APOIE A AGÊNCIA MURAL

Colabore com o nosso jornalismo independente feito pelas e para as periferias.

DOE MENSALMENTE PELO CATARSE

OU

MANDE UM PIX qrcode

Escaneie o qr code ou use a Chave pix:

30.200.721/0001-06

Agência de Jornalismo das periferias

Por: Jessica Bernardo

Notícia

Publicado em 14.04.2022 | 10:12 | Alterado em 26.04.2022 | 11:03

Tempo de leitura: 2 min(s)

Que atire a primeira pedra quem nunca passou um dia sem conseguir definir bem o que estava sentindo. Aquela impressão de estar “meio sei lá o que” é o tema do novo livro da jornalista, educadora popular e cofundadora do Periferia em Movimento, Aline Rodrigues, que está com uma campanha de financiamento coletivo aberta para custear a obra.

O livro “Meio sei lá o que” conta a história de uma criança que tenta se entender em meio a uma confusão de sentimentos, e convida o leitor a refletir sobre a importância do acolhimento em situações como essa. “Ele propõe que o adulto observe que a criança também tem esses momentos e possa conversar com ela”, explica a autora.

Uma das principais inspirações para a escrita foi o livro “Sonhos de Dia”, da escritora Claudia Werneck. Com mais de 250 mil exemplares vendidos, a obra foi uma das primeiras da literatura infantil brasileira a cumprir, na íntegra, as leis de acessibilidade. “Meio sei lá o que” também terá versões em libras e audiodescrição.

Aline e a filha, Helena, com o livro “Sonhos de Dia” @Divulgacão

Moradora do Campo Limpo, na zona sul de São Paulo, Aline iniciou em março uma campanha para arrecadar os recursos necessários para a impressão.

O financiamento coletivo, aberto no site Catarse, vai até o dia 29 de abril. Entre as recompensas previstas para quem apoiar o projeto estão exemplares do livro, ecobags e uma régua de sentimentos.

A ideia do livro surgiu depois de uma conversa com a amiga e psicóloga Elânia Francisca, em 2021. Na época, as duas tinham uma reunião marcada, mas Francisca pediu para adiar o encontro.

“Ela mandou uma mensagem falando que não estava ‘legal’. Usou mais ou menos esse termo, ‘tô meio sei lá o que’. No mesmo dia eu escrevi, do começo ao fim, a primeira versão do livro”, relembra Aline.

Mãe de Helena, 6, a jornalista é apaixonada por literatura infantil e percebeu que nenhum dos livros da filha abordava emoções como aquela.

“Nunca tive acesso a um livro que falasse desse não-lugar, do não saber definir”

Em “Meio sei lá o que”, uma criança descreve o que sente em dias confusos. “A cabeça fica cheia, ao mesmo tempo que parece não ter nenhum pensamento dentro dela… É um vazio que parece ter um buracão dentro da gente”, conta um trecho do livro.

As ilustrações foram feitas pela artista visual Zerlo, que foi também a responsável pela ideia de costurar a história através de uma criança.

Ilustrações do livro são da artista visual Zerlo @Divulgacão

“A princípio eu não tinha nem pensado no personagem e aí ela trouxe a ideia de alguém que passeia por essas emoções”, diz Aline.

A criança da narrativa foi desenhada sem traços específicos de gênero, segundo a autora. “O personagem não tem nome e gênero. Acho que é uma oportunidade para que todos se identifiquem”.

Jessica Bernardo

Jornalista, cria de uma família de cearenses. Apaixonada por São Paulo, bolos e banhos de mar. Correspondente do Grajaú desde 2017.

Republique

A Agência Mural de Jornalismo das Periferias, uma organização sem fins lucrativos, tem como missão reduzir as lacunas de informação sobre as periferias da Grande São Paulo. Portanto queremos que nossas reportagens alcancem outras e novas audiências.

Se você quer saber como republicar nosso conteúdo, seja ele texto, foto, arte, vídeo, áudio, no seu meio, escreva pra gente.

Envie uma mensagem para [email protected]

Reportar erro

Quer informar a nossa redação sobre algum erro nesta matéria? Preencha o formulário abaixo.