• Informações apuradas pela Agência Mural por meio de dados e entrevistas, buscando ouvir todos os lados envolvidos e seguindo nossa linha editorial.
    Notícia

Ambulantes da Liberdade tentam driblar redução de clientes e maior concorrência

Comerciantes do bairro conhecido como um centro popular econômico de Salvador contam os novos desafios para enfrentar crise
Ambulantes e feirantes estão entre as profissões reconhecidas como as mais afetadas pela Covid-19 | Antônio Laranjeira/Agência Mural

Entre bancas e sombreiros, os ambulantes da Liberdade, bairro conhecido como um centro popular de Salvador, traçam estratégias para enfrentar uma dualidade provocada pela pandemia desde o ano passado: o esvaziamento de fregueses e o aumento da concorrência no espaço. 

O ambulante José Luiz dos Reis, 35, vende óculos solares no local há 16 anos e conta ter mudado sua tática de trabalho neste último ano. Para economizar, ele deixou de encomendar pedidos de “sacoleiros” de São Paulo e passou a viajar para Feira de Santana, a 115 km de Salvador, para abastecer sua banca com novidades. 

“Meu trabalho é oferecer uma variedade grande de óculos importados da China. A Liberdade tem o que o comércio de outros bairros não têm, com os preços que todo mundo pode pagar”, diz o ambulante. 

Apesar de residir em Paripe, Reis guarda suas mercadorias em uma loja e remonta sua banca todos os dias logo cedo, às 8h, quando o estabelecimento abre as portas. A maioria das lojas começam a baixar as portas às 18h, horário que as bancas do comércio de rua também são recolhidas.

Assim como Reis e a maioria dos ambulantes da Liberdade, a aposentada Solange dos Santos, 70, também monta e desmonta sua banca de bijuterias de segunda a sábado. Vendedora na região desde 1988, ela diz perceber mudanças na configuração local desde o ano passado. 

“Essa pandemia veio e as pessoas só podem ir para rua ganhar sua renda. A Liberdade já era atrativa para os ambulantes de outros bairros, com essa crise que estamos o número só aumentou”, diz Solange. 

Em contrapartida, o fluxo de fregueses caiu, segundo os comerciantes, e as dificuldades financeiras não permitiram uma pausa no período. “No meu caso, um salário mínimo de aposentadoria não cobre minhas despesas. Continuo trabalhando de máscara mesmo vacinada da Covid-19”, relata Solange.

Com a pandemia, Solange passou a receber o auxílio emergencial de R$ 270 oferecido pela Prefeitura de Salvador para os ambulantes, com mais de 60 anos, cadastrados na Semop (Secretaria Municipal de Ordem Pública). 

Ambulantes e feirantes estão entre as profissões reconhecidas pela prefeitura como as mais afetadas pela Covid-19, por lidarem diretamente com o fluxo das ruas e o contato entre vendedores e clientes. 

Para se cadastrar e obter a licença de ambulante, além dos documentos básicos, como CPF e RG, o profissional deve apresentar à Semop um croqui (rascunho feito à mão) da localização que pretende ocupar na via pública em uma área de até 1,5 m².

Credenciada, Solange paga uma taxa mensal de R$ 126 por 1 m² da calçada na rua principal da região. Contudo, a vendedora reclama que as promessas eleitorais de projetos de ordenamento público nunca foram concretizadas. 

“Eu vi candidato vir aqui em eleições passadas, falar com a gente sobre planos de padronização das nossas bancas, depois de ganhar a eleição para vereador e dar as costas para a situação. Aqui a competição por espaço sempre foi regulada pelos próprios ambulantes e pelo que eu vejo não vai mudar”, comenta a aposentada.

Solange dos Santos atua há 33 anos como ambulante, mesmo depois de aposentada | Antônio Laranjeira/Agência Mural

RUA PRINCIPAL

A disputada calçada onde Solange está fica na Estrada da Liberdade, considerada a rua principal da região, que mescla características residenciais e comerciais.

 “O bairro apresenta diversos trechos, localidades e comunidades, fazendo com que apareçam características bem distintas em toda sua extensão”, analisa Ana Cláudia Nogueira Maia, doutora em Geografia pela UFBA (Universidade Federal da Bahia). 

A via de mão dupla para os meios de transporte conecta outras zonas comerciais e residenciais da Cidade Baixa e Cidade Alta, como a ligação entre a Calçada e o Centro. 

Para Ana Cláudia, essa configuração mista da rua é um atrativo potencial para os negócios. “As atividades comerciais desenvolvidas na antiga Avenida Lima e Silva, como muitos ainda chamam a atual Estrada da Liberdade, atraem um grande número de pessoas, conectando, sim, esses diferentes espaços do bairro”, observa. 

VEJA TAMBÉM: 
Mototaxistas apontam os obstáculos para circular de acordo com a lei na pandemia
Empresas investem em negócios inspirados nas religiões afro-brasileiras nas periferias de Salvador

O ambulante Genivaldo Lima, 45, é um exemplo de quem aproveita essas duas facetas da Liberdade. Há 25 anos ele mora em uma das avenidas que se conectam à rua principal, onde trabalha vendendo CDs e DVDs, desde 2001. 

Com a primeira dose da vacinação contra Covid-19 em dia e utilizando máscara, ele também reclama da queda no fluxo de clientes no período. “O movimento caiu, levando em consideração que minha clientela é idosa e precisa se manter em casa”, avalia. 

Lima diz que seu negócio, apesar de parecer um ramo defasado, tem fregueses cativos, como pessoas que não se adaptaram ao uso de pendrives e o consumo de músicas em streaming via Internet.

Por outro lado, ele destaca a solidariedade entre comerciantes formais e informais, um fator que sustenta o bairro como um dos principais centros da economia popular na capital baiana.

“Se eu precisar de troco para uma nota de R$ 50 ou R$ 100, peço ao ambulante do meu lado para olhar minhas mercadorias enquanto saio para trocar com a loja mais próxima. Quando a loja precisa, também troca com um ambulante. Essa é nossa rotina”, comenta Lima.

Antônio Laranjeira

Jornalista, correspondente de Salvador, BA, desde 2021. É morador do bairro da Liberdade desde a infância, Aos 13 anos foi reconhecido com o prêmio vereador mirim pela Câmara de Vereadores de Salvador, desde então possui interesses na esfera pública. Possui experiências em análise de dados geoespaciais, marketing digital para mídias móveis e jornalismo em redes colaborativas.

Salvador/BA

Comentários