APOIE A AGÊNCIA MURAL

Colabore com o nosso jornalismo independente feito pelas e para as periferias.

OU

MANDE UM PIX qrcode

Escaneie o qr code ou use a Chave pix:

[email protected]

Agência de Jornalismo das periferias

Léu Britto/Agência Mural

Por: Cleber Arruda

Notícia

Publicado em 16.05.2023 | 17:13 | Alterado em 16.05.2023 | 18:01

Tempo de leitura: 4 min(s)

Há seis anos, Hilda Carolina dos Santos, 77, viu em um terreno coberto por capim alto, a possibilidade de criar uma horta e cultivar na população a consciência sobre a alimentação saudável na região da Brasilândia, zona norte de São Paulo.

“A couve é um dos alimentos que mais tem agrotóxicos”, explica a coordenadora da Horta Comunitária do Jardim Guarani, em comparação às verduras do espaço com às do varejo. “Você vê aquelas folhas de couve lindonas na feira, põe na geladeira e não dura dois dias. As daqui são pequenininhas, mas ficam uma semana e não amarelam”.

A mudança contou com a ajuda da comunidade, localizada no distrito de mais de 200 mil habitantes. Ela e outros moradores derrubaram o matagal que ficava ao lado da UBS (Unidade Básica de Saúde) do Jardim Guarani. Depois, cultivaram a terra e criaram a horta comunitária, que tem florescido, sobretudo, em novas propostas.

Hilda Carolina dos Santos, coordenadora da Horta Comunitária do Jardim Guarani @Léu Britto/Agência Mural

“A ideia é conseguir mais parceiros, fazer oficinas, e trabalhar com crianças e adolescentes. Preparar canteiros para as crianças plantarem e colherem. Passar o que é consumir um alimento sem agrotóxicos”, conta a coordenadora do projeto.

A manutenção do local passa pelas mãos de quatro voluntários, três mulheres e um homem, que se revezam durante a semana. Às terças, o grupo se encontra no local para trabalhar no solo e discutir a agenda. Diversas verduras e plantas medicinais são cultivadas no espaço.

Sem incentivos financeiros, os recursos para compra de ferramentas e a construção de um depósito foram conseguidos por meio de ações, como bazares e doações. Atividades como essas e as feiras orgânicas com outros projetos da região ligadas ao plantio têm fortalecido raízes das relações entre as comunidades.

“Essa troca de experiências, de mudas… é muito boa. Até melhora a relação com as nossas famílias e a consciência sobre a alimentação”

Hilda Carolina dos Santos, 77, coordenadora da horta no Jardim Guarani

Horta comunitária do Jardim Guarani @Rafael Félix

Saúde e sustentabilidade

Já no pé do morro do Jardim Damasceno, o projeto Horta Medicinal da Brasilândia vem destacando a importância das ervas para a saúde da população. Cultivada no Espaço Cultural do Jardim Damasceno, a plantação tem 10 espécies medicinais estudadas e certificadas pela Unifesp (Universidade Federal de São Paulo).

A agente ambiental Nivalda Aragues, 55, é uma das três pessoas responsáveis pela manutenção da horta. Ela explica que as plantas medicinais são identificadas por pesquisadores que estudam os produtos medicinais e as recomendações são realizadas por farmacêuticos da UBS Silmarya Rejane Marcolino Souza, no Jardim Carumbé.

A agente ambiental Nivalda Aragues cuida da Horta Medicinal da Brasilândia @Léu Britto/Agência Mural

“Temos a identificação dessas plantas desde a semente, desde o processo de germinação. Quando os farmacêuticos vêm aqui, explicam as formas de usá-las e até como elas podem substituir alguns medicamentos que têm efeitos nocivos ao corpo”, conta.

