APOIE A AGÊNCIA MURAL

Colabore com o nosso jornalismo independente feito pelas e para as periferias.

DOE MENSALMENTE PELO CATARSE

OU

MANDE UM PIX qrcode

Escaneie o qr code ou use a Chave pix:

30.200.721/0001-06

Agência de Jornalismo das periferias
Sobre-Viver

Frequentadores apontam cuidados desiguais em áreas do Parque da Cidade

Com acessos principais em bairros distintos de Salvador, o parque mostra condições e infraestruturas diferentes, segundo moradores do Nordeste de Amaralina

Image

Por: Bruna Rocha

Notícia

Publicado em 12.11.2021 | 18:06 | Alterado em 23.11.2021 | 18:27

Apesar das diversas opções de lazer, uma agenda cultural variada e de ser um respiro para Salvador com suas inúmeras espécies da Mata Atlântica, o Parque Joventino da Silva, mais conhecido como Parque da Cidade, é observado com atenção por seus frequentadores que apontam problemas de infraestrutura e formas desiguais de preservação do território.

Inaugurado em 1975 e reformado em 2014, o parque está localizado entre os bairros de Itaigara e Santa Cruz, na região do Complexo do Nordeste da Amaralina. O geólogoClímaco Dias, 65, que estudou as relações de vizinhança e parentesco do Nordeste de Amaralina, exemplifica nuances distintas na estrutura do local.

“Apesar de ser o principal público do parque, a comunidade vizinha ainda sofre um processo de segregação que se intensificou com a reforma realizada em 2014. A entrada do Itaigara é completamente diferente da que temos em Santa Cruz. A localização do banheiro é mais distante, não tem bebedouros e lixeiras na região, a alternativa é migrar para parte mais estruturada”, pontua.

Entrada do parque pelo bairro de Santa Cruz tem portões danificados @Bruna Rocha/Agência Mural

Placa com nome do parque na entrada pelo bairro de Santa Cruz está quase apagada @Bruna Rocha/Agência Mural

As entradas do parque são diferentes. O acesso pelo bairro do Itaigara é apresentado por um painel com o nome do parque rodeado por flores, portões conservados, mosaicos na calçada e um estacionamento ao lado. Ali, o visitante já encontra um parquinho, bancos na praça e uma variedade de produtos oferecidos pelos vendedores locais cadastrados.

No acesso pelo bairro da Santa Cruz, duas das três partes do portão de ferro foram retiradas e ficaram apenas vigas de concreto. O letreiro que identificava o nome do parque está praticamente apagado pelo tempo. Não há estacionamento, bancos, bebedouros ou banheiros por perto dessa entrada.

Contudo, Dias destaca a importância do equipamento público para a comunidade. “O parque está muito próximo a esse aglomerado de bairros que é o Nordeste de Amaralina, o que nos leva a pensar numa apropriação cotidiana, diferentemente dos outros bairros, que normalmente visitam esse espaço aos finais de semana. Por isso, é natural vermos partidas de futebol, passagem para o trabalho e práticas esportivas mais intensas”.

Para a técnica de análises clínicas Tamires Santos, 25, que costuma levar seu filho para brincar no parque, é preciso mais atenção à infraestrutura do ambiente. “Sinto falta de uma manutenção mensal. Alguns brinquedos estão quebrados e tem baixa variedade de alimentos sendo vendidos. É interessante trazer meu filho para se divertir num meio natural, mas tem esses pontos que poderiam melhorar”, avalia Tamires.

Já a universitária Maria Cecília Cerqueira, 21, atravessa o parque diariamente para ir ao trabalho e diz que adora observar as plantas e sons dos pássaros. Contudo, ela reclama da situação próxima a entrada do Santa Cruz durante os períodos chuvosos. “Quando chove fica tudo alagado e não tem um local para passar chuva. Além disso, sinto que poderia aumentar o número de bancos na praça”, diz.

O exemplo da utilização do parque pela estudante como forma de condução ao trabalho é visto como ponto positivo da geolocalização do equipamento público pelo economista Edval Landulfo, 43. “Ao caminhar pelo parque indo para o trabalho, os moradores passam menos tempo nos ônibus e engarrafamentos, e evitam um estresse cotidiano. Ao invés disso, podem andar por uma área verde e escutar sons de pássaros”, diz.

