Eleições 2018: Há propostas para você pegar o trem menos cheio?

Ampliar, aprimorar, implantar. Os verbos são a marca das propostas dos candidatos ao governo do estado de São Paulo para a área do transporte. O quanto ampliar, o quanto aprimorar e o quê implantar, é uma outra questão.

Tendo em vista os projetos necessários para melhorar a vida de moradores que dependem do transporte público nas periferias, a Agência Mural levantou o que os candidatos ao Palácio dos Bandeirantes têm como compromissos para o setor.

Receba nossa newsletter!

O governo do estado é responsável pelos trens da CPTM e do Metrô, assim como as linhas intermunicipais mantidas pela EMTU (Empresa Metropolitana de Transportes Urbanos).  Diariamente, mais de 7,8 milhões de pessoas andam pelos trilhos da região metropolitana. 

As reclamações de lotação, preço da passagem e dificuldade de integração são os desafios de quem for o próximo governador. Porém, nos documentos registrados na Justiça Eleitoral, há poucas especificações sobre o que será feito e em quais regiões.

Sobre ciclovias, apenas um candidato fala sobre a implantação: Rodrigo Tavares (PRTB), cuja candidatura aparece com poucas menções nas pesquisas de intenção de voto. O governador Márcio França (PSB) fala em estimular o uso de bicicletas.

Por fim, o preço do transporte público passou longe da discussão. Confira cinco propostas que os candidatos colocaram em seus planos de governo. 

Ex-prefeito de São Paulo, João Doria colocou como meta ampliar contratos semelhantes ao da Linha 4 (Kelly Fuzaro/Band)

MAIS CONCESSÕES

O ex-prefeito de São Paulo, João Doria (PSDB), fala em aplicar na mobilidade urbana “os mais modernos sistemas de segurança viária e de transporte público”. A ideia, segundo o texto, é ampliar concessões como da Linha 4 -Amarela do metrô e que a iniciativa privada assuma o serviço. Em entrevistas, o tucano falou em levar o metrô até o Jardim Ângela, proposta que não consta no registro de campanha. 

  • Adoção do modelo de Parcerias, seja sob a modalidade de concessão comum ou PPP (Parceira Público Privada), tanto para a implantação, como para os serviços de operação e manutenção, em face da maior eficiência, rapidez e qualidade nestas atividades que a iniciativa privada demonstra”.
  • O tucano diz também que criará uma Articulação Metropolitana liderada pelo Governo do Estado para se implementar as ações de Planejamento em regiões como a Grande São Paulo. “Transferir todos os serviços de investimento, operação e manutenção destas áreas para a iniciativa privada”.
  • Acelerar a conclusão das obras de todas as linhas do Metrô e da CPTM que estão contratadas e em andamento; Chegar até 350 km de trilhos “com um alto padrão de serviços nos transportes metropolitanos de passageiros”.  Atualmente são 344 quilômetros (260 da CPTM e 84 do Metrô).
  • Reduzir o tempo de viagem, melhorar a oferta e a segurança através do incremento de linhas de ônibus de melhor desempenho, somente possíveis com a implantação de BRTs, corredores de ônibus e faixas exclusivas.
  • Mobilidade sobre Pneus, o Programa propõe ações de continuidade dos investimentos na expansão da infraestrutura dos sistemas de baixa e média capacidade, para implantação de BRTs, corredores de ônibus, faixas exclusivas.
Luiz Marinho é candidato do PT e diz que haverá bilhete mensal para a região metropolitana (Kelly Fuzaro/Band)

BILHETE MENSAL

Candidato do PT, o ex-prefeito de São Bernardo do Campo, Luiz Marinho (PT), diz que implantará o bilhete único mensal para todas as cidades. Atualmente, cada cidade tem seu bilhete específico e nem todas garantem integração com trens e metrôs. O candidato cita melhorar o sistema metroviário, mas há pouca especificação de quais serão remodeladas.

