APOIE A AGÊNCIA MURAL

Colabore com o nosso jornalismo independente feito pelas e para as periferias.

DOE MENSALMENTE PELO CATARSE

OU

MANDE UM PIX qrcode

Escaneie o qr code ou use a Chave pix:

30.200.721/0001-06

Agência de Jornalismo das periferias
Notícias

A rotina de cemitérios em SP durante a pandemia; ouça o podcast

Neste período, mais de 8 mil novas covas foram abertas apenas no Cemitério da Vila Formosa, na zona leste de São Paulo

Image

Notícia

Publicado em 02.06.2020 | 21:50 | Alterado em 29.09.2020

Tempo de leitura: 3 minutos

Por acreditar que uma das melhores maneiras da gente poder se prevenir e cobrar nossos direitos é saber o que está acontecendo, a Agência Mural traz neste episódio do “Em Quarentena” um tema bastante sensível, que é a rotina dos cemitérios neste período de pandemia. 

O fotojornalista da Agência Mural, Léu Britto, percorreu os três maiores cemitérios próximos à periferias em São Paulo, para registrar a rotina desses locais com a chegada do coronavírus

Léu visitou o Cemitério da Vila Formosa, na zona leste, o da Vila Nova Cachoeirinha, na zona norte, e do São Luís, na zona sul. Até o dia que este programa foi ao ar, 2 de junho, apenas no estado de São Paulo, haviam sido registradas 7.615 mil mortes por causa do novo coronavírus. 

Britto compartilhou o que ouviu dos sepultadores. “Eles me contaram que tem uma parte do cemitério que estão exumando muito mais corpos para dar lugar a novos corpos de Covid-19”. (ouça a partir de 00:38)

Ele também contou que fez o registro de um crânio que viu durante essas coberturas. “Eu vi um crânio exposto, fora da cova. Um dos sepultadores me disse que talvez algum colega tenha esquecido esse crânio. Segundo ele, foi um erro, porque eles não deixam ossos soltos ou à mostra”. (a partir de 00:49)

O repórter fotográfico falou sobre as visitas aos cemitérios de forma individual. Começou pelo da Vila Formosa, na zona leste. 

“Lá o número de sepultamentos é muito grande. Como ele é o maior cemitério da América Latina, no dia em fui visitar, numa quinta-feira, das 9h às 15h, eu vi 55 enterros de pessoas que morreram por decorrência da Covid-19”. (ouça em  01:34)

James tem 34 anos, mora na Cidade Tiradentes, e é um dos sepultadores que trabalha no cemitério da zona leste. Ele falou que devido o aumento de sepultamentos, o trabalho para eles ficou mais cansativo. E confessou que tem medo de contrair o vírus. “Por mais que a gente utilize os EPIs (Equipamentos de Proteção Individual), às vezes, por um descuido nosso podemos nos contaminar”. (em 02:34)

Ele trabalha com o enterro de moradores de São Paulo há mais de cinco anos e enfatizou que sua profissão também é marcada pelo preconceito. “Tem gente que valoriza hoje, ao ver que nosso trabalho aumentou, mas tem outros que evitam chegar perto da gente por achar que estamos contaminados”. (em 03:08

O sepultador reforçou que a rotina está bastante puxada, mas para ele o dia mais difícil de trabalhar durante a pandemia ocorreu recentemente. “Foi anteontem, num sepultamento onde um pai que enterrou a filha de 9 meses há 15 dias, voltou para enterrar a esposa”. (em 03:28)

Ainda sobre o Cemitério da Vila Formosa, Léu Britto falou que lhe chamou muita atenção o número de mortes de jovens. “Me chocou bastante ver mães que enterraram seus filhos. Dos 55 sepultamentos que acompanhei, oito a dez eram jovens com menos de 16 anos”. (em 03:54)

Já sobre o Cemitério da Vila Nova Cachoeirinha, ele disse que presenciou um número menor de sepultamentos, mas que percebeu que o número de covas que estavam destinadas para a Covid-19, já estavam bem completas. 

“Eles tinham quatro quadras destinadas para enterrar pessoas que morreram por Covid-19 e já estavam todas preenchidas. O Cemitério não é muito grande, mas tem uma frequência boa porque ele é um dos principais da zona norte”. (em 04:23)

O fotojornalista enfatizou que no caso do Cemitério São Luís, o que mais lhe chamou a atenção foi a transformação do local“Lá você percebe que a paisagem mudou muito. Tinha muita área verde que ainda não estava sendo usada pra covas, mas agora o cenário mudou totalmente”. (em 05:05)

Para conferir os cliques do Léu Britto acesse a reportagem sobre os sepultadores que ele assina com o Lucas Veloso no site da Agência Mural. 

Ouça este bate papo completo no Em Quarentena #45: A rotina de cemitérios em SP durante a pandemia.

Podcast Em Quarentena

Viver em meio ao coronavírus não deve estar sendo fácil para ninguém. Imagina então para quem vive nas periferias. 

O “Em Quarentena” é o podcast especial que a Agência Mural de Jornalismo das Periferias criou neste momento da pandemia. Queremos informar, com notícias do dia a dia, quem mais precisa se virar meio a esse caos.

Você pode receber o podcast diretamente no seu Whatsapp, enviando um “Oi” para +55 11 9 7591 5260. Ouça também no Instagram, Youtube, Spotify, Deezer, Apple e Google Podcast.

Redação

A Agência Mural de Jornalismo das Periferias tem como missão minimizar as lacunas de informação e contribuir para a desconstrução de estereótipos sobre as periferias da Grande São Paulo.

Republique

Faça com que essa história chegue para mais pessoas.

Republique o nosso conteúdo gratuitamente.

Regras:

Os títulos podem ser modificados desde que não mude o contexto;

Os textos devem ser publicados como estão na versão original, sem edição ou cortes;

Todas as republicações devem dar crédito para a Agência Mural e também os créditos dos profissionais envolvidos em sua produção, conforme aparece na publicação original;

As fotografias e outras imagens/artes podem ser republicadas com os devidos créditos;

Os vídeos republicados não devem passar por nenhum tipo de edição, devem conter os créditos da Agência Mural; para transmissão na TV, é preciso enviar um pedido para contato@agenciamural.org.br.

Reportagens publicadas no site www.agenciamural.org.br não podem ser revendidas.

Se possível, os materiais republicados devem mencionar o perfil da Mural nas redes sociais.

Reportar erro

Quer informar a nossa redação sobre algum erro nesta matéria? Preencha o formulário abaixo.