APOIE A AGÊNCIA MURAL

Colabore com o nosso jornalismo independente feito pelas e para as periferias.

OU

MANDE UM PIX qrcode

Escaneie o qr code ou use a Chave pix:

30.200.721/0001-06

Agência de Jornalismo das periferias

Por: Isabela Alves

Notícia

Publicado em 15.12.2021 | 16:24 | Alterado em 04.01.2022 | 16:33

Tempo de leitura: 5 min(s)

Estilo criado em meio à segregação racial nos Estados Unidos, entre as décdas de 1940 e 1950, a moda pin-up tem encontrado novos significados nas periferias de São Paulo. Desde agosto de 2020, a página Pin-Ups Pretas BR busca renovar o estilo a partir da ancestralidade e pensá-lo como uma ferramenta para trazer visibilidade a figuras negras que tiveram suas histórias apagadas.

Uma das criadoras é Crislaine Alves, 29, conhecida também como Cherry Cris. Moradora do Jardim Planalto, em Guarulhos, na Grande São Paulo, ela é uma das modelos pin-ups pretas que ressignificam o estilo a partir da estética negra. Ela relata que o grupo tem buscado mostrar o apagamento das mulheres negras nesse estilo.

Crislaine Alves é uma das criadoras da página sobre pin-ups pretas no Brasil @Bruzzi Fotos/Divulgação

“O apagamento histórico foi tão grande que pouco se sabe sobre o trabalho e o talento delas [pin-ups pretas]. É muito difícil achar imagens, vídeos ou filmes na internet”, conta Crislaine.

“O racismo está tão enraizado dentro da cultura que as pessoas não enxergam o quanto elas foram importantes em diversos aspectos, tanto na beleza, quanto na vestimenta e cabelo.”

A modelo se refere ao começo do estilo, ainda durante a Segunda Guerra Mundial (1939-1945). Inicialmente, as mulheres adotavam essa moda com o objetivo de agradar aos soldados. Inclusive, o termo pin-up (em inglês) significa “pendurar”, que vem da ação de colocar cartões, fotos e calendários de atrizes e modelos nos quartos dos acampamentos.

Com isso, se popularizou a imagem com delineado gatinho, batom vermelho, corpo curvilíneo, roupas do estilo 1940 e 1950, e as poses sensuais.

Além de lutar contra a invisibilidade, Crislaine relata que as modelos enfrentaram dois grandes desafios na época: o preconceito da sociedade conservadora, já que a principal responsabilidade da mulher naquela época era cuidar da casa e servir ao marido, e a hipersexualização, já que o estilo foi criado por homens.

“Ao meu ver, o estilo não foi libertador de início [para as mulheres] e sim supersexualizado. As modelos eram vistas como mulheres fáceis e muitas vezes tinham suas fotos censuradas”, afirma.

O resgate histórico

Existem registros históricos deste movimento desde 1890, como é o caso da arte dos franceses Chéret e Raphael Kirchner, com imagens que traziam pinturas de mulheres em poses sensuais.

No entanto, uma das poucas artes com uma mulher negra que pode ser encontrada na internet é do artista Alberto Vargas. Ele pintou uma modelo com os seios à mostra para a revista Playboy, em 1968.

A pin-up mais famosa no mundo é a modelo estadunidense Bettie Page. Reconhecida como a “Rainha das Pin-ups”, ela ganhou notoriedade na década de 1950 com a marca registrada dos cabelos pretos lustrosos e a franja. Outra personalidade que se tornou referência neste universo é a atriz Marilyn Monroe, famosa pelos papéis em filmes como “O Pecado Mora ao Lado” (1955) e “Quanto Mais Quente Melhor” (1959).

O que poucos sabem é que mulheres negras também fizeram história ao retratar o estilo. Entre as que se destacaram estão a dançarina Josephine Baker, que alcançou o sucesso em 1926 sendo estrela de um grande teatro francês, e Dorothy Dandridge, que se tornou conhecida por filmes como “Carmen Jones” (1954) e “Porgy Bess” (1959).

Atriz e cantora Dorothy Dandridge (1922-1965) @MGM Television

Contudo, as mulheres negras que usam o estilo ainda hoje lidam com a questão da invisibilidade. De acordo com a pesquisa “Quem é a Pin-Up Brasileira?”, realizada pelo Universo Retrô, apenas 5% das brasileiras entrevistadas que são adeptas ao estilo se declaram mulheres pretas.

