Fotógrafos das periferias expõem cultura do reggae

Para Renato Moraes, 40, o preconceito é o que impede o reggae de unir mais pessoas. “Não aceitam nossa aparência e fazem questão de evidenciar a maconha. Um elemento que faz parte da gigantesca cultura reggae, e é uma coisa particular.”

Fotógrafo e morador da Vila Nova Cachoeirinha, na zona norte de São Paulo, ele é um dos integrantes da Reggae Expo Click. Desde 22 de agosto, fotografias feitas por Moraes e mais 11 fotógrafos trazem visões da cultura reggae em São Paulo. 

Receba nossa newsletter!

Esta é a segunda edição da exposição, montada na Galeria Olido, no centro da capital, com olhares de dentro do próprio cenário artístico.

O reggae é jamaicano e chegou ao Brasil por volta dos anos 1970. Nessa trajetória, o estilo musical teve influências nacionais, como os ritmos sertanejos do Nordeste. “O reggae foi mais conhecido em alguns momentos e em outros completamente esquecido pela sociedade por não aceitar o tipo de vivência, ou a própria aparência”,  ressalta Moraes.

Uil Ribeiro dirigiu a exposição e fala sobre universo do reggae no Brasil (Divulgação)

Ele explica que a exposição busca dialogar com quem não conhece o movimento artístico e evidencia a presença do reggae nas periferias. As fotografias captam expressões como a mistura da religiosidade com resistência.

Rodrigo Torres, por exemplo, registra no Pico das Torres, em São Mateus, cerimônias rastafaris, um ato religioso em que há meditação e música com instrumentos de percussão.

Um dos elementos é a fotografia do Rei Haile Selassie. Segundo o fotógrafo a imagem do último imperador etíope, a encarnação de Jah para os rastafáris, com mãos humanas, simboliza a atuação divina por meio das ações terrenas. 

“É uma cultura africana, da Etiópia. A Jamaica meio que estruturou. Se a gente for ver por esse lado a gente está mantendo a cultura jamaicana e etíope”, completa Renato.

VEJA TAMBÉM:
O que as crianças esperam dos novos governantes do Brasil
Tudo sobre as Eleições 2018

“É um registro do que está acontecendo. Mostrar pra quem não estava presente, ou não conhece, a energia e a história. A cultura reggae precisa ser disseminada”, afirma a fotógrafa Mell Gonçalves, 31, moradora do Limão, na zona norte.

Na primeira exposição, apenas uma mulher participou. Desta vez Mell Gonçalves, Jennifer Silva e Camila Felix fazem parte da mostra. “Vejo a junção da força de todas. Acredito que este ano estamos mais empoderadas e os irmãos na divisão de boas vibrações”.

Rei Haile Selassie, da Etiópia, um dos países que dá origem a cultura reggae (Rodrigo Torres)

Wesley Rodrigo, 33, é o curador da mostra. Natural do Jardim Colonial, no distrito de São Mateus, na zona leste de São Paulo, ele comenta outra face do cenário reggae. “A maioria do público é periférico. O reggae está crescendo e se profissionalizando. A exposição vem para documentar tudo isso”.

Essa soma de forças permite contrapor estereótipos. “A essência presente no reggae é o rastafari, onde usamos a maconha como erva de meditação”, relata Rodrigo Torres, que se dedica a registrar a força do dreadlock. “É uma fé muito particular, onde acreditamos que nós somos nossa igreja, e por isso devemos ser puros” explica.

Fotógrafo caçula da exposição e morador da Vila Santa Catarina, na zona sul, Caê Denda, 21, diz que o movimento reggae deve seguir sem perder a essência. “Vejo que no lado da música têm divisões com pensamentos diferentes. É mais questão de unir os conscientes e os que querem fazer com o propósito de dança e diversão”.

Além da mostra física, haverá shows de grupos de reggae e rap da quebrada. No sábado (27) rola uma tarde de autógrafo com os fotógrafos Jennifer Silva, Daniel Lopes, Luis Claudio e Marcos Passos, às 13h, na Galeria Olido. As bandas Odisseia das Flores e Indaíz se apresentam a partir das 17h30.

