APOIE A AGÊNCIA MURAL

Colabore com o nosso jornalismo independente feito pelas e para as periferias.

DOE MENSALMENTE PELO CATARSE

OU

MANDE UM PIX qrcode

Escaneie o qr code ou use a Chave pix:

30.200.721/0001-06

Agência de Jornalismo das periferias
Sobre-Viver

Incompletos, hospitais na Brasilândia e em Parelheiros ganham atenção por causa da Covid-19

Unidades que tiveram atrasos em obras nas zonas norte e sul de São Paulo acumulam desconfiança entre moradores das periferias

Image

Por: Cleber Arruda | Luana Nunes

Notícia

Publicado em 30.04.2020 | 17:31 | Alterado em 05.05.2020 | 20:43

RESUMO

Unidades que tiveram atrasos em obras na zonas norte e sul de São Paulo acumulam desconfiança entre moradores

Localizados nos extremos norte e sul da cidade de São Paulo, os hospitais da Brasilândia e de Parelheiros vivem novelas parecidas apesar dos quase 50 km que os separam. 

Com obras iniciadas entre 2014 e 2015, as duas unidades de saúde tiveram problema na execução da obra, seguem incompletas e têm desconfiança da população dessas duas periferias da capital. Para completar, as duas unidades passaram a ter mais atenção do poder público por causa da pandemia do novo coronavírus. 

Em março, o prefeito Bruno Covas (PSDB) inaugurou 20 leitos de UTI em Parelheiros. Dias depois, anunciou que seriam abertos 150 leitos de UTI (Unidade de Terapia Intensiva) e 30 leitos de enfermaria na Brasilândia exclusivamente para o tratamento de pacientes de Covid-19.

“Não quero parecer pessimista, mas do jeito que as pessoas estão nos espaços cheios de gente, particularmente acho que não haverá leitos suficientes. Nos últimos meses, a obra está rápida, mas ainda falta muito”, diz a professora Nilda Maia Bello, 58. 

Moradora do bairro do Jardim Maristela, ela acompanha a evolução das obras do Hospital Municipal da Brasilândia, em frente a sua casa. 

Nilda foi contra a construção do equipamento de saúde no bairro, no início das obras, por achar que o terreno poderia ser utilizado para outros serviços públicos. Hoje diz não acreditar que o hospital conseguirá atender a demanda do que vem pela frente com a pandemia. 

Image

Hospital da Brasilãndia, na zona norte de São Paulo, é prometido desde a gestão anterior @Nilda Maia Bello/Arquivo Pessoal

Os primeiros números da Covid-19 na região já tem dado essa impressão. Até o dia 24, o distrito era o que tinha maior número de mortes e mortes suspeitas pela doença (são 31 confirmadas e 50 em investigação). 

A subprefeitura Freguesia do Ó Brasilândia é uma das com maior letalidade na capital, com 30% até o dia 17, conforme levantamento da Agência Mural.

O hospital começou a ser construído em 2015, na gestão do ex-prefeito Fernando Haddad (PT), e a entrega era umas das promessas do programa de metas 2013-2016.

Com impasses entre Haddad e o governo estadual por conta do terreno, onde também é construída a estação Brasilândia, da futura Linha 6-Laranja do metrô, a obra ficou para a gestão seguinte. 

“Esse hospital é uma luta que se arrastou por vários anos. É lamentável que tenhamos que passar por um problema tão grave para fazer com que a prefeitura voltasse o olhar para a conclusão da obra”, diz Cláudio Kafé, 47, coordenador de gestão e projetos da Amavb (Associação de Moradores do Alto da Vila Brasilândia). 

Atualmente, a prefeitura afirma que conclui as obras até dezembro deste ano, com  hospital geral e maternidade. São previstos 305 leitos prontos para atender 2,2 milhões de pessoas da região.

Antes, porém, a gestão prevê a abertura parcial para tratamento da Covid-19. A assessoria de imprensa da Secretaria Municipal de Saúde não informou a data em maio que ocorrerá a abertura do hospital. 

De olho na chance de um novo emprego, a ex-agente de saúde Vanessa Santos, 37, está desempregada e atenta à construção. “Moro praticamente de fundo do hospital, e como trabalhei seis anos na área de saúde, estou de olho. É minha paixão, até fiz um curso de enfermagem e a vaga que aparecer é de total interesse”. 

Image

Com mais de 280 mil habitantes, a Brasilândia é o distrito com mais mortes ou mortes suspeitas de Covid-19 em SP (Cleber Arruda/Agência Mural)

A moradora relembra as fases de paralisação e obstáculos, mas considera os benefícios futuros. “Teve mudança de gestão, e um tempo que as obras pararam, além da desapropriação de famílias, que foi muito doloroso para os moradores”, relembra.

