APOIE A AGÊNCIA MURAL

Colabore com o nosso jornalismo independente feito pelas e para as periferias.

OU

MANDE UM PIX qrcode

Escaneie o qr code ou use a Chave pix:

30.200.721/0001-06

Agência de Jornalismo das periferias

Por: Matheus Oliveira

Notícia

Publicado em 30.06.2022 | 14:57 | Alterado em 02.07.2022 | 13:27

Tempo de leitura: 3 min(s)

Em 2019 a estação São Mateus da Linha 15 – Prata do monotrilho foi entregue à população, após sete anos de atraso nas obras. Mesmo com a entrega, passageiros que circulam no local apontam uma deficiência: não há uma conexão direta, seja por túnel ou passarela, com o terminal de ônibus para quem vai embarcar.

O novo meio de transporte liga o bairro de São Mateus, na zona leste de São Paulo, à Linha 2 – Verde do metrô. Para chegar à plataforma, os passageiros vindos do Terminal São Mateus precisam atravessar a avenida Adélia Chohfi.

“O fluxo de carros é muito grande. Você tem que esperar o farol fechar e às vezes muitos não respeitam. Se você estiver desatento pode ser atropelado”, conta a vendedora Katy Berber Cordeiro, 41.

Katy mora no Jardim Santa Adélia, próximo ao Terminal São Mateus, e usa o monotrilho diariamente para ir ao trabalho e sair aos fins de semana.

Para a vendedora, a falta de uma ligação entre o monotrilho e o terminal de ônibus deixa os passageiros vulneráveis a violência. “A segurança é zero. Nenhum tipo de segurança. Você tem que pedir pra alguém vir aqui para te buscar, para te acompanhar até em casa. E olha que eu moro aqui [perto]”.

Katy fala sobre riscos com a falta de uma ligação direta entre a estação e o terminal @Matheus Oliveira/Agência Mural

A ligação entre a estação São Mateus e o terminal de ônibus está em desenvolvimento, de acordo com a Secretaria de Transportes Metropolitanos do estado. A pasta, porém, não informou uma previsão para a implantação.

Progresso e incertezas

Morador do bairro há 56 anos, o aposentado Eurípedes Carnevazzi, 81, usa o monotrilho esporadicamente para ir ao Hospital São Paulo, na Vila Clementino. Eurípedes vive no bairro Jardim Walkiria, próximo a estação São Mateus e assume: o monotrilho atende muito bem a população, mas demorou para chegar na região.

“[O monotrilho é] ótimo. Vou falar com sinceridade, pensei que ia morrer e não ia ver esse monotrilho. O que estava programado já há muitos e muitos anos, mas graças a Deus veio”.

Eurípedes se refere ao tempo que levou para conclusão da Linha 15 – Prata. O monotrilho foi anunciado em 2009 pelo governo do estado com previsão de entrega para 2012, como um legado da Copa do Mundo de 2014. Junto com os anos também cresceu o custo da obra. Anunciada pelo governo do estado por R$ 2,8 bilhões, o projeto custou R$ 5,5 bilhões até a estação São Mateus, de acordo com o G1.

Euripedes vê melhoras com a chegada da estação, mas aponta demora no projeto @Matheus Oliveira/Agência Mural

Questionada a Secretaria dos Transportes Metropolitanos não informou o valor total da construção do monotrilho da zona leste e o porquê a obra encareceu.

Mesmo com a demora, moradores esperam que as obras continuem e cheguem aos outros bairros do extremo leste. “São Mateus cresceu muito com [o monotrilho]. Como a hora que ele [monotrilho] for sentido Iguatemi, para aqueles lado, vai subir mais ainda. Não sei se eu vou a chegar a ver”, afirma Eurípedes.

A linha 15 – prata transporta cerca de 300 mil pessoas por dia ao longo de 11 estações. Com a inauguração das estações Ipiranga, Boa Esperança e Jacu-Pêssego, o Metrô espera transportar mais de 480 mil pessoas diariamente. De acordo com o relatório de empreendimentos de abril deste ano da companhia, não há previsão da extensão do monotrilho até Cidade Tiradentes.

O projeto de expansão prevê novas estações na Avenida Ragueb Chohfi, no distrito do Iguatemi, em São Mateus. Os terrenos das futuras estações Boa Esperança e Jacu-Pêssego já foram desapropriados dos antigos moradores e estão cercados. De acordo com o Metrô, as estações estão previstas para 2025.

Jessi explica que terrenos das novas estações têm causado receios @Matheus Oliveira/Agência Mural

Porém, a situação tem causado um outro problema. O analista de comunicação Jessi Rodrigues, 31, acompanha a chegada do monotrilho da marmoraria onde o pai dele trabalha há 30 anos. Jessi comenta que a desapropriação dos imóveis somada a demora para a construção da Linha 15 – Prata tem elevado a sensação de insegurança no bairro.

“A demora para começar a mexer exatamente nessa parte vai deixando o local um pouquinho deserto e automaticamente os moradores de rua estão tomando conta e às vezes até saqueando locais que já foram fechados”

receba o melhor da mural no seu e-mail

Matheus Oliveira

Bairrista até no nome, Matheus de Souza é jornalista. Com a intuição de que a comunicação vai além das palavras, busca a evolução ao som de muita música brasileira. Correspondente de São Mateus desde 2017.

Republique

A Agência Mural de Jornalismo das Periferias, uma organização sem fins lucrativos, tem como missão reduzir as lacunas de informação sobre as periferias da Grande São Paulo. Portanto queremos que nossas reportagens alcancem outras e novas audiências.

Se você quer saber como republicar nosso conteúdo, seja ele texto, foto, arte, vídeo, áudio, no seu meio, escreva pra gente.

Envie uma mensagem para [email protected]

Reportar erro

Quer informar a nossa redação sobre algum erro nesta matéria? Preencha o formulário abaixo.