APOIE A AGÊNCIA MURAL

Colabore com o nosso jornalismo independente feito pelas e para as periferias.

OU

MANDE UM PIX qrcode

Escaneie o qr code ou use a Chave pix:

30.200.721/0001-06

Agência de Jornalismo das periferias
Democratize-se!

Na Brasilândia, eleitores votam e cobram promessas na saúde e educação do prefeito eleito

Em um dos distritos mais afetados pela Covid-19, família dividida na escolha entre candidatos realça panorama das eleições

Image

Por: Cleber Arruda

Notícia

Publicado em 29.11.2020 | 16:11 | Alterado em 29.11.2020 | 16:31

Tempo de leitura: 3 min(s)
Image

Gabriel votou em Boulos, mas mãe optou por Covas e pai anulou @Cleber Arruda/Agência Mural

Na casa do professor de história Gabriel Moreno, 22, no Jardim Damasceno, na Brasilândia, zona norte de São Paulo, a família está dividida. Gabriel votou neste domingo (29) em Guilherme Boulos (PSOL) e diz que a escolha foi por causa das propostas relacionadas à área de educação. 

No entanto, a mãe dele optou por Bruno Covas (PSDB), atual prefeito que disputa a reeleição, enquanto o pai decidiu anular tanto no primeiro quanto no segundo turno das eleições da capital

A situação da casa retrata um pouco do panorama da cidade, segundo as últimas pesquisas eleitorais. No Datafolha, Boulos lidera entre os mais jovens, com 67% das intenções de voto contra 33% de Covas. No entanto, o público a partir dos 35 anos é mais favorável ao tucano – entre 35 e 44 anos, 59% preferem o atual prefeito.

VEJA TAMBÉM:
Candidatos a vice de Covas e Boulos se tornam tema nas periferias de SP
Confira todos os prefeitos que já estão eleitos na Grande São Paulo

A mãe de Gabriel, a padeira e confeiteira Adriana Dias, 48, votou no gestor e citou uma área como a que motivou a escolha. “Ele vai investir em saúde pública”, resume. 

Image

Mãe de Gabriel, Adriana preferiu votar em Covas @Arquivo Pessoal

A pandemia de Covid-19 esteve no centro da disputa este ano e foi utilizada pelos dois candidatos. A Brasilândia foi um dos distritos mais afetados na cidade com 366 mortes (além de 126 óbitos em investigação) e promessas como novas unidades de saúde são aguardados há décadas por moradores.  

Outro impacto da pandemia está na educação e a incerteza sobre a volta às aulas. Gabriel, por outro lado, crê que Boulos pode trazer novas perspectivas. 

“Como educador, espero que a educação seja valorizada, os professores sejam valorizados e as escolas possam receber mais recursos, pois hoje em dia faltam professores, materiais, inclusive de limpeza, e merenda para os alunos. Espero que tudo isso mude”, diz Gabriel. 

Covas lidera a pesquisa na cidade como um todo, enquanto Boulos tentou na reta final mudar votos entre indecisos e que votaram em branco e nulo. 

Image

O ator e educador Cristiano veio do litoral para votar @Arquivo Pessoal

O ator e cuidador social Cristiano Costa, 36, saiu da Praia Grande, no litoral de São Paulo, onde mora atualmente especialmente para participar da eleição na capital. É o segundo fim de semana de eleição que ele aproveita também para visitar a família que vive no Damasceno. 

“O voto é um instrumento para escolher representatividades. É importante escolher alguém que de fato vai contribuir com as causas que você luta”, diz.

Costa também não mudou e votará no mesmo candidato escolhido no primeiro turno. “Meu critério foi em primeiro lugar optar por alguém que não tenha nenhuma linha de pensamento homofóbica, racista, fascista, misógina”, avalia.

A atendente Daniele Lopes, 33, moradora da Cohab Brasilândia, recorreu às redes sociais e indicações de amigo para mudar de opinião na escolha de um candidato para o segundo turno. 

Image

Daniele estava indecisa sobre em quem votar @Arquivo Pessoal

No primeiro, votou apenas para o vereador e anulou o voto para prefeito. “Vi muitos status de whatsapp e matérias sobre o candidato que escolhi para o segundo turno. Dei uma pesquisada e vi alguns projetos que ele quer fazer e outro não”, diz. 

Para ela, a saúde obteve o peso maior na sua decisão. “Tudo é necessário, mas a saúde é mais, por conta da pandemia, e o que estamos precisando são mais hospitais”, afirma. 

Prometido desde a gestão Fernando Haddad (PT), o Hospital da Brasilândia foi uma das obras que se arrastaram na região nos últimos anos. Ele foi aberto este ano com leitos para tratar de pacientes com Covid-19.

receba o melhor da mural no seu e-mail

Cleber Arruda

Cofundador, correspondente da Brasilândia desde 2010 e editor em projetos especiais. É jornalista do Valor Econômico e voluntário do projeto Animais da Aldeia. Canceriano, gosta de cachorros e de viajar por aí.

Republique

A Agência Mural de Jornalismo das Periferias, uma organização sem fins lucrativos, tem como missão reduzir as lacunas de informação sobre as periferias da Grande São Paulo. Portanto queremos que nossas reportagens alcancem outras e novas audiências.

Se você quer saber como republicar nosso conteúdo, seja ele texto, foto, arte, vídeo, áudio, no seu meio, escreva pra gente.

Envie uma mensagem para [email protected]

Reportar erro

Quer informar a nossa redação sobre algum erro nesta matéria? Preencha o formulário abaixo.