• Informações apuradas pela Agência Mural por meio de dados e entrevistas, buscando ouvir todos os lados envolvidos e seguindo nossa linha editorial.
    Notícia

Com aplicativo com problemas e sem medição, conta de luz de morador da periferia de SP chega a dobrar

Moradores questionam sistema e apontam dificuldades para fazer o cadastro pelos aplicativos da operadora

O aposentado José Pereira, 66, mora no Itaim Paulista, na zona leste de São Paulo, e levou um susto quando chegou a fatura da conta de energia deste mês: R$ 300. O dobro do valor que pagou em abril. Sem TV na residência, por um problema técnico, os eletrodomésticos mais usados são a geladeira e o microondas. 

“Aqui, mora apenas eu e minha esposa. A televisão está quebrada faz quatro meses”, diz Pereira. “Devido o valor na conta de luz, usamos o tanque para lavar as roupas”. 

Não houve medição da conta. Por conta da epidemia do novo coronavírus, a Enel, concessionária responsável pelo fornecimento de energia elétrica em São Paulo, desobrigou as distribuidoras de enviarem funcionários para apurar o consumo de energia.

Para Pereira, houve erro no procedimento. Ele conta que a rotina dele e da esposa, Francileuda, não mudou. Ambos são aposentados e tem o costume de ficar em casa. “Somos do grupo de risco, não saímos. Também não somos ligados a essas coisas de tecnologia que essa juventude é. Não justifica o valor da que veio”.

Crédito: Arquivo PessoalJosé Pereira relata dificuldade para uso do aplicativo para medição da conta de energia

O aposentado entrou em contato com a empresa de energia. Sem resposta, recorreu ao  desconto da Tarifa Social benefício criado pelo Governo Federal que é um desconto ou gratuidade na conta de luz

Mas ainda há um entrave para receber o decréscimo. Embora tenha mais de 65 anos, ele precisa ser cadastrado no CadÚnico. O problema é que o CRAS (Centro de Referência em Assistência Social) que realiza o cadastramento está com as portas fechadas por razão da Covid-19. 

“O atendimento tem sido através do 156, mas, por lá, não fazem esse procedimento. Para não ficar nessa enrolação decidi por pagar mesmo”, afirma Pereira. 

MUDANÇAS

Sem a medição realizada de porta em porta, a Enel criou um sistema em que os consumidores podem fazer a leitura do medidor e informar por meio de um aplicativo no celular. Em tese, quem realizar o procedimento terá cobrado o valor consumido no mês. Do contrário, será cobra a média de consumo dos últimos 12 meses.

O problema é que moradores têm relatado que os valores têm vindo acima da média. Outros relatam dificuldades para fazer o cadastro. “Não sei fazer, meu celular é daqueles antigos, pedi ajuda do meu filho para fazer essa auto-leitura”, afirma Pereira. 

Mesmo aqueles que têm acesso à tecnologia estão com dificuldades de enviar a foto da auto-leitura. Na página do aplicativo da Enel, as reclamações sobre o alto valor e o procedimento sem sucesso são inúmeras. 

Segundo o IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) nos últimos quatro anos o valor da conta de luz superou a inflação em 28%. Somente neste ano o aumento acumulado da tarifa até dezembro deve chegar a 44%.

Quem também  teve aumento no valor da conta de luz foi o João Berto, 35, morador do Jardim Nélia, extremo leste de São Paulo. Ele tem uma empresa de conserto de ar condicionados e continua trabalhando normalmente. 

“A minha rotina não mudou continuo cumprindo os contratos nas empresas, principalmente, agora, que estão aproveitando para fazer limpeza nos aparelhos e instalar novos”, diz Berto. 

VEJA TAMBÉM:
Saiba quem pode pedir gratuidade na conta de energia elétrica
Favelas ‘invisíveis’ vivem ainda mais problemas por conta da Covid-19

O microempresário mora sozinho em um apartamento CDHU (Companhia de Desenvolvimento Habitacional e Urbano) e teve um aumento de 100% na fatura de luz. “O que mais me assustou no aumento foi que meus vizinhos que têm filhos e estão em casa tiveram uma cobrança parecida”, diz Berto. 

Sem corresponder aos pré-requisitos para obter a gratuidade da tarifa social, a única opção foi entrar em contato com a Enel. Ele conta que não teve sucesso. A orientação foi fazer a auto-leitura e encaminhar pelo aplicativo. 

“Sou mais um para a estatística. O aplicativo trava, não carrega a foto, bem complicado”, finaliza Berto. 

Em nota, a Enel, concessionária de energia responsável, disse que vai avaliar cada caso enviado. E que os clientes ainda devem entrar em contato para tirar dúvidas em relação ao consumo no telefone (0800-280-0120).

Danielle Lobato

Jornalista, correspondente de Itaim Paulista desde 2016.

Itaim Paulista, São Paulo

Comentários