APOIE A AGÊNCIA MURAL

Colabore com o nosso jornalismo independente feito pelas e para as periferias.

DOE MENSALMENTE PELO CATARSE

OU

MANDE UM PIX qrcode

Escaneie o qr code ou use a Chave pix:

30.200.721/0001-06

Agência de Jornalismo das periferias

Notícia

Por: Isabela Alves

Publicado em 15.12.2021 | 16:24 | Alterado em 04.01.2022 | 16:33

Tempo de leitura: 6 minutos

Estilo criado em meio à segregação racial nos Estados Unidos, entre as décdas de 1940 e 1950, a moda pin-up tem encontrado novos significados nas periferias de São Paulo. Desde agosto de 2020, a página Pin-Ups Pretas BR busca renovar o estilo a partir da ancestralidade e pensá-lo como uma ferramenta para trazer visibilidade a figuras negras que tiveram suas histórias apagadas.

Uma das criadoras é Crislaine Alves, 29, conhecida também como Cherry Cris. Moradora do Jardim Planalto, em Guarulhos, na Grande São Paulo, ela é uma das modelos pin-ups pretas que ressignificam o estilo a partir da estética negra. Ela relata que o grupo tem buscado mostrar o apagamento das mulheres negras nesse estilo.

Crislaine Alves é uma das criadoras da página sobre pin-ups pretas no Brasil @Bruzzi Fotos/Divulgação

“O apagamento histórico foi tão grande que pouco se sabe sobre o trabalho e o talento delas [pin-ups pretas]. É muito difícil achar imagens, vídeos ou filmes na internet”, conta Crislaine.

“O racismo está tão enraizado dentro da cultura que as pessoas não enxergam o quanto elas foram importantes em diversos aspectos, tanto na beleza, quanto na vestimenta e cabelo.”

A modelo se refere ao começo do estilo, ainda durante a Segunda Guerra Mundial (1939-1945). Inicialmente, as mulheres adotavam essa moda com o objetivo de agradar aos soldados. Inclusive, o termo pin-up (em inglês) significa “pendurar”, que vem da ação de colocar cartões, fotos e calendários de atrizes e modelos nos quartos dos acampamentos.

Com isso, se popularizou a imagem com delineado gatinho, batom vermelho, corpo curvilíneo, roupas do estilo 1940 e 1950, e as poses sensuais.

Além de lutar contra a invisibilidade, Crislaine relata que as modelos enfrentaram dois grandes desafios na época: o preconceito da sociedade conservadora, já que a principal responsabilidade da mulher naquela época era cuidar da casa e servir ao marido, e a hipersexualização, já que o estilo foi criado por homens.

“Ao meu ver, o estilo não foi libertador de início [para as mulheres] e sim supersexualizado. As modelos eram vistas como mulheres fáceis e muitas vezes tinham suas fotos censuradas”, afirma.

O resgate histórico

Existem registros históricos deste movimento desde 1890, como é o caso da arte dos franceses Chéret e Raphael Kirchner, com imagens que traziam pinturas de mulheres em poses sensuais.

No entanto, uma das poucas artes com uma mulher negra que pode ser encontrada na internet é do artista Alberto Vargas. Ele pintou uma modelo com os seios à mostra para a revista Playboy, em 1968.

A pin-up mais famosa no mundo é a modelo estadunidense Bettie Page. Reconhecida como a “Rainha das Pin-ups”, ela ganhou notoriedade na década de 1950 com a marca registrada dos cabelos pretos lustrosos e a franja. Outra personalidade que se tornou referência neste universo é a atriz Marilyn Monroe, famosa pelos papéis em filmes como “O Pecado Mora ao Lado” (1955) e “Quanto Mais Quente Melhor” (1959).

O que poucos sabem é que mulheres negras também fizeram história ao retratar o estilo. Entre as que se destacaram estão a dançarina Josephine Baker, que alcançou o sucesso em 1926 sendo estrela de um grande teatro francês, e Dorothy Dandridge, que se tornou conhecida por filmes como “Carmen Jones” (1954) e “Porgy Bess” (1959).

Atriz e cantora Dorothy Dandridge (1922-1965) @MGM Television

Contudo, as mulheres negras que usam o estilo ainda hoje lidam com a questão da invisibilidade. De acordo com a pesquisa “Quem é a Pin-Up Brasileira?”, realizada pelo Universo Retrô, apenas 5% das brasileiras entrevistadas que são adeptas ao estilo se declaram mulheres pretas.

