APOIE A AGÊNCIA MURAL

Colabore com o nosso jornalismo independente feito pelas e para as periferias.

OU

MANDE UM PIX qrcode

Escaneie o qr code ou use a Chave pix:

30.200.721/0001-06

Agência de Jornalismo das periferias

Por: Cleber Arruda | Karine Gomes | Mariana Lima

Notícia

Publicado em 27.09.2022 | 18:35 | Alterado em 30.09.2022 | 10:19

Tempo de leitura: 4 min(s)

Investir em escolas técnicas mais próximas de casa, castrar animais em situação de rua e implementar creches noturnas são algumas das propostas pensadas por candidatos das periferias a deputados estaduais em São Paulo.

As eleições 2022 serão no próximo domingo (2) e a Agência Mural buscou ouvir alguns dos candidatos que estão nas quebradas e buscam pela primeira vez uma vaga na Assembleia Legislativa.

Adriana Vasconcellos é candidata pelo MDB e é da zona norte de SP @Divulgação

Uma delas foi professora Adriana Vasconcellos (MDB), 49, moradora da Parada Inglesa, na zona norte da capital paulista. Com foco em projetos para educação, ela propõe a implantação de espaços para o cuidado de crianças de zero a seis anos no período noturno.

“São os centros de acolhimentos infantis noturnos, que versa sobre essa mãe ter um lugar que vai cuidar da criança para ela estar segura e possa exercer a sua profissão”, explica Adriana.

Para a proposta, ela diz pensar inicialmente na primeira infância, mas ressalta que vai dialogar com a população para entender a demanda e saber se é preciso estender o serviço para crianças de até 12 anos.

Carlos Fabrini é defensor da causa animal @Arquivo Pessoal

Morador do Grajaú, na zona sul de São Paulo, o candidato Carlos Fabrini, 59, do Patriota, se define como defensor da causa animal e quer expandir a atuação para todo o estado.

“Luto há mais de 20 anos (pela causa animal) e não é uma emergência exclusiva do Grajaú. Quero criar alternativas de castração em massa para cães e gatos em situação de rua, visando diminuir a superpopulação de animais abandonados, principalmente nas periferias”, diz.

Keila Pereira aponta a falta de oportunidades no extremo sul de SP como motivação para tentar a vaga de deputada estadual @Thaynan Diniz

De Parelheiros, no extremo sul da cidade, a produtora cultural Keila Pereira (PC do B), 25, faz uma reflexão sobre as demandas da região. “Parelheiros não têm unidades de ensino técnico e superior, mesmo com um potencial enorme de desenvolvimento econômico em áreas como agricultura, turismo e meio ambiente”, aponta. “É o tipo de coisa que não vai enxergar quem não enfrenta essas dificuldades de perto”.

A candidata relaciona ainda os problemas à falta de representatividade no legislativo. “Sempre tive que estudar longe, meus amigos e familiares também, mas nunca houve qualquer prioridade para esse tipo de pauta”, aponta. “Por isso, a proposta é defender e articular uma Escola Técnica nessas áreas em potencial, por exemplo”.

Julio do Quilombo Periférico diz que buscará recursos para mulheres e pessoas LGBTQIAP+ vítimas de violência @Divulgação

O engajamento com a comunidade é parte também da trajetória política desses candidatos. O assistente social Julio Cezar de Andrade, 36, o Julio do Quilombo Periférico (PSOL), iniciou a carreira política cedo em movimentos sociais da região do Lajeado, zona leste da capital.

Na adolescência, esteve no Movimento da Infância e na Pastoral da Juventude do Meio Popular. “A partir desse espaço, sou forjado pela Casa de Axé, e desde então venho consolidando caminho na política, na defesa dos direitos humanos, sociais e políticos”, relembra o babalorixá.

Entre as bandeiras que pretende defender na Alesp (Assembleia Legislativa), Julio quer implementar um programa de desenvolvimento e potencialização de habilidades para jovens e adolescentes em situação de vulnerabilidade.

Também diz que buscará recursos para a garantia dos benefícios eventuais no âmbito da Assistência Social para as mulheres em situação de violência doméstica, jovens e população LGBTQIAP+.

