APOIE A AGÊNCIA MURAL

Colabore com o nosso jornalismo independente feito pelas e para as periferias.

DOE MENSALMENTE PELO CATARSE

OU

MANDE UM PIX qrcode

Escaneie o qr code ou use a Chave pix:

30.200.721/0001-06

Agência de Jornalismo das periferias
Sobre-Viver

Psicólogas das periferias indicam rotina em casa e novas tarefas para lidar com quarentena

A Agência Mural ouviu profissionais sobre como manter a saúde mental nesse período de isolamento para evitar a propagação do coronavírus

Image

Por: Lucas Veloso

Notícia

Publicado em 01.04.2020 | 17:02 | Alterado em 20.05.2020 | 13:58

RESUMO

A Agência Mural ouviu profissionais sobre como manter a saúde mental nesse período de isolamento para evitar a propagação do coronavírus

Pensar em uma rotina e atividades em casa pode contribuir bastante neste momento de isolamento para evitar os riscos com a pandemia de coronavírus. 

De repente, se dedicar àquelas tarefas que não tinham tempo para serem realizadas são algumas sugestões do coletivo A Bordar Espaço Terapêutico, formado por psicólogas no Grajaú, na zona sul de São Paulo. 

Em São Paulo, desde a terça-feira (24), um decreto do governador João Doria (PSDB) determinou quarentena de 15 dias em todo o estado. Inicialmente, a medida vai até 7 de abril, e impõe o fechamento de estabelecimentos comerciais, com liberação apenas para os serviços essenciais, como alimentação, saúde, segurança pública e bancos. 

A medida mudou boa parte da vida de 21 milhões de pessoas na Grande São Paulo. Para ajudar as pessoas nas periferias a lidarem melhor com este momento, a Agência Mural conversou com algumas especialistas de saúde mental nas periferias para ouvir quais as melhores maneiras de encarar a situação em casa.

ALGUNS CUIDADOS:

– Criar uma rotina para atividades em casa
– Manter os cuidados pessoais 
– Praticar atividades de lazer.
– Evitar excesso de redes sociais
– Procurar fontes de notícias confiáveis para se informar
– Cultivar as relações afetivas através das tecnologias, como celular
– Dormir bem e seguir uma alimentação saudável
– Fazer algo que gere tranquilidade e relaxamento, como tomar sol no quintal
– Brincar com as crianças
– Seguir as recomendações das autoridades médicas, como lavar as mãos, higienizar alimentos, e quando indicado, manter o isolamento social dentro de casa
– Não sair de casa

 

Grajauenses, Dayana Almeida, 25, Elânia Francisca, 35, Lidia Sena, 29 e Samara Monteiro, 28, compõe o grupo que presta serviço de saúde mental às mulheres das periferias. 

É consenso entre as entrevistadas que as pessoas nas periferias são vítimas do descaso social, o que, segundo elas, impacta no modo de vida e cuidados das pessoas nas margens da cidade. Logo, quem consegue fazer o básico como ficar em casa já cumpre um papel importante. 

Image

Psicólogas falam de cuidados para estes dias de quarentena @Arquivo Pessoal

“Cotidianamente, a periferia sofre uma série de violências estruturais e ausência do Estado, a não garantia do direito à saúde mental é mais uma delas”, diz Elânia. 

Outros cuidados são importantes. Samara Monteiro, por exemplo, diz que vale evitar o acesso exagerado à internet e às redes sociais. “Procure se dedicar a tarefas mais tranquilas dentro de casa, como hidratar o cabelo, organizar o guarda-roupa, livros, hidratar o corpo. Ações de bem-estar e autocuidado”, comenta.

VEJA TAMBÉM:
Roda Terapêutica discute racismo e atende mulheres nas periferias de SP

Dayana Almeida afirma que é preciso cuidado para não se basear em atividades realizadas por outras pessoas e achar que também consegue fazer na mesma velocidade. Ela pede para redobrar o cuidado ao tentar seguir o que é divulgado nas redes.

“Essa cobrança pode intensificar sensações de ansiedade, estresse e fortalecer alguma ideia distorcida que se tenha”, define. “Por exemplo, achar que é incompetente por não conseguir cumprir aos vários compromissos em um mesmo dia”, completa.

Lidia Sena defende que as pessoas pensem em alternativas dentro de suas condições. Uma forma é criar uma rotina de pequenas ações, que possam ser cumpridas até o final do dia. Depois disso, à medida que sentir necessidade de acrescentar novas tarefas, será mais natural.

Image

Ludmyla aponta dificuldades para moradores das periferias durante quarentena @Arquivo Pessoal

Em Itaquera, zona leste da cidade, a psicóloga Ludmyla Ribeiro Alves, 27,  lembra que este momento de pandemia e quarentena pode deixar algumas pessoas mais ansiosas. 

Com este cenário, ela indica comportamentos preventivos que estão sob controle, como manter a higiene básica, lavar as mãos, manter a casa limpa, passar álcool em gel, evitar contato físico e se possível ficar em casa. 

“Eu sei que estamos na era da informação, mas se você se sente desconfortável evite notícias sensacionalistas, procure apenas informações confiáveis, o excesso de informações pode te deixar muito mais ansioso”, indica. 

Se estiver em casa, a dica é tentar manter uma boa convivência e evitar conflitos. Ler livros, assistir séries, escutar música e cuide da sua saúde física e mental são outros conselhos. “E caso precise, procure ajuda de um psicólogo”, observa Ludmyla. 

“Acompanho de perto o quanto pessoas que moram em periferias sofrem em vários âmbitos, por exemplo, o transporte lotado, ambientes públicos precários, entre outras situações que mexem com a sanidade das pessoas, todos os dias”.

< >

 

Lucas Veloso

Jornalista, cofundador e correspondente de Guaianases desde 2014.

Republique

A Agência Mural de Jornalismo das Periferias, uma organização sem fins lucrativos, tem como missão reduzir as lacunas de informação sobre as periferias da Grande São Paulo. Portanto queremos que nossas reportagens alcancem outras e novas audiências.

Se você quer saber como republicar nosso conteúdo, seja ele texto, foto, arte, vídeo, áudio, no seu meio, escreva pra gente.

Envie uma mensagem para [email protected]

Reportar erro

Quer informar a nossa redação sobre algum erro nesta matéria? Preencha o formulário abaixo.