Paula Renata, 28, moradora do Grajaú, na zona sul de São Paulo, tornou-se a pin-up preta mais reconhecida dentro e fora do Brasil. Conhecida como Miss Black Divine, ela é adepta do estilo desde 2010, mas enfrentou diversos desafios para se encaixar na temática pela falta de representatividade.

Paula Renata é uma das pin-ups pretas de destaque no Brasil @Ramona Retratos

“Como eu não tinha muita consciência racial, eu alisava o meu cabelo e tentava me enquadrar”, afirma.

“Uma mulher uma vez veio me entrevistar falando que a característica de uma pin-up era ter a pele branca e pensei: ‘ela não está me vendo?’ A partir desse momento, comecei a reforçar a minha cultura, minha estética e quem sou.”

Sobre o apagamento histórico das mulheres pretas nesse tipo de moda, Paula enfatiza ainda que “é importante conhecer a história para que outras meninas se reconheçam e se sintam seguras”.

“A gente existe e resiste. É preciso mostrar para outras meninas que elas podem sim estar nesse estilo.”

Inspirações e como tornar o estilo acessível

As pin-ups pretas relatam que adaptar a estética a partir dos registros das modelos negras estadunidenses não é uma tarefa fácil, já que o material é praticamente escasso.

Muitas baseiam as pesquisas na cultura vintage africana. “Você tenta adaptar o que encontrar para o seu estilo. Fazer essas pesquisas demandam um pouco mais de esforço, mas valem a pena”, diz Crislaine.

Modelos como Crislaine Alves assumem o visual se baseando na cultura vintage africana @Bruzzi Fotos/Divulgação

O preço das roupas é outro obstáculo para a adesão de mulheres nas periferias. A solução encontrada por Paula Renata é garimpar em brechós.

“Há a possibilidade de reaproveitar as roupas para que elas se encaixem no seu estilo. Se você acha uma peça e gosta dela pela cor ou tecido, mas sente que não combina muito, pode levar em uma costureira para que ela transforme a peça ao seu gosto”, sugere.

Para o futuro, ambas continuam lutando para que mais pessoas passem a enxergar a cultura negra dentro da cultura vintage, já que a população preta foi pioneira e fez história em diversos aspectos.

Paula também luta para enaltecer a cultura negra na moda @Evelyn Kosta

Além de modelo, Crislaine também é empreendedora e fundou a loja Cerejando Store, que vende acessórios pin-ups e busca tornar a moda mais acessível para mulheres das periferias. Já Paula, continua trabalhando para que as mulheres negras sejam reconhecidas nos concursos internacionais de beleza.

Em 2018, a Miss Black Divine se tornou a primeira brasileira a estampar a capa da revista estadunidense “Black Pin Ups” e, em 2020, foi selecionada para o maior evento de pin-ups do mundo, o The Queen Of The Car Show – Viva Las Vegas.

Das 12 concorrentes, apenas Paula e mais outras três mulheres são negras. Por conta da pandemia, o evento foi cancelado, mas a expectativa é que o concurso ocorra em 2022.

“Apesar das inúmeras reivindicações, o mercado da moda continua pecando quando se fala em representatividade nas passarelas e propagandas publicitárias”, aponta Paula. “Estão fazendo o mínimo ao colocar uma modelo negra, gorda ou com deficiência nos palcos.”

receba o melhor da mural no seu e-mail

Isabela Alves

Graduada em jornalismo pela Universidade Anhembi Morumbi (UAM) e pós graduanda em Mídia, Informação e Cultura pelo Celacc/USP. Homenageada no 1° Prêmio Neusa Maria de Jornalismo. Correspondente do Grajaú desde 2021.

Republique

A Agência Mural de Jornalismo das Periferias, uma organização sem fins lucrativos, tem como missão reduzir as lacunas de informação sobre as periferias da Grande São Paulo. Portanto queremos que nossas reportagens alcancem outras e novas audiências.

Se você quer saber como republicar nosso conteúdo, seja ele texto, foto, arte, vídeo, áudio, no seu meio, escreva pra gente.

Envie uma mensagem para [email protected]

Reportar erro

Quer informar a nossa redação sobre algum erro nesta matéria? Preencha o formulário abaixo.