APOIE A AGÊNCIA MURAL

Colabore com o nosso jornalismo independente feito pelas e para as periferias.

OU

MANDE UM PIX qrcode

Escaneie o qr code ou use a Chave pix:

30.200.721/0001-06

Agência de Jornalismo das periferias
32xSP

Prédios ocupados no centro de SP começam a ser vistoriados pela Prefeitura

A expectativa é que, nos próximos 45 dias, os 70 prédios ocupados na região central da capital paulista sejam vistoriados por técnicos e movimentos de moradoria

Image

Por: Redação

Publicado em 09.05.2018 | 13:58 | Alterado em 09.05.2018 | 13:58

Tempo de leitura: 2 min(s)
Image

Edíficio Wilton Paes de Almeidana, no último dia 1º, no na região central de São Paulo (Humberto Muller/32xSP)

Nos próximos 45 dias, a Prefeitura de São Paulo espera vistoriar os 70 prédios ocupados na região central. Para alcançar essa meta, a administração municipal montou cinco grupos técnicos compostos por engenheiros da prefeitura e pessoas indicadas por movimentos de moradia. Endereço dos locais, no entanto, foram mantidos em segredo.

A decisão foi tomada após o desmoronamento do edíficio Wilton Paes de Almeida na no dia 1º de maio. Nesta segunda-feira (7), a reportagem da Rádio Nacional visitou quatro ocupações. Somente em uma delas a força tarefa das vistorias tinha passado. O local fica na Av. São João, bem próximo ao desastre, lá os moradores não quiseram gravar entrevistas.

LEIA TAMBÉM:
Conselho Municipal de Habitação terá eleição no dia 27 de maio

Já no Caveirão, obra abandonada que fica na Sé, bem no coração de São Paulo, a expectativa é grande. O prédio de tijolos aparentes é apontado com uma das ocupações em situação mais crítica. O receio das pessoas é que elas sejam obrigadas a deixar o lugar sem que o problema da moradia seja resolvido, como contou Nataly Santos de Lima, de 27 anos.

Nataly está grávida e mora no prédio com o marido e duas filhas pequenas. Ela é faxineira e vende lingerie. O marido, ajudante geral. Ao contrário de outras ocupações, não existe um movimento organizado gerenciando o Caveirão.

Já os moradores da Ocupação Luana Barbosa, que fica na zona oeste da cidade, não sabem se o prédio de 3 andares onde vivem 20 famílias está na lista de vistoria da prefeitura, mas no último sábado viram um buraco ser aberto em uma das paredes do imóvel, como conta o coordenador da ocupação Renato Vieira

O prédio foi desapropriado há cinco anos para a construção da Linha 6 Laranja do Metrô. Com as obras atrasadas e sem previsão de retomada, foi ocupado pelo Movimento Terra Livre em dezembro do ano passado. Há dois meses a justiça negou a reintegração de posse.

Em nota, a Secretaria de Transportes Metropolitanos informou que o desmoronamento do edifício motivou o consórcio Move, responsável pelas obras da linha, a entrar com um novo pedido de reintegração de posse, mas que o buraco aberto na parede foi feito acidentalmente e os reparos foram providenciados.

Na ocupação Leila Khaled, onde mais da metade dos moradores é formada por refugiados, principalmente vindos da Síria, a expectativa das vistorias também é grande, mas nenhum morador concordou em gravar entrevista.

VEJA TAMBÉM:
Não é fácil coibir construções irregulares, afirma prefeita regional

Segundo a defensora pública do Núcleo de Habitação, Luiza Lins Veloso, o compromisso da prefeitura é de que as vistorias não resultem em remoções.

A reportagem pediu um balanço do primeiro dia de vistorias, mas não teve resposta. Nessa segunda-feira, engenheiros da prefeitura prestaram esclarecimentos sobre o incêndio que atingiu o edifício no Largo do Paisandu antes do desabamento.

Texto publicado originalmente pela EBC (Empresa Brasil de Comunicação)

receba o melhor da mural no seu e-mail

Redação

A Agência Mural de Jornalismo das Periferias tem como missão minimizar as lacunas de informação e contribuir para a desconstrução de estereótipos sobre as periferias da Grande São Paulo.

Republique

A Agência Mural de Jornalismo das Periferias, uma organização sem fins lucrativos, tem como missão reduzir as lacunas de informação sobre as periferias da Grande São Paulo. Portanto queremos que nossas reportagens alcancem outras e novas audiências.

Se você quer saber como republicar nosso conteúdo, seja ele texto, foto, arte, vídeo, áudio, no seu meio, escreva pra gente.

Envie uma mensagem para [email protected]

Reportar erro

Quer informar a nossa redação sobre algum erro nesta matéria? Preencha o formulário abaixo.