APOIE A AGÊNCIA MURAL

Colabore com o nosso jornalismo independente feito pelas e para as periferias.

DOE MENSALMENTE PELO CATARSE

OU

MANDE UM PIX qrcode

Escaneie o qr code ou use a Chave pix:

30.200.721/0001-06

Agência de Jornalismo das periferias
Notícias

Moradores de Sapopemba relatam tremores nas ruas e cobram investigação

Abalos foram sentidos na região do Conjunto Habitacional Mascarenhas de Moraes; Defesa Civil diz que não encontrou sinais de deslocamento do solo

Image

Por: Jessica Bernardo

Notícia

Publicado em 21.01.2022 | 9:40 | Alterado em 21.01.2022 | 9:49

Tempo de leitura: 4 minutos

Um grupo de moradores de Sapopemba, na zona leste de São Paulo, tem sofrido com tremores nas paredes e no chão das casas. Os abalos começaram em outubro do ano passado e agora acontecem em diferentes momentos do dia, com alguns segundos de duração e quase sempre acompanhados de um barulho que se assemelha ao de um trovão.

Preocupados, os vizinhos procuraram a Defesa Civil, a Sabesp (Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo) e até a Transpetro, que atua nas proximidades, e reivindicaram uma investigação dos órgãos onde o problema foi notado.

O autônomo Alberto Florêncio, 47, foi um dos primeiros a perceber o fenômeno. Em janeiro, ele começou a anotar no celular as datas e horários em que ocorriam os abalos. No dia 4 foram dois tremores. Já no dia 8, as janelas de sua casa trepidaram por quatro vezes. “Você está dormindo de madrugada e aí sente o piso tremer. É como se fossem explosões debaixo da terra”, conta.

A maior parte dos abalos são sentidos na região do Conjunto Habitacional Mascarenhas de Moraes, que fica ao lado da estação Sapopemba da Linha 15-Prata do Monotrilho. É onde mora Viviane Greco, 46. “A minha filha nem está querendo dormir no quarto, quer ficar com a gente por medo do tremor”.

Viviane Greco teme que rachadura tenha aumentado por causa dos tremores @Jessica Bernardo/Agência Mural

A dona de casa diz que tem percebido um crescimento nas rachaduras das paredes e teme que o problema tenha sido causado pelas trepidações. “As rachaduras poderiam já estar aqui, mas elas aumentaram”.

A poucos metros dali, uma casa de acolhimento para mulheres em situação de vulnerabilidade, a Casa das Déboras, também começou a apresentar fissuras. A criadora do espaço, Rosimeire Bispo, 52, diz que notou a fenda entre a parede e o teto pouco tempo depois de sentir a oscilação pela primeira vez. “Foi muito forte o tremor”.

Com a frequência cada vez maior dos casos, um dos vizinhos, o engenheiro agrônomo Jés Neves dos Santos, 61, decidiu postar um vídeo no Facebook denunciando o problema. A publicação teve quase 140 compartilhamentos e recebeu dezenas de comentários.

Os moradores decidiram criar um grupo no WhatsApp para planejar ações. “Depois que abrimos o grupo foi que a gente começou a ver a quantidade de pessoas que estavam sentindo as mesmas coisas”, explica o engenheiro. Mais de 60 pessoas estão no canal atualmente.

A principal preocupação é a de que os tremores sejam causados por algum vazamento nas tubulações que cortam o bairro de Sapopemba, e que o problema possa provocar o surgimento de crateras e causar risco aos moradores.

Moradores temem que tremores tenha causado fissuras nas casas @Jessica Bernardo/Agência Mural

Nas últimas semanas, funcionários da Transpetro estiveram no local depois de serem acionados pela população e distribuíram folhetos afirmando que nenhuma anormalidade havia sido encontrada pelos técnicos da empresa.

Até agora os moradores já protocolaram pelo menos três reclamações na Defesa Civil e outras duas na Sabesp.

Em nota, a Prefeitura de São Paulo afirmou que a equipe da Defesa Civil esteve no endereço no dia 4 de janeiro e não encontrou sinais de abalo, como rachaduras e deslocamento de solo.

A gestão ressalta que não recebeu pedidos de vistoria para rachaduras nas casas e informou que os proprietários podem acionar o órgão por meio do canal 199.

Já a Sabesp respondeu que todos os testes realizados no local descartaram que haja relação entre os equipamentos da companhia e os tremores que motivaram as reclamações.

A Transpetro enviou nota à Agência Mural e diz que monitora os dutos 24 horas por dia, por meio do CNCL (Centro Nacional de Controle e Logística). A empresa afirmou ainda que está em contato com a comunidade e afirmou que disponibilizou seus profissionais de geotecnia para apoiar a Defesa Civil na análise e na identificação das causas dos tremores.

Jessica Bernardo

Jornalista, cria de uma família de cearenses. Apaixonada por São Paulo, bolos e banhos de mar. Correspondente do Grajaú desde 2017.

Republique

A Agência Mural de Jornalismo das Periferias, uma organização sem fins lucrativos, tem como missão reduzir as lacunas de informação sobre as periferias da Grande São Paulo. Portanto queremos que nossas reportagens alcancem outras e novas audiências.

Se você quer saber como republicar nosso conteúdo, seja ele texto, foto, arte, vídeo, áudio, no seu meio, escreva pra gente.

Envie uma mensagem para [email protected]

Reportar erro

Quer informar a nossa redação sobre algum erro nesta matéria? Preencha o formulário abaixo.