As espécies medicinais estudadas são: capim-lima, babosa, ora-pro-nóbis, guaco, boldo, açafrão da terra, manjericão, camomila, erva-doce e tansagem. Nessas plantas foram colocadas placas que informam o nome científico, a parte utilizada, a indicação terapêutica, uma receita e o efeito adverso.

Além das plantas do projeto, a horta tem mais de 60 espécies e canteiros com plantas frutíferas, como pés de jaca e abacate; e as pancs (plantas alimentícias não convencionais), como peixinho e taioba.

Nivalda, que chegou ao espaço cultural como voluntária, é atualmente responsável pelo minhocário e fala sobre a importância do aproveitamento completo dos alimentos. “A casca da banana se a gente não frita e come, a gente joga para as minhocas ou para a composteira. Tudo se aproveita”, ressalta.

Walison Nogueira, um dos responsáveis pela manutenção da Horta Medicinal da Brasilândia @Léu Britto/Agência Mural

Planta da Horta Medicinal da Brasilândia @Léu Britto/Agência Mural

Horta Comunitária do Jardim Guarani @Léu Britto/Agência Mural

Na Horta Medicinal da Brasilândia, no Jardim Damasceno, as plantas do projeto são identificadas por placas @Léu Britto/Agência Mural

Walison Nogueira, 22, mora na região e também iniciou no projeto como voluntário. Hoje, é bolsista no Espaço Cultural pelo Pot (Programa Operação de São Paulo) e trabalha diariamente na horta. Entre as diversas atividades, cuida do plantio das mudas, combate de pragas e da composteira orgânica do local.

Ele conta que os compostos orgânicos são produzidos também com a colaboração dos próprios moradores no entorno, que trazem baldinhos ou sacolas com restos de cascas de legumes e frutas.

“A gente também usa o capim como matéria seca, e acaba aproveitando tudo que seria jogado no lixo. Então a comunidade vê todo o processo de como é feito o alimento, desde o cultivo das sementes até a feira de orgânicos”, conta.

Nogueira observa as mudanças na dieta alimentar depois do trabalho com as plantações.

“Aprendi a comer coisas que eu não comia aqui. A taioba é gostosa e rica em nutrientes. A ora-pro-nóbis dá pra fazer suco, comer na salada, e 25% dela é proteína vegetal, rica em cálcio e ferro”

Walison Nogueira atua na Horta Medicinal do Jardim Damasceno

A horta é aberta ao público e às visitas durante a semana, com atividades extras. A iniciativa também participa de feiras orgânicas da região. O projeto da Horta Medicinal da Brasilândia conta com recursos obtidos por meio de uma emenda parlamentar e parcerias com a Unifesp e o Instituto a Cidade Precisa de Você.

Horta Comunitária Jardim Guarani

Endereço: Avenida Sapucaia, 37 – Jardim Guarani, Brasilândia, zona norte de SP

Horário de funcionamento: Todas as terças: das 9h às 12h30

Horta Medicinal da Brasilândia

Endereço: Espaço Cultural do Jardim Damasceno. Rua Talha Mar, 105 – Jardim Damasceno

Horário de funcionamento: Segunda a sábado: a partir das 8h

receba o melhor da mural no seu e-mail

Cleber Arruda

Cofundador, correspondente da Brasilândia desde 2010 e editor em projetos especiais. É jornalista do Valor Econômico e voluntário do projeto Animais da Aldeia. Canceriano, gosta de cachorros e de viajar por aí.

Republique

A Agência Mural de Jornalismo das Periferias, uma organização sem fins lucrativos, tem como missão reduzir as lacunas de informação sobre as periferias da Grande São Paulo. Portanto queremos que nossas reportagens alcancem outras e novas audiências.

Se você quer saber como republicar nosso conteúdo, seja ele texto, foto, arte, vídeo, áudio, no seu meio, escreva pra gente.

Envie uma mensagem para [email protected]

Reportar erro

Quer informar a nossa redação sobre algum erro nesta matéria? Preencha o formulário abaixo.