Julio concorre à vaga na mandata coletiva Quilombo Periférico, com a professora Vânia Pereira e a ativista Célia Rosana, do Movimento dos Trabalhadores Sem Terra (MST). Em 2020, foi eleito co-vereador de São Paulo com o coletivo, com mais de 22 mil votos.

Dificuldades

Apesar da atuação, os candidatos apontam uma série de obstáculos para quem tenta chegar pela primeira vez ao posto de deputado estadual. Oportunidade em um partido, busca por reconhecimento popular e verbas para a campanha são algumas das barreiras que se repetem.

“A primeira dificuldade se dá na ausência de investimento, do [repasse do] fundo eleitoral para as candidaturas negras, porém o contato em um território que milito e trabalho tem tido uma receptividade bacana”, aponta Julio.

“Estamos em uma conjuntura de avanço do desemprego, do racismo e da violência por tanto o maior desafio é ver as expressões da questão social na dimensão da vida do nosso povo”

Julio, do Quilombo Periférico

Outro desafio é a concorrência na escolha dentro dos próprios partidos. “Quando se é um candidato desconhecido, os partidos não costumam te dar oportunidades porque entendem que você não vai agregá-los pela falta de votos, em vista que os votos são um dos principais fatores que determinam a sobrevivência da sigla”, diz Carlos Fabrini (Patriota).

Em São Paulo, maior colégio eleitoral do país, 2059 candidatos concorrem a uma das 94 vagas na Assembleia Legislativa paulista. Veja a lista completa das candidaturas aqui.

Para Keila Pereira (PC do B), esse reconhecimento nas periferias é também impactado por questões estruturais. “A dificuldade mesmo é disputar espaço com campanhas que contam com uma estrutura muito maior e por isso garantem votos suficientes para eleger mesmo que não tenham qualquer relação com o território”, diz.

A professora Adriana Vasconcellos (MDB) ressalta que o cenário de pandemia ainda impacta e diferencia o modo de fazer campanha nas ruas entre os candidatos.

“Faltam recursos de toda a natureza. Estamos em tempo de pandemia, e as pessoas estão precisando trabalhar”, aponta.

“Essa história de colocar como voluntário não é para candidatos periféricos, estão em outro patamar quem pode trabalhar de maneira voluntária. E as dificuldades são muitas”

Adriana Vasconcellos (MDB)

receba o melhor da mural no seu e-mail

Cleber Arruda

Cofundador, correspondente da Brasilândia desde 2010 e editor em projetos especiais. É jornalista do Valor Econômico e voluntário do projeto Animais da Aldeia. Canceriano, gosta de cachorros e de viajar por aí.

Karine Gomes

Jornalista graduada pela Universidade Cruzeiro do Sul. Interessada na causa social e animal. Desde a infância esteve voltada para questões sociais, antes como beneficiária, hoje no campo de fala. Correspondente do Grajaú desde 2022.

Mariana Lima

Jornalista e roteirista. Coautora do livro-reportagem "A Voz Delas: a literatura periférica paulistana". Pode ser vista com frequência em bibliotecas públicas. Correspondente de Parelheiros desde 2021.

Como fizemos?

As eleições para deputado estadual e deputado federal têm mais de 4 mil candidatos.

Para encontrar nomes que são das periferias, utilizamos nossa rede de correspondentes que trouxeram indicações sobre quem vai disputar as eleições e faz parte de um bairro das periferias da capital ou da Grande São Paulo.

A partir daí, elencamos dez nomes que garantissem a diversidade de gênero, partido e regiões, para ouvir cinco concorrentes à Assembleia Legislativa e à Câmara dos Deputados.

Publicamos assim uma reportagem sobre o que pensam candidatos a deputado estadual das periferias e esta sobre os candidatos a deputado federal. Além de uma lista com 40 nomes das quebradas. 

Não tivemos retorno de três candidatos.

Republique

A Agência Mural de Jornalismo das Periferias, uma organização sem fins lucrativos, tem como missão reduzir as lacunas de informação sobre as periferias da Grande São Paulo. Portanto queremos que nossas reportagens alcancem outras e novas audiências.

Se você quer saber como republicar nosso conteúdo, seja ele texto, foto, arte, vídeo, áudio, no seu meio, escreva pra gente.

Envie uma mensagem para [email protected]

Reportar erro

Quer informar a nossa redação sobre algum erro nesta matéria? Preencha o formulário abaixo.