APOIE A AGÊNCIA MURAL

Colabore com o nosso jornalismo independente feito pelas e para as periferias.

DOE MENSALMENTE PELO CATARSE

OU

MANDE UM PIX qrcode

Escaneie o qr code ou use a Chave pix:

30.200.721/0001-06

Agência de Jornalismo das periferias
Sobre-Viver

Como o coronavírus afetou uma comunidade indígena no Xingu; ouça o podcast

Com a falta de medidas direcionadas ao povo indígena, vice-cacique da Comunidade Iawá cria cartilha informativa para orientar os povos da região de Xingu

Image

Por: Redação

Notícia

Publicado em 03.09.2020 | 11:41 | Alterado em 03.09.2020 | 11:41

O Em Quarentena” pegou uma ponte aérea virtual e foi até Volta Grande do Xingu, no Pará, região norte do Brasil, para bater um papo com a vice-cacique e estudante de medicina Lorena Curuaia. Ela contou como o coronavírus afetou a rotina da Comunidade Iawá e falou sobre a falta de apoio, sobretudo, do governo.

“A Volta Grande do Xingu, onde é a nossa comunidade, que é a Comunidade Iawá, vem sofrendo muitas coisas, já com a hidrelétrica de Belo Monte. E agora com esse Covid, só abalou mais ainda as coisas, todo esse cenário”. (ouça a partir de 00:01)

Lorena se divide entre morar na cidade de Altamira e na comunidade indígena Iawá, onde é a segunda liderança. Ela explicou que por lá, o coronavírus afetou bastante a comunidade, inclusive no artesanato, na agricultura, na culinária e nas festas, porque tudo era feito em conjunto.

“Nós tivemos vários casos registrados dentro da comunidade. Cerca de vinte e poucas pessoas. Graças a Deus, a gente conseguiu conter isso e tomar medidas sozinhos para que não viesse avançar essa doença dentro da comunidade”. (a partir de 01:11)

A vice-cacique compartilhou o maior temor de seu povo. “Nós tínhamos medo [do vírus] pegar na nossa matriarca que é a última, não tem outra matriarca mais velha que ela. Então conseguimos que não chegasse até ela, a isolando”. (ouça em 01:31)

Sem qualquer apoio, inclusive por parte do governo, para conseguir medicamentos, Lorena chegou até mesmo a recorrer ao Ministério Público. 

Ela falou também para o podcast da Agência Mural sobre  a cartilha informativa que criou ao lado de outros estudantes para alertar as populações indígenas da região.  

“Nós fizemos ela, na primeira versão, em português e em Caiapó. Depois foram repassadas em outras línguas para dentro das comunidades do médio Xingu. Ela foi voltada para proteção dos nossos povos. Para alertá-los a ter cuidado e sobre as formas de prevenção”. (ouça em 02:12)

Ouça este bate papo completo no Em Quarentena #09 – Segunda Temporada: Como o coronavírus afetou uma comunidade indígena no Xingu.

Podcast Em Quarentena

Viver em meio ao coronavírus não deve estar sendo fácil para ninguém. Imagina então para quem vive nas periferias. 

O “Em Quarentena” é o podcast especial que a Agência Mural de Jornalismo das Periferias criou neste momento da pandemia. Queremos informar, com notícias do dia a dia, quem mais precisa se virar meio a esse caos.

Você pode receber o podcast diretamente no seu Whatsapp, enviando um “Oi” para +55 11 9 7591 5260. Ouça também no Instagram, Youtube, Spotify, Deezer, Apple e Google Podcast

Redação

A Agência Mural de Jornalismo das Periferias tem como missão minimizar as lacunas de informação e contribuir para a desconstrução de estereótipos sobre as periferias da Grande São Paulo.

Republique

A Agência Mural de Jornalismo das Periferias, uma organização sem fins lucrativos, tem como missão reduzir as lacunas de informação sobre as periferias da Grande São Paulo. Portanto queremos que nossas reportagens alcancem outras e novas audiências.

Se você quer saber como republicar nosso conteúdo, seja ele texto, foto, arte, vídeo, áudio, no seu meio, escreva pra gente.

Envie uma mensagem para [email protected]

Reportar erro

Quer informar a nossa redação sobre algum erro nesta matéria? Preencha o formulário abaixo.