APOIE A AGÊNCIA MURAL

Colabore com o nosso jornalismo independente feito pelas e para as periferias.

DOE MENSALMENTE PELO CATARSE

OU

MANDE UM PIX qrcode

Escaneie o qr code ou use a Chave pix:

30.200.721/0001-06

Agência de Jornalismo das periferias
Rolê

Estudante campeã de karatê golpeia adversidades e mostra a potência do Nordeste de Amaralina

Aos 17 anos, Bianca Santana luta pela carreira na arte marcial e coleciona mais de 20 medalhas em diferentes modalidades do esporte

Image

Por: Laís Lopes

Notícia

Publicado em 05.02.2021 | 13:17 | Alterado em 22.11.2021 | 15:42

Image

Bianca é o destaque da academia Vulkão Karatê Clube, onde treina desde os 10 anos @Laís Lopes/Agência Mural

Campeã brasileira de karatê em 2019, a estudante Bianca Santana, de 17 anos, conta ter se sentido em um filme quando teve o seu primeiro contato com o esporte aos dez anos. “Eu era uma criança muito briguenta e já assistia as lutas pela internet; tentava reproduzir os golpes em casa. Quando fui na primeira aula, lembro que foi amor à primeira vista. Me senti no filme Karate Kid”, lembra.

Bianca é o destaque da academia Vulkão Karatê Clube, localizada no bairro do Nordeste de Amaralina, onde ela treina e mora. Ao longo dos quase oito anos como atleta, já coleciona mais de dez títulos, e carrega no peito mais de 20 medalhas de vitórias em campeonatos importantes.

Seu primeiro grande desafio foi ultrapassar as dificuldades financeiras para conseguir participar das competições. Sem patrocínio, a filha mais velha de um porteiro e uma mãe autônoma não desistiu do sonho de participar do Campeonato Brasileiro que aconteceu em 2019 em Uberlândia, Minas Gerais. 

”Eu não tinha dinheiro para nada. Comecei a ir atrás de alguns empresários para pedir ajuda, até que o dono de uma pizzaria e o dono de um restaurante em Salvador resolveram me ajudar. Providenciaram meu kimono, hospedagem, passagens, e meus treinos trouxeram resultado. Fui campeã brasileira”, relembra emocionada. 

Em 2020, Bianca teve a ideia de arrecadar os seus próprios fundos para participar das disputas. Com a ajuda da sua mãe, começou a fazer doces e a vender de porta em porta, conciliando seu tempo entre os estudos e os treinos. 

Com a chegada da pandemia, os treinos presenciais foram suspensos dando lugar aos treinos EAD. Os alunos se reuniam em salas na plataforma zoom e eram orientados pela professora Lenise Guedes, 42, que destaca o potencial da atleta. 

“Hoje eu vejo em Bianca um enorme talento. Acredito que ela tem grande potencial para representar a Bahia na Seleção Brasileira. Quando ela treina, e entra para competir, é para valer. Ainda vamos ouvir falar muito dela ao redor do mundo”, afirma Lenise. ’ 

Para Bianca, os treinos à distância vieram acompanhados de algumas adversidades. “Foi um pouco complicado, tive que dividir o meu tempo com o trabalho, os treinos e minhas responsabilidades na igreja. Consegui treinar apenas alguns dias”, conta. 

O falecimento do professor Edilson Montes, fundador da academia Vulkão Karatê Clube, teve grande impacto na vida dos atletas. Para Bianca, ele foi um dos principais incentivadores e mentores. ”Devo muito a ele por ter chegado até aqui. Ele sempre me incentivou e acreditou em mim, nunca me deixou desistir em nenhuma dificuldade”, afirma. 

LEIA MAIS
Drag queen e dançarina do Nordeste de Amaralina usam redes sociais para trabalhar e quebrar tabus

Na academia fundada há 15 anos, o professor Edilson ajudou a descobrir novos talentos do esporte que representam a comunidade do Nordeste de Amaralina em campeonatos pelo Brasil afora. Seus ensinamentos seguem lembrados por alunos, hoje, marcados pela saudade.   

Flávia Santana, 33, mãe de Bianca, fala emocionada sobre a filha, motivo de orgulho e alegria para a família. “Minha filha é um presente de Deus. Ela é extremamente sonhadora e tem se esforçado muito nessa nova fase com o karatê. Somos privilegiados em tê-la em nossas vidas”, diz orgulhosa. 

Hoje, as aulas na academia seguem suspensas e os treinos à distância continuam acontecendo. A campeã baiana, e atualmente faixa verde, se dedica diariamente ao esporte e se prepara para mudar para a faixa roxa. Afirma seguir com planos de colecionar mais títulos ao longo da sua carreira e representar o Nordeste de Amaralina nos ringues ao redor do mundo. 

Laís Lopes

É estudante de Jornalismo e correspondente do Nordeste de Amaralina no Barra/Pituba. Acredita que o jornalismo é revolucionário e uma enorme potência capaz de ouvir a quem precisa falar.

Republique

A Agência Mural de Jornalismo das Periferias, uma organização sem fins lucrativos, tem como missão reduzir as lacunas de informação sobre as periferias da Grande São Paulo. Portanto queremos que nossas reportagens alcancem outras e novas audiências.

Se você quer saber como republicar nosso conteúdo, seja ele texto, foto, arte, vídeo, áudio, no seu meio, escreva pra gente.

Envie uma mensagem para [email protected]

Reportar erro

Quer informar a nossa redação sobre algum erro nesta matéria? Preencha o formulário abaixo.