Conheça os artistas que estarão presentes no Festival de Artes das Periferias

A Agência Mural de Jornalismo das Periferias está comemorando 8 anos! E você é convidado para se juntar a nós nesta festa.

No dia 5 de dezembro vamos fazer o pré-lançamento da nossa primeira reportagem impressa em um festival que organizamos para mostrar o que os artistas de diversas periferias da região metropolitana de SP estão produzindo. E por que chamamos artistas?

Receba nossa newsletter!

Porque nossa primeira reportagem impressa é em quadrinhos! E um de dois autores-desenhistas é um pioneiro do formato no Brasil, Alexandre de Maio, amigo de longa data da agência.

Conheça todos os artistas que estarão no evento.

Amanda Dias

Foto: Amanda Dias

Amanda Dias se descreve como preta, mulher, artesã, artista em desenvolvimento e criadora da marca de biojoias Mandinga. A artesã busca, por meio da estética e do audiovisual, resgatar a cultura ancestral africana e questionar a estrutura eurocêntrica que acredita apagar o significado e a história do povo preto. A Mandinga Biojoias, além da estética, tem como propósito informar sobre a história que conta o que não foi ensinado sobre a população negra. Outro objetivo é contribuir para o protagonismo dos negros.

Lê Nor

Foto: Gabi Sousa

Lê Nor é artista visual. Percebeu o interesse pela arte ao fazer atividades lúdicas com pessoas com deficiência intelectual na ONG onde trabalhava. Já o interesse pelo grafite surgiu por gostar do que via nos muros de São Paulo. Já atuou em mediação cultural, exposições e museus.

Roni Evangelista

Foto: Iwintolá

Roni Evangelista faz lambe-lambe manual, cartazes que compõem a arte urbana, por meio da criação de personagens autorais. A formação acadêmica do artista está relacionada com a moda. Diz que foi por meio dela que encontrou alternativas para trabalhar politicamente com brechós.

Stephanie Inácio

Foto: Nzambi Brito

Stephanie Inácio é militante, feminista e grafiteira. Mora no Grajaú, zona sul de São Paulo, e começou a grafitar em 2016 quando tinha 15 anos de idade. A ação começou porque sentia necessidade de se expressar, buscar autoconhecimento e amor próprio.

Iolanda Borges Porto

Iolanda Borges Porto faz crochê desde muito jovem e há mais de dez anos vende os produtos em uma feira livre no Jardim Marília, zona leste da capital.

Paloma Vasconcelos

Paloma Vasconcelos é jornalista da Vila Nova Cachoeirinha, região periférica da zona norte de SP. É repórter das temáticas LGBTQ+ e gênero da Ponte Jornalismo e correspondente da Agência Mural de Jornalismo das Periferias. Produziu, de forma independente, o livro “Transresistência: Histórias de pessoas trans no mercado formal de trabalho” (2017), apresentado como trabalho de conclusão de curso da FIAM-FAAM. Em 2018, seu livro esteve entre os TCC’s apresentados no 13º Congresso Internacional da Abraji (Associação Brasileira de Jornalismo Investigativo). Também é autora do livro “O Terror e o Islamismo”, lançado em 2015 pela Editora Discovery Publicações.

Vagner de Alencar

Foto: Ira Romão

Vagner de Alencar é apaixonado em contar histórias e, nos últimos dez anos, tem buscado unir comunicação e educação em sua carreira profissional como jornalista, educador e pesquisador. É autor do livro “Cidade do Paraíso- Há vida na maior favela de São Paulo” e, em 2017, foi o jornalista brasileiro escolhido para participar, nos EUA, do programa IVLP (International Visitor Leadership Program), do governo americano.

Thiago Calle

Thiago Calle é poeta, grafiteiro e artista plástico. Publicou dois livros de poesia e desenvolveu um alfabeto autoral para usar nas pinturas em tela, murais e livros. A arte que desenvolve está ligada ao expressionismo abstrato e caligrafia. Já participou de exposições em São Paulo e Paraty (RJ).

Oliv Barros

Oliv Barros é figurinista, diretor de arte, estudante de moda, educador e membro fundador do coletivo Gleba do Pêssego. Tem 25 anos e sempre morou em Heliópolis, sudeste da capital paulista. Aprendeu do bordado ao grafite. Assume que a costura virou uma paixão e decidiu usar figurino no audiovisual. Pensa que a indumentária, arte relacionada ao vestuário, é uma forma de expressão que não possui gênero. Também faz colagem.

Magno Borges

Foto: Ira Romão

Magno Borges se formou como ator na Escola Livre de Teatro e se dedicou às artes cênicas por dez anos até se interessar pelas artes visuais. Foi aluno no MAM (Museu de Arte Moderna de São Paulo) e assistente do artista Stephan Doitschinoff, com quem fez uma residência artística no interior da Bahia. Atualmente, trabalha como ilustrador na Agência Mural.