“Por outro lado, esse hospital vai beneficiar a zona norte inteira, e na questão de trabalho, vai abrir bastante oportunidades, pois pelo que li vão dar prioridade para moradores da região”, diz Vanessa.

Moradora do Jardim Eliza Maria, pertencente ao distrito da Brasilândia, a autônoma Maria do Carmo, 55, está preocupada com a demanda de pacientes que pode surgir na região. “Creio que pela falta de credibilidade e informações divergentes, a população está ignorando a quarentena aqui e com isso teremos muitos casos na região. Não haverá leitos de UTI suficientes”, avalia. 

PARELHEIROS

Na manhã desta quinta-feira (30), um carro funerário deixava o Hospital de Parelheiros. Uma funcionária comentou com a Agência Mural que era a décima vez no dia que eram chamados para esse tipo de ocorrência na unidade. Oficialmente, o distrito contabiliza duas mortes e 12 casos da Covid-19.

As obras nesse hospital avançaram mais do que na Brasilândia, apesar de seguir incompleto. Houve uma inauguração parcial com dois anos de atraso, quando foi aberto o Pronto Socorro. A secretaria de saúde não respondeu qual porcentagem atual de uso das instalações. 

Image

Hospital em Parelheiros, na zona sul de São Paulo @Léu Britto/Agência Mural

A espera pelo hospital foi longa. A obra começou em 2014, com previsão de entrega em 2018. Houve atrasos e aumento no investimento previsto – eram R$ 148 milhões orçados que pasaram para R$ 187 milhões.

Distante do centro da capital, a região tem a menor oferta de leitos públicos, com apenas 0,7 por mil habitantes. Mesmo após a inauguração, usuários precisaram se deslocar para outros hospitais para ter atendimento. 

“Fui pra lá passando mal algumas vezes e o procedimento foi sempre o mesmo, soro na veia e se o caso for mais grave eles encaminham para o hospital Grajaú”, conta  Laura da Silva, 19, moradora de Marsilac.

Laura entende que agora a atenção com o hospital não é mais para atender a demanda regional e sim para ser um hospital geral de referência no combate a Covid-19.

“Não é um hospital que trabalha pelo território e só estão adiantando as coisas agora porque São Paulo precisa se organizar pra ajudar todo mundo e não para atender as demandas daqui”, avalia Laura da Silva, 19, moradora de Marsilac. 

Localizado no extremo sul da capital, o hospital começou a atender a população em março de 2018, quando o governador João Doria (PSDB), ainda como prefeito, inaugurou o Pronto Socorro. 

Image

Parelheiros é o distrito com menos leitos disponíveis @Léu Britto/Agência Mural

Para a cabeleireira Jacqueline Pereira, 34, as eleições são sempre o motivo para as obras do bairro andarem. “Eles só lembram de fazer as coisas em época eleitoral, e agora com a doença”, conta.

“Levei meu filho para uma consulta devido a uma ferida na cabeça, tive que voltar duas vezes porque os remédios não fizeram efeito e da segunda vez fui encaminhada para o AMA (Assistência Médica Ambulatorial) e de lá fui encaminhada para outro hospital”.

Segundo o secretário de Saúde, o hospital de Parelheiros já é um dos hospitais da cidade que está com 100% dos leitos de tratamento contra o coronavírus ocupados. A prefeitura afirma que, até o mês de maio, mais 268 leitos de atendimento serão destinados aos pacientes graves nesta unidade. Por enquanto, 20 estão em funcionamento.

Cleber Arruda

Cofundador, correspondente da Brasilândia desde 2010 e editor em projetos especiais. É jornalista do Valor Econômico e voluntário do projeto Animais da Aldeia. Canceriano, gosta de cachorros e de viajar por aí.

Luana Nunes

Moradora de um lugar tão tão distante, que carinhosamente chama de Paris. Colaborou na HQ “Minas da Várzea”. É apaixonada por música, futebol, fotografia, shows e viagens. Atualmente é repórter de tecnologia no Gizmodo Brasil. Correspondente de Parelheiros desde 2018.

Republique

A Agência Mural de Jornalismo das Periferias, uma organização sem fins lucrativos, tem como missão reduzir as lacunas de informação sobre as periferias da Grande São Paulo. Portanto queremos que nossas reportagens alcancem outras e novas audiências.

Se você quer saber como republicar nosso conteúdo, seja ele texto, foto, arte, vídeo, áudio, no seu meio, escreva pra gente.

Envie uma mensagem para [email protected]

Reportar erro

Quer informar a nossa redação sobre algum erro nesta matéria? Preencha o formulário abaixo.