E ressalta: “No fim, se tem um desgaste físico menor, melhores noites de sono e, claro, tem o fator econômico. Poder transitar nesse espaço gera uma economia de até R$ 8,80 por dia. Sem considerar ainda as famílias que têm esse espaço como fonte de renda”, conclui Landulfo.

Com a reforma em 2014 também vieram novas regras de utilização, como por exemplo, não é mais permitido colher folhas e frutos da área e os vendedores ambulantes precisam de licença da prefeitura para trabalhar no local.

A mudança não agradou o vendedor ambulante Raimundo Teixeira, 56.“Quando tentei conquistar uma barraca já era tarde. Todas já têm donos, mesmo assim consigo vender meus produtos fora delas”, diz.

O frequentador André Pereira reclama de não poder mais colher flores e folhas no parque @Bruna Rocha/Agência Mural

Já o autônomo André Pereira, 48, filho de Santo do Ilê Asé Ibá de Óya, reclama que com as novas normas não é mais permitida algumas práticas religiosas no parque, sobretudo das religiões de matriz africanas, como a realização de oferendas, visitas a lagoa, retirada das folhas e areia para eventos.

“Costumava levar muitas oferendas para o parque, tirava folhas, insabas para as oferendas e, hoje, até pegar uma pedra é motivo de problema. Não podemos colocar presente na lagoa e nem na mata. Está muito difícil cultuar o nosso sagrado”, diz.

Morador do entorno do parque, ele conta que atualmente precisa se deslocar para realizar suas práticas religiosas. “Hoje preciso ir até a Paralela, localizada a 13,7 km de distância de casa, e nesse deslocamento já tem os olhares intolerantes e o próprio custo financeiro, ou seja, se eu não tiver transporte fico sem realizar minhas atividades, quando tenho uma área próxima a mim que poderia auxiliar nisso”, observa.

O OUTRO LADO

Em resposta às questões apuradas durante a reportagem, a Secis (Secretaria de Sustentabilidade e Resiliência), da Prefeitura de Salvador, que administra o parque, fez considerações sobre cada um dos pontos discutidos.

A respeito das reclamações sobre a preservação dos acessos, a pasta afirma que o primeiro passo dado quando se iniciaram as intervenções que requalificaram o Parque da Cidade foi focar no diálogo com o bairro Santa Cruz. Por isso, os muros que existiam no local foram substituídos por portões de acesso. “A estrutura de acesso ao parque pelo bairro da Pituba é maior e diferente pelo fato de ser por onde a maior parte da população, de outras localidades de Salvador, acessam o equipamento”, explica.

Sobre a proibição da retirada de folhas e frutos, o órgão diz que “não existe proibição, e sim uma recomendação/orientação, uma vez que a maneira com que os frutos são retirados das árvores, através do arremesso de paus e pedras, geram alto risco de incidentes para quem passa pelo local”.A Secis diz ainda que o Parque da Cidade é um Área de Proteção Ambiental, por isso não é permitida a retirada de nenhuma espécie arbórea do local sem a devida autorização.

A respeito das queixas sobre a distância dos bebedouros e da manutenção do parque, a secretaria diz que por questões referentes a protocolos sanitários não há bebedouros no Parque da Cidade e que a manutenção dos equipamentos/brinquedos de todos os parques municipais são realizadas pela Secretaria de Manutenção da Cidade periodicamente ou na medida que surja alguma urgência.

“O Parque da Cidade é um parque natural, o que é considerado algo positivo e valioso do ponto de vista ambiental e cultural. Considerando isso, quanto menos intervenção urbana houver no local melhor, o que proporciona ao visitante um contato mais original com o ambiente. Por isso, é evitado intervenções estruturais no espaço”, finaliza a Secis.

Bruna Rocha

Estudante de jornalismo, correspondente da Barra/Pituba em Salvador, BA, desde 2021. Gosta de ler, resenhar, e sempre estar informada, pois acredita que através da comunicação de qualidade e ética pode quebrar barreiras.

Republique

A Agência Mural de Jornalismo das Periferias, uma organização sem fins lucrativos, tem como missão reduzir as lacunas de informação sobre as periferias da Grande São Paulo. Portanto queremos que nossas reportagens alcancem outras e novas audiências.

Se você quer saber como republicar nosso conteúdo, seja ele texto, foto, arte, vídeo, áudio, no seu meio, escreva pra gente.

Envie uma mensagem para [email protected]

Reportar erro

Quer informar a nossa redação sobre algum erro nesta matéria? Preencha o formulário abaixo.