ao mesmo tempo, há partidas no mesmo fim de semana ou até no mesmo dia. As diretorias escolhem com cuidado quais campeonatos disputarão, mas, por vezes, há competições que se encontram.

“Temos que dividir o elenco, não tem jeito”, explica Isac Saraíva Sobrinho, 39, torcedor e diretor há nove anos do Existente, equipe do Jardim Filhos da Terra.

O Existente teve dois jogos marcados para o mesmo dia com diferença de uma hora entre um e outro, um pela Copa Cecap, e outro pela Copa Negritude. Em casos como esses, a torcida também tem que se desdobrar para apoiar o time nos dois compromissos. Porém, é a forma também de ter mais chances de conquistas ao longo do ano. “Demos uma parada, mas estamos trabalhando para voltar a ganhar de novo”, afirma Isac.

Campeonatos em andamento

1

Copa 9 de Julho

Disputada no campo do Magnólia (CDC Cecília Meirelles), na zona norte de São Paulo. 56 times divididos em 14 chaves , passam os dois primeiros e os dois melhores terceiros colocados. A premiação é de R$ 30 mi ao vencedor, mais troféu, um uniforme novo completo e medalhas. O campeonato ainda está em sua fase de grupos.

2

Copa Doroteia

Com jogos no CDC Doroteia e na Arena Santa Amélia, ambos na zona sul de São Paulo, o torneio tem 26 times divididos em duas chaves de cinco e outras quatro chaves com quatro times cada. 16 equipes passam para as fases de mata-mata (três equipes de cada chave com cinco, duas equipes de cada chave com quatro e mais duas equipes por índice técnico). O campeão leva R$ 7 mil para casa e uma vaga direta na Supercopa Pioneer.

3

Copa do Busão

Disputada em Osasco, na Grande São Paulo, a Copa do Busão tem 64 times disputando um ônibus como prêmio. São 16 chaves com quatro times cada, avançam os dois melhores de cada chave e começa a fase mata-mata. A competição está na fase de grupos e a premiação é uma das mais cobiçadas da várzea, um ônibus!

4

Copa da Paz

A Copa da Paz é conhecida pelo apelido de “a mais charmosa”, é disputada na zona sul de São Paulo, nessa edição contou com a participação de 32 times, divididos em oito chaves de quatro times. O campeão sairá do embate entre Jd. Verônia, Ermelino Matarazzo, zona leste, e Águia Negra, de Perus, zona noroeste, no dia 3 de maio, 15h30, na Arena Palmerinha de Paraisópolis.

5

Copa Negritude

Copa Negritude é realizada na zonal leste de São Paulo, no bairro de Arthur Alvin (Cohab 1). A Jóia de Madiba é troféu da competição, em referência ao ex-presidente da África do Sul e ativista pelos direitos dos cidadãos negros, Nelson Mandela. O campeonato está na segunda fase. A final está marcada para dia 21/04/22.

6

Copa Cecap

Em 19ª edição, o torneio realizado em Guarulhos, na Grande São Paulo, conta com 64 equipes arranjadas em 16 chaves com quatro times cada. O prêmio será de R$ 30 mil para o campeão e R$ 12 mil para o vice, mais medalhas e troféus. A final está prevista para maio de 2022.

André Santos

Jornalista, entusiasta do carnaval, do futebol de várzea, de bares e cultivador assíduo da sua baianidade nagô! Correspondente do Jardim Fontalis desde 2017.

Republique

A Agência Mural de Jornalismo das Periferias, uma organização sem fins lucrativos, tem como missão reduzir as lacunas de informação sobre as periferias da Grande São Paulo. Portanto queremos que nossas reportagens alcancem outras e novas audiências.

Se você quer saber como republicar nosso conteúdo, seja ele texto, foto, arte, vídeo, áudio, no seu meio, escreva pra gente.

Envie uma mensagem para [email protected]

Reportar erro

Quer informar a nossa redação sobre algum erro nesta matéria? Preencha o formulário abaixo.