APOIE A AGÊNCIA MURAL

Colabore com o nosso jornalismo independente feito pelas e para as periferias.

DOE MENSALMENTE PELO CATARSE

OU

MANDE UM PIX qrcode

Escaneie o qr code ou use a Chave pix:

30.200.721/0001-06

Agência de Jornalismo das periferias
No Corre

Como ficou o auxílio emergencial em 2021; valor vai de R$ 150 a R$ 375

Entenda como ficou o auxílio emergencial em 2021. Após meses de espera, governo divulgou novo formato e previsão é pagamento em abril

Image

Por: Lucas Veloso

Notícia

Publicado em 22.03.2021 | 19:32 | Alterado em 09.11.2021 | 9:56

Tempo de leitura: 3 minutos

Após cerca de quatro meses desde a última parcela paga e com famílias sem recursos para se alimentar por causa da pandemia, o governo federal publicou, na quinta-feira (18), uma Medida Provisória que cria o auxílio emergencial 2021. No entanto, a previsão é que os pagamentos comecem em 6 de abril (Confira o calendário).

CONFIRA TAMBÉM:
Saiba como receber o Auxílio Brasil e o que muda com o fim do Bolsa Família

A partir de sexta-feira (2 de abril), os brasileiros podem consultar se têm direito às novas parcelas do auxílio emergencial. A consulta deve ser feita no site da Dataprev

Desta vez, são previstas três tipos de auxílio, com valores que chegam a ser 70% menores do que o apoio dado ano passado.

A previsão é que sejam quatro parcelas mensais de R$ 250, em média, a serem pagas a partir de abril.

Há duas exceções. No caso de mulheres chefes de família serão  R$ 375, enquanto o indivíduo que mora sozinho receberá R$ 150.

Criado para que as famílias pudessem ficar em casa e se proteger da transmissão do coronavírus, o auxílio emergencial começou ano passado. Após atuação de deputados e senadores, a proposta do presidente Jair Bolsonaro (Sem partido) foi alterada e criou pagamentos de R$ 600 e de R$ 1.200 para famílias chefiadas por mulheres. 

Mesmo com o agravamento da pandemia, que vive o maior número de mortes este ano, o pagamento sofreu uma queda de quase 70% para as mães solo e de 75% para trabalhadores que vivam sozinhos. O governo alega que é o pagamento possível no momento

Image

Material divulgado pelo governo com as novas regras @Divulgação

REGRAS

De acordo com informações oficiais, o calendário para o público inscrito pelas plataformas digitais da Caixa e para os integrantes do Cadastro Único está sendo finalizado e será anunciado em breve. 

Para os integrantes do Programa Bolsa Família, será mantido cronograma regular de pagamento, que pode ser consultado neste link

A operação para pagamento das parcelas do auxílio seguirá o mesmo modelo utilizado em 2020, assim como o processamento e análise dos pedidos, que continua sob responsabilidade do Ministério da Cidadania.

Dos R$ 44 bilhões estabelecidos como limite para o Auxílio Emergencial 2021, R$ 23,4 bilhões serão destinados ao público já inscrito em plataformas digitais da Caixa, R$ 6,5 bilhões para integrantes do Cadastro Único do Governo Federal e outros R$ 12,7 bilhões para atendidos pelo Programa Bolsa Família.

PRESSÃO DA POPULAÇÃO

O benefício foi definido depois de várias mobilizações de entidades da sociedade civil que pediram o valor de R$ 600 até o fim da pandemia. Entre as organizações, a Coalizão Negra Por Direitos, movimento com cerca de 270 membros, criou a campanha Auxílio Até o Fim da Pandemia

O texto de apresentação diz que, em 2020, o auxílio conseguiu garantir não só a comida no prato de milhões de brasileiros, mas também milhões de vidas, permitindo que as pessoas ficassem seguras em casa. 

“Agora, com o fim do benefício, quase 27 milhões de brasileiros seguem vivendo na linha de pobreza extrema no país, sem conseguir garantir o sustento de suas famílias”, pontua um dos trechos.

“Nossa pressão conquistou o auxílio em 2020 e agora é hora de nos unirmos novamente para garantir condições das famílias brasileiras mais vulneráveis enfrentarem o coronavírus em 2021”, diz outro trecho.

A Agência Mural acompanha a situação de moradores das periferias que deixaram de receber os valores e temem a fome.

Em Guaianases, zona leste, a autônoma Margarete Maria Cordeiro, 47, recorreu à internet para vender alguns produtos, como capinha de celular, carregador e pilhas. Com renda insuficiente para despesas, pediu o auxílio emergencial e agora diz sofrer sem o valor mensal. 

“O dinheiro deu uma ajudada. A gente comprava o essencial, mas em compensação as coisas no mercado ficaram mais caras. Agora que acabou, ficou mais difícil porque as vendas estão fracas e eu e meu marido estamos desempregados.”

Nas últimas semanas, tem saído pelas ruas do bairro com o marido para vender os produtos. Para ela, o benefício deveria continuar. “É necessário porque a doença ainda está muito forte. Muita gente precisa, está desempregada ou não pode sair de casa. E a gente não tem tempo para esperar as coisas melhorarem. As contas chegam, a fome bate”.

CALENDÁRIO DAS PARCELAS

Lucas Veloso

Jornalista, cofundador e correspondente de Guaianases desde 2014.

Republique

A Agência Mural de Jornalismo das Periferias, uma organização sem fins lucrativos, tem como missão reduzir as lacunas de informação sobre as periferias da Grande São Paulo. Portanto queremos que nossas reportagens alcancem outras e novas audiências.

Se você quer saber como republicar nosso conteúdo, seja ele texto, foto, arte, vídeo, áudio, no seu meio, escreva pra gente.

Envie uma mensagem para [email protected]

Reportar erro

Quer informar a nossa redação sobre algum erro nesta matéria? Preencha o formulário abaixo.