APOIE A AGÊNCIA MURAL

Colabore com o nosso jornalismo independente feito pelas e para as periferias.

DOE MENSALMENTE PELO CATARSE

OU

MANDE UM PIX qrcode

Escaneie o qr code ou use a Chave pix:

30.200.721/0001-06

Agência de Jornalismo das periferias
Sobre-Viver

Saiba como ficou a antecipação da vacina da Pfizer em São Paulo

Entenda se pode tomar a segunda dose antes das 12 semanas previstas inicialmente

Image

Notícia

Publicado em 29.09.2021 | 15:25 | Alterado em 29.09.2021

Tempo de leitura: 2 minutos

A Prefeitura de São Paulo diminuiu de 12 para 8 semanas o intervalo entre as doses da vacina da Pfizer contra a Covid-19. Com isso, todos os paulistanos que tiverem recebido a primeira dose há pelo menos dois meses já podem retornar aos postos de vacinação para a segunda aplicação do imunizante. 

Segundo a Secretaria Municipal de Saúde de São Paulo, mais de 2 milhões de pessoas serão beneficiadas pela medida. 

A mudança foi anunciada na capital paulista na última quinta-feira (23) e começou a valer já na sexta, seguindo o calendário do governo estadual. O objetivo é acelerar a imunização completa da população.. 

O infectologista Carlos Magno Fortaleza, ex-integrante do Centro de Contingência da Covid-19 em São Paulo, explica que a antecipação de 12 para 8 semanas é positiva. “A redução de eficácia não foi tão grande a ponto de justificar que a gente deixe as pessoas desprotegidas”.  

Image

Vacinação em São Paulo tem tido dose de reforço e antecipação de quem se vacinou pela Pfizer @Governo do Estado

Todas as 468 UBSs (Unidades Básicas de Saúde) da cidade estão aplicando a segunda dose, além das AMAs, megapostos, drive-thrus e farmácias parceiras. 

Para receber a vacina é preciso apresentar um documento de identificação e o comprovante de vacinação da primeira dose na capital. Se a dose anterior tiver sido aplicada em outra cidade, a pessoa deve apresentar também um comprovante de endereço no município de São Paulo.

A redução no intervalo entre as doses da vacina da Pfizer foi autorizada pelo Ministério da Saúde em agosto, assim como a diminuição no prazo entre as doses do imunizante da Astrazeneca. No caso da Astrazeneca, no entanto, a antecipação ainda não foi seguida pela prefeitura para o público geral, somente para a chamada “xepa da vacina”. 

Neste caso, pessoas que tenham tomado Astrazeneca há pelo menos 60 dias podem se cadastrar na fila da xepa da UBS mais próxima. Ao fim do dia, se sobrarem doses do imunizante, os funcionários da unidade entram em contato com a pessoa e ela pode receber a segunda dose adiantada.

Durante o mês de setembro, os postos da cidade registraram por vários dias falta de doses da Astrazeneca, depois de um desabastecimento no estado. No dia 13 de setembro, a Prefeitura chegou a autorizar a aplicação da vacina da Pfizer para quem tinha tomado a primeira dose da Astrazeneca para diminuir o número de paulistanos com a segunda dose atrasada. 

DOSE DE REFORÇO

Desde segunda-feira (27) a terceira dose da vacina já está disponível para as pessoas com mais de 70 anos e que tenham tomado a segunda dose há pelo menos 60 dias. Mais de 174 mil idosos fazem parte do grupo, segundo a Secretaria Municipal de Saúde. 

A capital está priorizando o imunizante da Pfizer para as doses de reforço, seguindo a recomendação do Plano Nacional de Imunização. Na falta de vacinas da Pfizer, outros imunizantes poderão ser utilizados, como Coronavac e Astrazeneca.

Também podem receber a dose adicional os imunossuprimidos que tenham tomado a segunda dose ou a dose única há pelo menos 28 dias. Fazem parte deste grupo pessoas em tratamento quimioterápico, transplantados, e pessoas com HIV, por exemplo. 

A lista completa com os endereços dos postos de vacinação e os horários de funcionamento está disponível no site da Prefeitura

Jéssica Bernardo

Jornalista, cria de uma família de cearenses. Apaixonada por São Paulo, bolos e banhos de mar. Correspondente do Grajaú desde 2017.

Republique

Faça com que essa história chegue para mais pessoas.

Republique o nosso conteúdo gratuitamente.

Regras:

Os títulos podem ser modificados desde que não mude o contexto;

Os textos devem ser publicados como estão na versão original, sem edição ou cortes;

Todas as republicações devem dar crédito para a Agência Mural e também os créditos dos profissionais envolvidos em sua produção, conforme aparece na publicação original;

As fotografias e outras imagens/artes podem ser republicadas com os devidos créditos;

Os vídeos republicados não devem passar por nenhum tipo de edição, devem conter os créditos da Agência Mural; para transmissão na TV, é preciso enviar um pedido para contato@agenciamural.org.br.

Reportagens publicadas no site www.agenciamural.org.br não podem ser revendidas.

Se possível, os materiais republicados devem mencionar o perfil da Mural nas redes sociais.

Reportar erro

Quer informar a nossa redação sobre algum erro nesta matéria? Preencha o formulário abaixo.