APOIE A AGÊNCIA MURAL

Colabore com o nosso jornalismo independente feito pelas e para as periferias.

OU

MANDE UM PIX qrcode

Escaneie o qr code ou use a Chave pix:

30.200.721/0001-06

Agência de Jornalismo das periferias
Notícias

Os desafios dos corredores de rua nas periferias

Image

Por André Santos | 11.09.2018

Publicado em 11.09.2018 | 17:59 | Alterado em 22.11.2021 | 15:43

RESUMO

No Tremembé, atletas narram as aventuras de quem decide praticar o esporte na quebrada e dão dicas para garantir a segurança

Tempo de leitura: 3 min(s)

O segurança Diego Oliveira de Toledo, 30, morador do Jardim Fontalis, na zona norte de São Paulo, foi motivado por amigos a começar a praticar esporte para melhorar a saúde. Aos 29 anos, ele estava com 130 quilos, e a alternativa foi correr perto de casa. 

“Comecei a correr com muita dificuldade, pois estava acima do peso”, relembra. Mas além do peso, Toledo enfrentou um outro desafio – vencer os obstáculos das ruas do bairro. “Sem um local apropriado nas imediações da minha casa para corrida, comecei a correr nas ruas da quebrada”, explica.

Além da prática pessoal, Diego faz parte de um grupo de corredores que vivem no distrito do Tremembé. Ele se uniu a alguns amigos para criar a equipe “100 Tempo”. O nome faz referência a complicada agenda dos integrantes, que quase nunca conseguem correr juntos. O grupo conta com professores de educação física, gráfico, segurança, agentes de seguro, motoboys, artistas. Cada um com uma rotina de trabalho.

Mesmo que não façamos o mesmo treino, nem o mesmo tempo, um acaba incentivando o outro.  Quando tem o encontro em algum evento de corrida, aí fortalece mais o grupo”, aponta Walmir da Silva Oliveira, 34, técnico em seguro.

Image

Walmir da Silva (esquerda) e os outros Integrantes da equipe 100 tempo (Divulgação)

Diego aderiu aos treinos e diz não se arrepender da escolha. “Hoje peso 95 quilos, costumo dizer que a corrida mudou a minha vida. Sem pretensão alguma comecei nesse esporte e carrego ele até hoje. Uma coisa é certa: é um esporte viciante”, conclui.

A OMS (Organização Mundial de Saúde) lançou, neste ano, um plano de ação global contra o sedentarismo que vai até 2030. O plano enfatiza a importância da atividade física contra doenças crônicas não transmissíveis como as cardíacas, acidentes vasculares cerebrais, diabetes, câncer de mama e de colo do útero, responsáveis por 71% das mortes em todo o mundo.

AUMENTO DOS CORREDORES DE RUA

A última estimativa da Federação Paulista de Atletismo feita em 2017, aponta que houve um aumento de 25,24% de atletas nas Corridas de Rua. A equipe do Jardim Fontalis participou de corridas em outras regiões da cidade. Contudo, os membros apontam os altos preços como um fator desestimulante para as provas.

Outra alternativa seria o circuito de corridas de rua promovido pela secretaria municipal de Esportes e Lazer que possui dez corridas ao longo do ano espalhadas pela cidade. As inscrições são gratuitas, porém, limitadas. “Acabam muito rápido, é impossível fazer a inscrição.”, afirma Walmir.

VEJA TAMBÉM:
Outras notícias da zona norte de São Paulo
Confira os vídeos da Agência Mural

Mas correr nas periferias não é tarefa das mais simples. A falta de estrutura das vias afeta os corredores que acabam sofrendo lesões e tendo a atenção dividida em várias adversidades ao longo dos treinos.

Os atletas amadores da equipe “100 Tempo” desenvolveram técnicas de como correr nas periferias e deram algumas dicas para quem pretende começar essa prática esportiva. 

BURACOS

Buracos na via, calçadas pequenas, desníveis na superfície e má educação dos motoristas são as principais preocupações dos corredores. “Tive algumas torções nos joelhos e tornozelos, graças a Deus nenhuma lesão muito grave.”, diz Diego, que recomenda atenção a esses pontos.

APLICATIVOS

Usar redes sociais e aplicativos que auxiliam nos treinos têm sido as ferramentas usadas pela equipe para  trocar informações. Há ferramentas como o Sport Trackers, que mede a distância, passos, ritmo, frequência cardíaca e calorias gastas. 

Image

O segurança Diego Oliveira usa aplicativos para medir a distância (Acervo Pessoal)

TAMPAS DE BOEIRO

O gráfico Alexandre Pereira Santos, 43, pede atenção para as tampas de bueiros. Nunca é uma boa ideia correr sobre elas, segundo ele. “Certa vez correndo com dois amigos, pisei em uma tampa que estava quebrada e não percebi, fui até o fundo do bueiro com um pé”, conta.

“A sorte é que a outra pisada foi na outra ponta da tampa que me jogou pra cima novamente, isso sem parar de correr. Foi um susto, mas não perdemos o pique”, conta.

CORRER NA CONTRAMÃO

Diego Toledo sempre teve receios da “falta de preparo e da educação dos motoristas”, afirma que muitos não respeitam o corredor. “Sempre me preocupei em ser atropelado, o treino não era produtivo, pois a preocupação atrapalhava a minha desenvoltura no esporte”, reforça.

“Depois de muito pensar, decidi correr na contramão, assim conseguiria enxergar como os carros estavam se locomovendo, em qual direção e se a seta estava ligada para fazer alguma conversão etc.”.

OBRAS NAS VIAS

Obras nas vias também merecem atenção dos corredores. Por vezes, há interdições e levam a correr pela rua. Esse tipo de empecilho. “Estava correndo sozinho, a calçada estava fechada com tapumes porque a Sabesp fazia uma escavação, eu vinha correndo no meio fio bem em uma curva, quando senti uma pancada no ombro”, conta Alexandre.

Era um ônibus, mas o corredor teve sorte. “Foi só o susto da pancada”.

André Santos é correspondente do Jardim Fontalis
[email protected]

receba o melhor da mural no seu e-mail

Republique

A Agência Mural de Jornalismo das Periferias, uma organização sem fins lucrativos, tem como missão reduzir as lacunas de informação sobre as periferias da Grande São Paulo. Portanto queremos que nossas reportagens alcancem outras e novas audiências.

Se você quer saber como republicar nosso conteúdo, seja ele texto, foto, arte, vídeo, áudio, no seu meio, escreva pra gente.

Envie uma mensagem para [email protected]

Reportar erro

Quer informar a nossa redação sobre algum erro nesta matéria? Preencha o formulário abaixo.