APOIE A AGÊNCIA MURAL

Colabore com o nosso jornalismo independente feito pelas e para as periferias.

OU

MANDE UM PIX qrcode

Escaneie o qr code ou use a Chave pix:

30.200.721/0001-06

Agência de Jornalismo das periferias
32xSP

Projeto de lei que destina cotas para pessoas trans é barrado na CCJ

Em trâmite desde outubro de 2017, PL foi rejeitado por 6 votos a 2. Atualmente apenas 10% da população transgênera trabalha com carteira assinada

Image

Por: Redação

Publicado em 08.01.2018 | 14:41 | Alterado em 08.01.2018 | 14:41

Tempo de leitura: 3 min(s)
Image

Caminhada pela paz “Sou Trans e Quero Dignidade e Respeito”, em janeiro de 2016 (Agência Brasil)

Em trâmite desde outubro de 2017, o Projeto de Lei 225/2017, que destina cotas em concursos públicos para pessoas transgêneras, foi rejeitado na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ), na Câmara Municipal de São Paulo, por 6 votos a 2

O PL foi criado após a mobilização da ONG CAIS (Centro de Apoio e Inclusão Social de Travestis e Transexuais), presidida pela ativista Renata Perón. Por meio de uma carta, a CAIS solicitou ao vereador Toninho Vespoli (PSOL) a criação de uma política pública para inclusão de pessoas trans no mercado formal de trabalho, levando em conta que 90% da população trans ainda recorre à prostituição, segundo dados da Antra (Associação Nacional de Travestis e Transexuais).

Para Renata, a negativa na votação reforça a falta de compreensão dos políticos em relação à realidade da população trans, uma vez que não existem leis de inclusão para pessoas trans no mercado formal, apenas o programa Transcidadania, criado em 2015 pelo então prefeito Fernando Haddad (PT).

LEIA MAIS: Mulheres trocam emprego CLT para virar donas do próprio negócio

“Já esperávamos essa negativa da Câmara Municipal de São Paulo, haja vista a gente sabe que existe um distanciamento muito grande dessas pessoas sobre o fato de que a sociedade não é regida apenas por um lado, apenas pelos evangélicos ou heterossexuais”, afirma.

“Nós somos uma sociedade mista que tem todos os tipos de pessoas. Ainda é preciso compreender que as diferenças existem e que elas precisam estar equiparadas. O que temos hoje é o Transcidadania. Se esse projeto já fosse lei, talvez não precisássemos pedir cotas, apenas aumentar a quantidade de alunos e alunas estudando para deixar a prostituição”, completa a ativista.

Image

Renata Peron durante evento sobre suicídio entre trans, em 2016 (Reprodução Facebook CAIS)

Ainda de acordo com dados da Antra, apenas 10% da população de transexuais e travestis trabalha com carteira assinada, e as empresas de telemarketing ainda são maioria na contratação.

Após reuniões entre a CAIS e o vereador Toninho Vespoli, o projeto de lei foi criado em outubro de 2015, com apoio dos vereadores Eduardo Suplicy (PT) e Isa Penna (PSOL). No documento apresentado, 2% das vagas oferecidas em concursos públicos são destinados às pessoas trans.

“A inclusão de cotas para a população transgênera nos concursos públicos no âmbito da administração pública municipal vai ao encontro dos Princípios de Yogyakarta, do artigo 5º da Constituição Federal e das regulamentações do Estado de São Paulo para enfrentamento da LGBTfobia”, salienta o vereador Toninho Vespoli.

A CCJ é o primeiro passo para aprovação de um PL, que depois precisa ser aprovado em mais três instâncias: Comissão de Administração Pública (ADM); Comissão de Saúde, Promoção Social e Trabalho (Saúde); e Comissão de Finanças e Orçamento.

“Essa rejeição já inviabiliza a tramitação do PL, no entanto não iremos desistir de tentar aprovar um Projeto de Lei que contemple o público trans. Reapresentaremos outro projeto em 2018 e lutaremos para que seja aprovado nas comissões e vá a plenário para que ao menos possamos fazer um debate sério e qualificado com o pleno da Câmara”, alega o Vespoli.

Image

Resultado do PL rejeitado por 6 votos a 2

AUSÊNCIA DE DADOS

Entre os desafios para criação do PL, os vereadores se depararam com a ausência de dados oficiais referentes ao número de pessoas trans na Cidade de São Paulo, uma vez que o IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) não inclui a identidade de gênero da população em suas pesquisas.

“Como vamos destinar uma porcentagem de vagas nos concursos públicos municipais para a população trans se não temos dados oficiais de quantas são? Isso reflete um reduto de problemas informacionais da administração pública Federal, Estadual e Municipal. No Boletim de Ocorrência, por exemplo, não há espaço de notificação para identidade de gênero. Não há como produzir dados. Isso também está presente nas carteiras do SUS, do Bilhete Único e no IPTU”, indaga Vespoli.

VEJA TAMBÉM: 1 em cada 7 imigrantes é empregado sem carteira em SP

Para o vereador Caio Miranda Carneiro (PSB), que votou contra a aprovação do PL, as razões do seu voto foram técnicas, não de mérito. Apesar de reconhecer que pessoas transexuais sofrem discriminação e preconceito e, por isso, têm dificuldade de acesso, o PL desrespeita a legalidade.

“Reserva de vagas em concurso público é uma medida que, via de regra, considero ilegal e injusta, por ferir a isonomia, a meritocracia e o interesse público, que são princípios básicos do Direito Público”, afirma Carneiro.

“Contudo, quando for considerada, deve se pautar, sempre que possível, pela questão socioeconômica, baseada em estudos e visando atacar algum fator de desigualdade e desequilíbrio de oportunidades concreto, que possa ser detectado, analisado e corrigido com base em números, metas e um resultado final que se pretende buscar dentro de um determinado prazo. Não é o caso do projeto em questão, que inclusive fala em percentual de vagas, o que gera ainda mais imprecisão e insegurança jurídica”, reitera o vereador.

Procurados pela reportagem, os demais vereadores que se opuseram ao PL não se manifestaram.

receba o melhor da mural no seu e-mail

Redação

A Agência Mural de Jornalismo das Periferias tem como missão minimizar as lacunas de informação e contribuir para a desconstrução de estereótipos sobre as periferias da Grande São Paulo.

Republique

A Agência Mural de Jornalismo das Periferias, uma organização sem fins lucrativos, tem como missão reduzir as lacunas de informação sobre as periferias da Grande São Paulo. Portanto queremos que nossas reportagens alcancem outras e novas audiências.

Se você quer saber como republicar nosso conteúdo, seja ele texto, foto, arte, vídeo, áudio, no seu meio, escreva pra gente.

Envie uma mensagem para [email protected]

Reportar erro

Quer informar a nossa redação sobre algum erro nesta matéria? Preencha o formulário abaixo.