• Informações apuradas pela Agência Mural por meio de dados e entrevistas, buscando ouvir todos os lados envolvidos e seguindo nossa linha editorial.
    Notícia

Das 500 mil mortes por Covid-19, quase 60 mil são da Grande São Paulo

Na última semana, 1.347 pessoas morreram na Grande São Paulo no dia em que o país chega a nova marca trágica. Situação dos hospitais ainda preocupa. Use máscara!
Protesto em Mairiporã teve cruzes simbolizando luto pelas vítimas de Covid-19 | Jair Campos/Arquivo Pessoal

Parece que chegamos longe, mas ainda não acabou. Neste sábado (19), o Brasil chegou à trágica marca de 500 mil vidas perdidas por causa da Covid-19.

No mesmo dia, atos contra o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) foram registrados por todo Brasil e na Grande São Paulo

Enquanto a expectativa pela vacinação aumenta com a antecipação das datas e a previsão de todos os adultos imunizados até setembro em São Paulo, a situação ainda é delicada. 

Com a lotação dos hospitais e o atual número de perdas, a necessidade de medidas como o uso de máscaras seguem necessárias. 

Do meio milhão de casos fatais da doença, a região metropolitana concentra quase 60 mil. Só na última semana, 1.347 pessoas não resistiram ao coronavírus nas 39 cidades da Grande São Paulo. 

Os dados são entre 11 de junho e 17 de junho, mostra Panorama da Covid-19, página da Agência Mural que acompanha semanalmente os dados da pandemia. 

Para se ter uma ideia, a semana em que houve menos vítimas desde o início da pandemia foi em 11 de dezembro, quando 145 pessoas morreram em uma semana. Desde então, as perdas chegaram a quase 3 mil em sete dias entre março e abril, quando foi decretada a fase emergencial do Plano SP. 

As medidas reduziram o total, mas não permitiram uma estabilização. Os hospitais seguem com taxa de ocupação perto de 80%, sendo que por semanas não houve a redução da ocupação, mesmo com a entrega de novas vagas pela Prefeitura de São Paulo em maio. 

MORTES NA GRANDE SP

Ao levar em conta cada cidade da região, os municípios de Guarulhos, Santo André, Osasco e São Bernardo do Campo tiveram mais vítimas, todos acima de 2.000. Os guarulhenses recentemente chegaram a ultrapassar 4.000 perdas.

Por outro lado, as cidades que tiveram mais perdas proporcionalmente, com destaque para São Caetano do Sul, Barueri e Arujá.

MORTES NA CAPITAL POR REGIÃO

Distritos das periferias da capital foram os que mais registraram mortes, caso de Sapopemba, Grajaú e Brasilândia. No mapa da cidade a taxa por 100 mil habitantes mostra que zona leste e zona norte tiveram bairros proporcionalmente mais afetados.

Sobre a vacinação, embora a expectativa seja de avanço e filas se formando em busca da xepa, a distribuição dos imunizantes ainda não decolou. Há cidades como Rio Grande da Serra onde apenas 16% da população tomou pelo menos uma dose da vacina. 

Na capital, 34% da população recebeu a primeira dose, mas menos da metade voltaram para receber a segunda vacina. 

Paulo Talarico

Editor-chefe de jornalismo, cofundador e correspondente de Osasco desde 2011. Formado em jornalismo pela Universidade São Judas Tadeu, tem pós-graduação em jornalismo esportivo e curso técnico de locução para rádio e TV. Atualmente, estuda História na Universidade de São Paulo. Gosta de café, Osasco, livros, futebol e cinema.

Osasco

Comentários