APOIE A AGÊNCIA MURAL

Colabore com o nosso jornalismo independente feito pelas e para as periferias.

OU

MANDE UM PIX qrcode

Escaneie o qr code ou use a Chave pix:

30.200.721/0001-06

Agência de Jornalismo das periferias
Notícias

A chegada do outono e a Covid-19; ouça o podcast

Professora da Faculdade Santa Marcelina responde as dúvidas de ouvintes sobre gripe, resfriado e coronavírus

Image

Por: Redação

Notícia

Publicado em 22.04.2020 | 17:59 | Alterado em 16.12.2020 | 19:20

Tempo de leitura: 3 min(s)

Passado o primeiro mês de quarentena no estado de São Paulo, o outono chegou. E com a chegada dessa estação, as doenças respiratórias tendem a aumentar, assim como o medo de ficar doente neste período de temperaturas mais amenas no meio da pandemia da Covid-19

Tendo por foco levar ainda mais informações aos seus ouvintes, o “Em Quarentena” dedicou este episódio para tirar as principais dúvidas sobre gripe, resfriado e coronavírus. Para responder e esclarecer todas essas questões, o podcast da Agência Mural contou com a ajuda de Maria Cláudia Moreira da Silva, professora de enfermagem e emergência na Faculdade Santa Marcelina. 

Quem fez a primeira pergunta foi Claudinei, de Carapicuíba, na Grande São Paulo. “Com a chegada do outono, as pessoas ficam gripadas mesmo ou é só impressão?”. (ouça a partir de 00:58) 

Maria Cláudia respondeu que as doenças respiratórias costumam se agravar durante as estações do outono e inverno. “Isso ocorre porque a maioria tende a manter as janelas e os vidros fechados devido ao frio. Esse fato aumenta a transmissão de micro-organismos por vias respiratórias, já que o ar circula menos”. (a partir de 01:02)

Helena, que mora em Itapeva, no interior de Minas Gerais, resgatou uma questão que muitos tem curiosidade. “É verdade que tomar friagem e coisa gelada pode dar gripe e resfriado?”. (ouça em 01:50)

A professora afirmou que não existe uma comprovação científica de que a friagem ou o consumo de alimentos gelados causem gripe, já que a transmissão é respiratória.

“O frio provoca o ressecamento das vias aéreas, facilita com isso inflamações e infecções nessa região, além da tendência da aglomeração de pessoas em tempos mais frios. O vírus tende a se proliferar e circular melhor nas temperaturas mais amenas”. (em 01:57)

Camila, que mora em Guarulhos, na região metropolitana de São Paulo, enviou uma dúvida que é bastante comum entre as pessoas. “Quais as principais diferenças dos sintomas da gripe e da Covid-19?”. (em 02:38)

A especialista pontuou que os principais sintomas do coronavírus são febre alta, tosse e dificuldade para respirar ou falta de ar. “A sintomatologia da Covid-19 se apresenta quase que igual a da gripe só que com agravantes ou com sinais de comprometimento da função pulmonar. Como a falta de ar, cansaço e até a incapacidade de realizar suas atividades normais. Além de febre e tosse seca”. (em 02:43)

A morada de Guarulhos compartilhou que não estava se sentindo muito bem, mas ainda não tinha apresentado febre. Por conta disso perguntou se poderia tomar remédio. 

Então, a professora reforçou que automedicação não é indicada. “O ideal seria procurar auxílio médico, principalmente, no caso da sintomatologia mais grave, pois a automedicação pode inclusive mascarar os sintomas da doença, como a febre”. (em 03:24)

Rafael, de Itaquera, na zona leste de São Paulo, enviou uma dúvida relacionada à crianças. “Como eu me previno e posso prevenir as crianças para não ficarem gripadas? Elas são mais propensas a ter gripe e por quê?”. (em 03:52)

A especialista explicou que as crianças são bastante propensas a contrair a gripe, não só pela proximidade com os adultos, mas entre elas mesmas.

“Muitas vezes apresentam tosse e coriza e acabam transmitindo, inconscientemente, por meio do toque das mãos, toque no nariz e rosto, espalhando os germes e a secreção por meio de superfícies e brinquedos. Ou mesmo quando tossem muito próximas de outras crianças”. (em 04:00)

Sobre as medidas preventivas para as crianças a especialista apontou que elas são semelhantes a dos adultos. “Porém, nos casos das crianças deve-se redobrar a vigilância em relação à saída de secreção pelas narinas. É indicado a higienização mais frequente, não só das mãos, mas do rosto. E manter o ambiente mais arejado”.  (em 04:37)

A doutora finalizou o episódio enfatizando porque é recomendável se vacinar contra a gripe, mesmo ela não protegendo contra a Covid-19. “A grande vantagem é que uma vez a pessoa estando imunizada contra o vírus influenza, ficaria mais fácil o diagnóstico e o direcionamento terapêutico caso ela seja infectada pelo coronavírus”. (em 05:43)

Ouça este bate papo completo no Em Quarentena #20: A chegada do outono e a Covid-19.

Podcast Em Quarentena

Viver em meio ao coronavírus não deve estar sendo fácil para ninguém. Imagina então para quem vive nas periferias. 

O “Em Quarentena” é o podcast especial que a Agência Mural de Jornalismo das Periferias criou neste momento da pandemia. Queremos informar, com notícias do dia a dia, quem mais precisa se virar meio a esse caos.

Você pode receber o podcast diretamente no seu Whatsapp, enviando um “Oi” para +55 11 9 7591 5260. Ouça também no Instagram, Youtube, Spotify, Deezer, Apple e Google Podcast

receba o melhor da mural no seu e-mail

Redação

A Agência Mural de Jornalismo das Periferias tem como missão minimizar as lacunas de informação e contribuir para a desconstrução de estereótipos sobre as periferias da Grande São Paulo.

Republique

A Agência Mural de Jornalismo das Periferias, uma organização sem fins lucrativos, tem como missão reduzir as lacunas de informação sobre as periferias da Grande São Paulo. Portanto queremos que nossas reportagens alcancem outras e novas audiências.

Se você quer saber como republicar nosso conteúdo, seja ele texto, foto, arte, vídeo, áudio, no seu meio, escreva pra gente.

Envie uma mensagem para [email protected]

Reportar erro

Quer informar a nossa redação sobre algum erro nesta matéria? Preencha o formulário abaixo.