  • Duplicar os investimentos e entregar linhas de metrô e monotrilho interrompidos e construir pelo menos duas linhas relevantes de Trens Intercidades;
  • Priorizar a obra do trecho norte do Ferroanel da Grande São Paulo, impulsionando a divisão necessária entre as linhas de trens para transporte de cargas e passageiros;
  • “Reformular a malha de trens metropolitanos, com eliminação de gargalos de infraestrutura de trilhos e composições; construir novas estações e automatizar o tráfego no estado da arte da tecnologia, permitindo o aumento de velocidade das composições e maior fluxo de passageiros”;
  • Criar um programa de recuperação e qualificação das estradas e debater um programa de recuperação das rodovias com os prefeitos.
  • Implantar linhas noturnas no transporte coletivo;
Márcio França cita reduzir emissão de gases poluentes (Kelly Fuzaro/Band)

SEM POLUIÇÃO

Atual governador do estado, Márcio França (PSB), colocou 12 temas em seu plano de governo relacionados ao transporte. É um dos poucos a mencionar o uso das bicicletas. “Reduzir as emissões de Co2 (poluição) e da violência no trânsito através de programas específicos, e incentivo à mobilidade não motorizada (a pé e de bicicleta)”. Também prometeu acelerar a linha de transporte

  • Oferecer uma rede de transporte com adequada cobertura territorial, combinando modais sobre trilhos e pneus, tanto municipais quanto metropolitanos.
  • Acelerar os investimentos nas linhas de metrô e trens com novos terminais e novas estações, modernizando os existentes.
  • Concluir a implantação das conexões do aeroporto de Guarulhos e de Congonhas com o sistema metro ferroviário da Grande São Paulo.
  • Reduzir as emissões de Co2 (poluição) e da violência no trânsito através de programas específicos, e incentivo à mobilidade não motorizada (a pé e de bicicleta).
  • Estimular o uso de novas tecnologias de inteligência artificial e big data na melhoria dos serviços de transporte e no atendimento aos cidadãos. Garantir acessibilidade para pessoas com mobilidade reduzida nas estações de metrô e pontos de ônibus.
Paulo Skaf concorre pela terceira vez ao Palácio dos Bandeirantes (Kelly Fuzaro/Band)

200 KM ATÉ 2026

No caso de Paulo Skaf (MDB), o candidato citou os atrasos nas obras de trem e metrô. “As prioridades serão: concluir obras em andamento, inclusive as que estão paradas”. Apesar de prever licitar novos projetos, não fica claro em quais regiões. Exceto, que serão 200 quilômetros de trilhos até 2026.

  • Trabalhar junto ao Governo Federal para rápida implantação do Ferroanel, a fim de eliminar um dos maiores gargalos para o transporte ferroviário no Estado.
  • Implantar o primeiro trecho do trem intercidades, interligando as cidades da Região Metropolitana de Campinas e São Paulo, aumentando a mobilidade de passageiros na região mais populosa do Estado.
  • Metrô: Criar as condições técnicas, econômicas, financeiras e jurídicas necessárias para que a região metropolitana de São Paulo seja atendida por 200 quilômetros de metrô e monotrilho até 2026.
  • CPTM: Melhorar a gestão administrativa. Investir na modernização da rede, melhorando a qualidade do atendimento à população e reduzindo o tempo de espera nas estações, especialmente nos horários com maior demanda.
  • EMTU. Aumentar os investimentos em corredores de ônibus, para atendimento de regiões ainda não alcançadas pela rede metroferroviária, fazendo integração com os trilhos.

VEJA TAMBÉM:
Mural nas Eleições 2018: confira as matérias sobre a periferia e disputa
Precidenciáveis citam 53 vezes a periferia nos planos de governo

OUTROS NOMES

O candidato Rogério Chequer (Novo) propõe a criação da Autoridade de Transportes Metropolitanos “visando a integração e expansão coordenada dos diversos modais de transporte nas áreas metropolitanas do estado”. Também fala em analisar e desenvolver parcerias para a construção, operação e desenvolvimento de novas linhas. Entre elas, um trens de subúrbio e para interligar São Paulo com as principais cidades do estado.

O candidato Rodrigo Tavares (PRTB) falou em firmar convênio com os municípios “para ampliação da malha cicloviária e implantação da mesma em locais apropriados, com condições de segurança para o ciclista, motoristas e pedestres”. Tavares comenta em propor estudos para implantar moto táxi e colocar wifi e ônibus elétricos. Marcelo Cândido (PDT) promete ampliar o sistema ferroviário e criar um hidroviário.

Edson Dorta (PCO) prega que não haja restrições para o trabalho dos perueiros. Toninho Ferreira (PSTU) cita que é preciso um plano de obras públicas sob o controle dos trabalhadores que gere empregos e, ao mesmo tempo, resolva problemas estruturais como a rede de transporte ferroviários. 

Paulo Talarico é correspondente de Osasco
[email protected]

Cadê a ciclovia? Maioria das cidades não tem vias para bicicletas na Grande SP

Comentários