APOIE A AGÊNCIA MURAL

Colabore com o nosso jornalismo independente feito pelas e para as periferias.

DOE MENSALMENTE PELO CATARSE

OU

MANDE UM PIX qrcode

Escaneie o qr code ou use a Chave pix:

30.200.721/0001-06

Agência de Jornalismo das periferias
Democratize-se!

Principais associações de Heliópolis e Paraisópolis rejeitam apoio a candidatos à prefeitura

Na contramão de outros líderes comunitários, nas duas maiores favelas de São Paulo, lideranças dizem que não apoiam nenhum nome nestas eleições

Image

Por: Lucas Veloso

Notícia

Publicado em 10.11.2020 | 18:43 | Alterado em 11.11.2020 | 0:24

Com a pandemia de Covid-19, uma das orientações médicas é o distanciamento social. Em Heliópolis e Paraisópolis, as duas maiores favelas de São Paulo, algumas lideranças comunitárias têm preferido adotar o distanciamento também com relação aos candidatos.

Ao contrário de outras periferias, em que líderes se tornaram ‘puxadores de votos’ em prol de alguns nomes e partidos, líderes das maiores comunidades da capital não estão mobilizadas por nenhum candidato, apesar de terem sido procurados por diversas legendas. 

Em Paraisópolis, Gilson Rodrigues, 35, líder comunitário e coordenador nacional do G10 Favelas, diz que a comunidade está focada no trabalho de controle da Covid-19. “Infelizmente, o prefeito nem os candidatos nos ajudaram neste período [da pandemia]. O trabalho está quase parando devido à diminuição de pessoas doando. Então, a princípio, não iremos apoiar ninguém”. 

Os números confirmam a fala de Gilson. Em junho, um estudo do Instituto Pólis mostrou que, em alguns bairros da cidade, o controle da Covid-19 estava sendo mais efetivo em comparação com a média municipal. 

Segundo os números, em 18 de maio de 2020, a taxa de mortalidade na favela por Covid-19 era de 21,7 pessoas por 100 mil habitantes. O índice estava abaixo da média municipal (56,2) e de regiões como Pari (127), Brás (105,9), Brasilândia (78) e Sapopemba (72).

Image

Morador recebe doação em Paraisópolis @Léu Britto/Agência Mural

Na época, um dos motivos indicados para os bons resultados foi uma ação pensada pelos próprios moradores. 

“A associação de moradores de Paraisópolis desenvolveu estratégias para suprir a falta de políticas públicas para a comunidade. Primeiramente, foi criado o sistema de presidentes de rua, em que voluntários ficam responsáveis por monitorar famílias para possíveis sintomas do Covid-19. Foram cerca de 420 presidentes – cuidando de cerca de 50 casas cada”, informou o instituto no levantamento. 

Meses depois, os dados colhidos pelo Instituto Polis e pelo Laboratório Espaço Público e Direito à Cidade (LabCidade), fornecidos por meio da Lei de Acesso a Informação, mostraram que, em agosto, o índice passou para 54 óbitos por Covid-19 a cada 100 mil habitantes, um aumento de 237,5% na comparação com os primeiros meses da pandemia. 

Além disso, a região vive com demandas antigas, como a demora para conseguir uma vaga em creche que pode chegar a nove meses, como mostra o 32xSP.

Gilson diz que três candidaturas chegaram a procurar a associação em busca de mobilização na campanha, mas que nenhuma proposta vingou. Tradicionalmente, os candidatos costumavam ser recebidos na rádio comunitária Nova Paraisópolis para serem sabatinados pelos moradores, mas devido à pandemia, não houve programação.

No plano municipal, o líder reclama da prefeitura sob a justificativa de que não houve interesse em apoiar a comunidade, sobretudo na pandemia. “O prefeito não retornou as obras de urbanização, não criou ações de apoio ao combate da doença e não recebeu os presidentes de rua [uma das principais ações locais para evitar o contágio na favela] quando fizemos uma manifestação pacífica para pedir apoio para a população”. 

Questionada sobre as críticas apontadas no texto, a Prefeitura de São Paulo não respondeu à reportagem. 

HELIÓPOLIS

Image

Presidente da Unas, em Heliópolis, aponta demandas do bairro @Léu Britto/Agência Mural

Presidenta da Unas (Associação dos Moradores de Heliópolis), Antônia Cleide Alves, 56, relata dificuldade para ser atendida na UBS da favela. “Demora de três a quatro meses para ser atendido, fazer uma consulta. Precisa ter tempo se for para depender dos serviços”. 

Essa é uma das prioridades que ela indica para o próximo prefeito na região. Sem mobilizar apoio a nenhum candidato, Antônia diz que vê a favela como uma cidade, pela quantidade de pessoas. Afirma que o espaço geográfico é pequeno para o número de moradores. 

Segundo dados do Mapa da Desigualdade, da Rede Nossa São Paulo, os moradores da subprefeitura do Ipiranga sofrem com a falta de vagas de trabalho. Na cidade, a média é de 4,8 postos de trabalho formal por dez habitantes, mas no distrito de Sacomã, onde fica Heliópolis, o índice é de 1,54. Entre outras demandas, a falta da coleta seletiva e de médicos são outras coisas apontadas por moradores.

Para Antônia, o prefeito deveria articular um plano municipal para atender as pessoas da comunidade. Entre as urgências está o lixo, que conta com menos coleta seletiva que o ideal, além da falta de espaço cultural para os jovens promoverem festa e a urbanização da favela. 

Outras lideranças de regiões de São Paulo também questionam a atual gestão e cobram que haja mais diálogo com o futuro prefeito.

Lucas Veloso

Jornalista, cofundador e correspondente de Guaianases desde 2014.

Republique

A Agência Mural de Jornalismo das Periferias, uma organização sem fins lucrativos, tem como missão reduzir as lacunas de informação sobre as periferias da Grande São Paulo. Portanto queremos que nossas reportagens alcancem outras e novas audiências.

Se você quer saber como republicar nosso conteúdo, seja ele texto, foto, arte, vídeo, áudio, no seu meio, escreva pra gente.

Envie uma mensagem para [email protected]

Reportar erro

Quer informar a nossa redação sobre algum erro nesta matéria? Preencha o formulário abaixo.