INFORMAÇÕES:

*Dia 27 de outubro
Tarde de autógrafos: Jennifer Silva, Daniel Lopes, Luis Claudio e Marcos Passos, às 13h
Shows: Odisseia das Flores e Indaíz, às 17h30
*Dia 24 de novembro
Tarde de autógrafos: Camila Felix, Shalon Adonai, Will Anjos e Elias RPS, às 13h
Shows: Jah Dartanhan e Denise D’Paula, às 17h30
*Dia 15 de dezembro
2º edição do Prêmio Reggae Expo Click, às 17h
Show: Mato Seco

SERVIÇO
#REC2018 2ª Reggae Expo Click
22 de agosto a 15 de dezembro de 2018
Centro Cultural Olido – Hall Olido
Av. São João, 473 – Centro, São Paulo
GRÁTIS – Classificação Livre / Tel. (11) 3331-0170

Matheus Souza é correspondente de São Matheus
[email protected]

0 thoughts on “O que crianças das periferias esperam das eleições 2018?”

  1. Que lindo Ana Beatriz!
    Nos olhos e na voz dessas crianças é que realmente está a nossa esperança de um país melhor.
    Pessoas inocentes que conseguem enxergar o que muitos ignoram.
    É a vida de verdade,o sorriso estampado,o brilho nos olhos que mal sabem o que ainda vai ter que enfrentar.
    Um super abraço de toda família Centro Comunitário do Embura.
    Felicidades linda.

  2. Um raio x dessas pequenas Almas, que acreditam e sonham em um país onde tudo parece estar pedido, surge através da pureza e simplicidade o nascer da esperança dentro desses pequenos gigantes.
    Ainda vale a pena sonhar!

  3. Uma linda crônica, repleta de alma e total conhecimento do cenário atual de nosso país.
    São palavras assim que nos inispiram à lutar por mais um dia.
    Parabéns!!!

  4. Parabéns. Sou testemunha do seu ganho de saúde física, emocional e psicológica. Pois a bicicleta proporcionou a conscientização dos alimentos que lhe trazem energia e vitalidade e daqueles que intoxicam tirando o vigor pro esporte. Sua conquista de um corpo mais sadio e moldado também é digna de congratulações.

  5. Fantástico ! Com todos percalços que a periferia oferece na prática esportiva, eis uma superação e motivação para deixarmos de ser sedentários ! Parabéns Mauro pela iniciativa !

  6. Olá,
    Gostaria de saber se a possibilidade de receber bolsa de estudos para esse curso em específico. Que Muito fazer, mas não possuo recursos no momento para investir.

    Desde já agradeço.

    1. Olá, Sheila! Muito obrigada pelo contato e interesse pelo curso. A atividade é oferecida pela faculdade, logo, vale tentar direto com a Fespsp a possibilidade de conseguir alguma bolsa.

  7. Paulinho, esta sim é a mais linda forma de Dizer Eu Te Amo Para um Pai!
    Você fez uma linda homenagem, para o Tio Paulo, que é Paizão de toda Família.
    Deus abençoe a todos os Filhos.

  8. Zorade, ai sim meu grande sobrinho, que homenagem de arrepiar.! Digo nunca vista, (é claro)pois cada um é um…Quanta sabedoria vestida de aparente ignorancia! O jeito de ser do meu irmao meio estranho, superou os grandes modos finos de criar seus filhos…Quanta riqueza de carater , de valentia também,ele apresentou a voce e a essa exelente Mae que te trouxe ao mundo…Familia pequena nas de grande peso..kkkk em todos os sentidos…No seu relato voce se esqueceu de falar sibre a bondade do coraçao dele…Tem umas histórias de caridade dele que admiro!…Parabéns pela homenagem ! Que Deus lhe proteja , que cada vez mais sua intelugencia seja ativada….abraços

  9. Olá boa tarde,
    Gostaria de parabenizar pela iniciativa e tbm Têmos que girar essa informação e cobrar de forma correta e pacífica dos responsável para tal , tendo em vista que somos moradores da região Têmos essas e outras dificuldades sendo que todos nós vamos receber visitas Nos próximos dias de político ou de seus prestadores de serviços prometendo o que não se cumpre ,uma vez que se não formos no dia votar somos obrigados a pagar multa e tenho certeza que todos nos não deixamos de pagar e quando se trata de olhar um pouco pra lado mínimo que é ,transporte, segurança, iluminação, etc.. Nos não temos respaldo ,então diariamente ouvimos relatos e acontecimentos que cada dia dificulta mais a vivência no bairro, só lembrando que mesmo sendo uma APA todos aqui são eleitores que seguem a risca com suas obrigações e o que queremos é o mínimo se iníciando pelo Respeito aos moradored e direito de ir e vir que já não temos mais.
    Att:
    Gilmar Rodrigues

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *