• Informações apuradas pela Agência Mural por meio de dados e entrevistas, buscando ouvir todos os lados envolvidos e seguindo nossa linha editorial.
    Notícia

Carnaval de Santana de Parnaíba reúne tradição africana, noite de “fantasmas” e pedidos de pinga

Grito da Noite nesta sexta-feira (21) dá início aos festejos de um dos mais tradicionais carnavais da Grande SP

No centro histórico de Santana de Parnaíba, as pessoas se encontram. Com o grupo do samba reunido, o cortejo anda pelas ruas, entoa canções. O movimento só faz algumas pausas em algumas casas e bares para pedir pinga.

“Carreira de paca, carreira de lebre / Traz a pinga que nois bebe”, são os versos para pedir a bebida. Depois que consegue, o grupo canta “Por esse litro tão querido / Obrigado meu amigo”. 

Assim vai noite adentro na cidade a 40 km da capital, localizada na região metropolitana de São Paulo. 

O município, fundado em 1625, mantém um dos mais tradicionais carnavais da Grande São Paulo, com  marchinhas, fantasias de fantasmas e o samba de bumbo. Em geral, as atividades são no centro histórico da cidade de 130 mil habitantes. 

Crédito: Arquivo Acervo das TradiçõesSamba de Bumbo é tradição antiga em Parnaíba

Morador da região, o autônomo Leandro Daher, 45, participa de, ao menos, quatro grupos no município: entre eles, dois sambas de bumbo, de origem rural paulista com influência africana.

“É uma festa sustentada pela história, como o samba de bumbo. Há uma vontade nossa de ‘fazer acontecer’. Existe um clima de cidade pequena. Por mais que tenha mais de 120 mil habitantes, o centro histórico é minúsculo”, observa. 

CONFIRA:
Outras notícias sobre a Grande SP
Página mostra a história de periferias da capital

“O samba sai na rua, com todo mundo atrás, empregando um ritmo africano, algo que lembra uma batida de guerra. Isso faz com que você participe da magia”, completa.

FANTASMAS

O carnaval de Santana de Parnaíba é composto por vários grupos musicais, como blocos e escolas de samba.

O Grito da Noite é o samba de maior relevância, abrindo as comemorações carnavalescas na noite de sexta-feira (21).

Crédito: Acervo pessoalCarnaval movimenta ruas do centro histórico

Nesta manifestação, os moradores produzem figuras de personagens da cidade, que são homenageados ou satirizados nos sambas e nas histórias.

Ao som dos instrumentos bumbo, caixa e chocalho, os foliões, vestidos com túnicas ou com cabeções de caveira, andam até o cemitério da região.

A tradição é baseada em uma história folclórica. Durante um cortejo de assombrações, a chamada “Procissão das Almas”, Henrique Preto, negro “filho do Ventre Livre”, resolveu desafiar essa interdição e olhar a passagem do cortejo. 

Um dos fiéis deu a ele uma vela para que guardasse até o dia seguinte da procissão. Dias depois, a pessoa foi até sua casa a fim de recuperar o pertence, mas o objeto se transformou em um fêmur e o dono desapareceu.

Crédito: Arquivo PessoalLeandro é autônomo e vai participar de ao menos quatro blocos no carnaval

Assustado, Henrique Preto teria saído à rua aos gritos, batendo seu bumbo até a porta do cemitério, ‘para espantar as almas’, no que passou a ser imitado por seus amigos. Eles passaram a se vestir de fantasma e tocar bumbo até a porta do cemitério, o que hoje é chamado de Noite dos Fantasmas.

O SAMBA SAI NO BUMBO

Outra tradição na região é o Samba de Bumbo, também conhecido como Samba Campineiro, Samba de Pirapora, Samba de Roda ou Samba do Lenço. Junto do Jongo e do Batuque de Umbigada, o samba faz parte da trilogia das manifestações negras originadas no tempo da escravidão e que são praticadas no Estado de São Paulo

“A festa de carnaval levada pelo samba de bumbo em Santana de Parnaíba é um evento cuja proporção permite que se acionem relações sociais e se brinque simbolicamente com muitos dos sentidos locais”, diz Simone Toji no artigo Samba e carnaval à paulista, uma folia em Santana de Parnaíba..

“O cantar conjunto torna o cortejo, ao menos temporariamente, uma comunidade de sentido folião”, completa o estudo.

Até a década de 1930, o samba de bumbo estava presente nos redutos negros da capital paulista e teve como ponto de encontro a cidade de Pirapora, durante as festas do Bom Jesus, em agosto. Hoje, o ritmo é realizado nas cidades de Mauá, Pirapora do Bom Jesus, Santana de Parnaíba e Vinhedo. 

VEJA TAMBÉM:
Rolê na Quebrada indica 16 blocos de carnaval para curtir nas periferias
Com orçamento enxuto, escolas de samba dos bairros utilizam material reciclável e fantasias reaproveitadas

São usados apenas instrumentos de percussão. Os bumbos e as caixas são de estilo europeu, produzidos em madeira e com peles de cabrito no dois lados, são percutidos por baquetas e afinados por cordas. Os chocalhos têm formas variadas. Também ocorre a presença de pandeiros e reco-recos de bambu ou de chifre.

HISTÓRIA DA REGIÃO

Santana de Parnaíba fica na região metropolitana de São Paulo e faz limite com municípios próximos da capital, como Osasco, Barueri e Pirapora do do Bom Jesus. 

A sua data de criação é a mesma que a fazenda do casal Manoel Fernandes e Suzana Dias, em 1580. A partir daí, começou o povoamento do local, segundo pesquisas históricas.

Décadas depois, em 1625, o local se destacou como vila colonial, devido a posição considerada estratégica por bandeirantes que iriam adentrar o sertão seguindo o curso do Rio Tietê.

Lucas Veloso

Jornalista, cofundador e correspondente de Guaianases desde 2014. É apresentador da live Rolê na Quebrada.

Guaianases, São Paulo

Comentários