Paula Renata, 28, moradora do Grajaú, na zona sul de São Paulo, tornou-se a pin-up preta mais reconhecida dentro e fora do Brasil. Conhecida como Miss Black Divine, ela é adepta do estilo desde 2010, mas enfrentou diversos desafios para se encaixar na temática pela falta de representatividade.

Paula Renata é uma das pin-ups pretas de destaque no Brasil @Ramona Retratos

“Como eu não tinha muita consciência racial, eu alisava o meu cabelo e tentava me enquadrar”, afirma.

“Uma mulher uma vez veio me entrevistar falando que a característica de uma pin-up era ter a pele branca e pensei: ‘ela não está me vendo?’ A partir desse momento, comecei a reforçar a minha cultura, minha estética e quem sou.”

Sobre o apagamento histórico das mulheres pretas nesse tipo de moda, Paula enfatiza ainda que “é importante conhecer a história para que outras meninas se reconheçam e se sintam seguras”.

“A gente existe e resiste. É preciso mostrar para outras meninas que elas podem sim estar nesse estilo.”

Inspirações e como tornar o estilo acessível

As pin-ups pretas relatam que adaptar a estética a partir dos registros das modelos negras estadunidenses não é uma tarefa fácil, já que o material é praticamente escasso.

Muitas baseiam as pesquisas na cultura vintage africana. “Você tenta adaptar o que encontrar para o seu estilo. Fazer essas pesquisas demandam um pouco mais de esforço, mas valem a pena”, diz Crislaine.

Modelos como Crislaine Alves assumem o visual se baseando na cultura vintage africana @Bruzzi Fotos/Divulgação

O preço das roupas é outro obstáculo para a adesão de mulheres nas periferias. A solução encontrada por Paula Renata é garimpar em brechós.

“Há a possibilidade de reaproveitar as roupas para que elas se encaixem no seu estilo. Se você acha uma peça e gosta dela pela cor ou tecido, mas sente que não combina muito, pode levar em uma costureira para que ela transforme a peça ao seu gosto”, sugere.

Para o futuro, ambas continuam lutando para que mais pessoas passem a enxergar a cultura negra dentro da cultura vintage, já que a população preta foi pioneira e fez história em diversos aspectos.

Paula também luta para enaltecer a cultura negra na moda @Evelyn Kosta

Além de modelo, Crislaine também é empreendedora e fundou a loja Cerejando Store, que vende acessórios pin-ups e busca tornar a moda mais acessível para mulheres das periferias. Já Paula, continua trabalhando para que as mulheres negras sejam reconhecidas nos concursos internacionais de beleza.

Em 2018, a Miss Black Divine se tornou a primeira brasileira a estampar a capa da revista estadunidense “Black Pin Ups” e, em 2020, foi selecionada para o maior evento de pin-ups do mundo, o The Queen Of The Car Show – Viva Las Vegas.

Das 12 concorrentes, apenas Paula e mais outras três mulheres são negras. Por conta da pandemia, o evento foi cancelado, mas a expectativa é que o concurso ocorra em 2022.

“Apesar das inúmeras reivindicações, o mercado da moda continua pecando quando se fala em representatividade nas passarelas e propagandas publicitárias”, aponta Paula. “Estão fazendo o mínimo ao colocar uma modelo negra, gorda ou com deficiência nos palcos.”

Isabela Alves

Graduada em jornalismo pela Universidade Anhembi Morumbi (UAM) e pós graduanda em Mídia, Informação e Cultura pelo Celacc/USP. Homenageada no 1° Prêmio Neusa Maria de Jornalismo. Correspondente do Grajaú desde 2021.

Republique

Faça com que essa história chegue para mais pessoas.

Republique o nosso conteúdo gratuitamente.

Regras:

Os títulos podem ser modificados desde que não mude o contexto;

Os textos devem ser publicados como estão na versão original, sem edição ou cortes;

Todas as republicações devem dar crédito para a Agência Mural e também os créditos dos profissionais envolvidos em sua produção, conforme aparece na publicação original;

As fotografias e outras imagens/artes podem ser republicadas com os devidos créditos;

Os vídeos republicados não devem passar por nenhum tipo de edição, devem conter os créditos da Agência Mural; para transmissão na TV, é preciso enviar um pedido para contato@agenciamural.org.br.

Reportagens publicadas no site www.agenciamural.org.br não podem ser revendidas.

Se possível, os materiais republicados devem mencionar o perfil da Mural nas redes sociais.

Reportar erro

Quer informar a nossa redação sobre algum erro nesta matéria? Preencha o formulário abaixo.