APOIE A AGÊNCIA MURAL

Colabore com o nosso jornalismo independente feito pelas e para as periferias.

OU

MANDE UM PIX qrcode

Escaneie o qr code ou use a Chave pix:

30.200.721/0001-06

Agência de Jornalismo das periferias

Por: Isabela Alves

Notícia

Publicado em 01.04.2022 | 17:02 | Alterado em 06.04.2022 | 10:11

Tempo de leitura: 3 min(s)

“A indústria da moda é elitista e a periferia acaba entrando no lugar de marginalidade”, afirma Vic de Carvalho, 29, artista visual, modelo e morador do Grajaú, no extremo sul de São Paulo.

Em 2021, Vic desfilou pela marca Mile Lab – criada no Grajaú pela estilista Milena Nascimento – no maior evento de moda do Brasil, o SPFW (São Paulo Fashion Week). A coleção apresentada, Fluxo Milenar, foi fundamentada no afrofuturismo onde os corpos pretos periféricos podem ser livres tendo suas raízes e valores culturais respeitados.

Além de trabalhar como modelo, Vic é uma das idealizadoras do coletivo Da Quebrada para o mundo, iniciativa de audiovisual e mídia independente que busca resgatar o movimento marginal e divulgar a potencialidade de diversas periferias de São Paulo.

“Foi muito importante estar lá [no SPFW], porque eu sabia que de alguma forma estava representando muitas pessoas ali. Também era sobre a questão da autonomia e empoderamento de ‘corpas’ LGBTs. Quando chegou meu momento de desfilar, pedi licença aos meus ancestrais e falei ‘agora vamos’. E a gente foi lindamente”, relembra.

Mille Lab no São Paulo Fashion Week @Thais Prados

Durante o desfile, no Dia da Consciência Negra, o público viu os modelos com roupas em preto e branco, anéis, colares, óculos “Juliet”, cabelos crespos em diferentes penteados e pipas da Miltão Pipas – grafitadas pelo artista Cauã Bertoldo. No entanto, mesmo com a visibilidade, não houve qualquer suporte do evento.

Além de Vic, outros profissionais periféricos independentes falam da falta de recursos para criar coleções e pouca diversidade nesse mercado.

No próprio SPFW, a Mile Lab utilizou a plataforma para realizar um protesto por não ter tido incentivo financeiro para custear o desfile e também questionou a “cota de diversidade”, já que apesar da oportunidade, os artistas tiveram que realizar o projeto sem nenhuma consultoria.

“A gente queria fazer uma parada futurista, porque as pessoas pensavam que é uma visão que não aconteceria. Pelo simples fato de ser preto e periférico, não nos enxergam vivos nem amanhã, quem dirá dessa maneira utópica?”, conta Breno Luan, 17, criador independente.

Luan escreve poesia desde os 11 anos e aos 13 conheceu o slam, competição de poesia falada. Em suas obras, desde a escrita até as canções, ele ressalta a importância e a urgência da resistência negra. “Trazer isso para a passarela é contrariar todas as estatísticas e ir contra um sistema que foi imposto para gente desde muito longe.”

Para a especialista Jô Souza, docente no Centro Universitário Belas Artes de São Paulo e dona da empresa Galeria do Conhecimento, os estilistas periféricos enfrentam diversos desafios para criar as suas coleções, principalmente a falta de recursos. Ao mesmo tempo, essa lacuna dá gás para a criatividade e se torna potência para criar produtos de qualidade.

Ela destaca que o mercado da moda continua pecando em questões de diversidade por ser uma questão social enraizada na sociedade brasileira devido ao processo de colonização.

Vic enfatiza potência da moda periférica @André Ribeiro

O conceito de moda começou a se desenvolver no século 14, da Idade Média para a Idade Moderna, na Europa. Por conta da origem, o que é “bonito” ou “elegante” se baseia na cultura eurocêntrica até os dias atuais, o que acaba invisibilizando outras culturas.

Jô reforça ainda que as novas tendências vindas de grupos como a população indígena e negra devem ser valorizadas, pois são parte da identidade nacional.”A periferia é um lugar de simplicidade e diversidade”

“A moda periférica é livre, foge aos padrões de certo e do que é errado. Vai além das normas prescritivas e taxativas de revistas que querem ditar padrões de comportamento”

Jô Souza

É sobre autoestima do que é ser periférico que se baseia o trabalho de Vic. “A gente trouxe justamente o contrário [no SPFW]: que a nossa cultura também é potência e que ela não é maior ou menor que as outras. É uma forma de resistência e uma maneira de se colocar no mundo.”

receba o melhor da mural no seu e-mail

Isabela Alves

Graduada em jornalismo pela Universidade Anhembi Morumbi (UAM) e pós graduanda em Mídia, Informação e Cultura pelo Celacc/USP. Homenageada no 1° Prêmio Neusa Maria de Jornalismo. Correspondente do Grajaú desde 2021.

Republique

A Agência Mural de Jornalismo das Periferias, uma organização sem fins lucrativos, tem como missão reduzir as lacunas de informação sobre as periferias da Grande São Paulo. Portanto queremos que nossas reportagens alcancem outras e novas audiências.

Se você quer saber como republicar nosso conteúdo, seja ele texto, foto, arte, vídeo, áudio, no seu meio, escreva pra gente.

Envie uma mensagem para [email protected]

Reportar erro

Quer informar a nossa redação sobre algum erro nesta matéria? Preencha o formulário abaixo.