• Informações apuradas pela Agência Mural por meio de dados e entrevistas, buscando ouvir todos os lados envolvidos e seguindo nossa linha editorial.
    Notícia

Em briga com governo de SP, Osasco e Carapicuíba questionam Plano SP

Plano São Paulo vira alvo de briga judicial entre prefeitos e Osasco consegue liminar; governo do estado diz que tem dialogado

A decisão de ampliar as proibições para comércios na região oeste da Grande São Paulo ainda causa dúvidas.

Cada uma das cidades adotou uma postura para a decisão do governo do estado que voltou a restringir a abertura de bares, salões e academias nas cidades de Osasco, Carapicuíba, Barueri, Itapevi, Jandira, Santana de Parnaíba e Pirapora do Bom Jesus.

Prefeitos questionam a decisão de passar a região para a fase laranja do Plano São Paulo (de flexibilização da quarentena), enquanto o estado diz que a medida é necessária pelo aumento de casos de Covid-19. Enquanto a briga nos gabinetes segue, poucas mudanças foram vistas nos comércios da região.

Nesta segunda-feira (10), a prefeitura de Osasco conseguiu uma liminar para manter a cidade na fase amarela. O juiz Olavo Sá Pereira da Silva, da 2ª Vara da Fazenda Pública da cidade, entendeu que o município atende aos critérios do plano. “O relatório municipal aponta que a capacidade de atendimento hospitalar não regrediu e isso significa que não deveria haver regressão”, afirmou.

O prefeito Rogério Lins (Podemos) disse que a cidade está com leitos e respiradores disponíveis e tem seguido os critérios epidemiológicos. “Não é uma notícia para ser comemorada ou dizer que está tudo bem. Precisamos tomar muito cuidado e ter muita responsabilidade com a sua vida e dos seus semelhantes”

Calçadão movimentado lembra os dias antes da pandemia em OsascoPaulo Talarico/Agência Mural

Procurado, o governo do estado ainda não havia sido informado da decisão judicial. A gestão afirmou que o secretário de desenvolvimento regional Marco Vinholi (PSDB) tem dialogado com os prefeitos para o cumprimento do Plano SP, “que estabelece uma regra comum para as 645 cidades paulistas sobre a evolução da pandemia e ocupação hospitalar.”

Vinholi é próximo do prefeito de Barueri, Rubens Furlan (PSDB). O pai dele, Geraldo Vinholi, é secretário de suprimentos na gestão barueriense. Mesmo assim, Barueri foi a primeira a anunciar que não acataria a decisão. Na segunda-feira (10) publicou um decreto em que deixa como mantida as medidas anteriores.

VEJA TAMBÉM
Confira quantos casos de Covid-19 foram confirmados em cada cidade
Opinião: Plano de flexibilização ignora proximidade das cidades
Não leve o coronavírus para casa: veja como se proteger caso saia de casa

Em Carapicuíba, o prefeito Marcos Neves (PSDB) questionou os dados, mas disse que decretaria a volta para a fase laranja. Porém, afirma que o aumento no número de casos ocorreu porque a cidade está testando mais. A cidade chegou a 5.549 casos nesta terça-feira (11) e tinha 4.555 no dia 28 de julho. “O número de casos registrados aumentou porque estamos testando mais pessoas, diminuindo a subnotificação”.

Segundo o estado, a cidade apresentou um crescimento na evolução da pandemia e também no número de mortes, “o que levou a região para uma fase mais restritiva”.

Outras cidades como Itapevi também afirmaram que irão recorrer à Justiça contra as decisões do estado.

O Plano São Paulo é atualizado quinzenalmente, de acordo com dados colhidos nas semanas anteriores pelo próprio governo. O plano é dividido em cinco fases que vão do nível máximo de restrição de atividades não essenciais (vermelho) a etapas identificadas como controle (laranja), flexibilização (amarelo), abertura parcial (verde) e normal controlado (azul).

Paulo Talarico

Editor-chefe de jornalismo, cofundador e correspondente de Osasco desde 2011. Formado em jornalismo pela Universidade São Judas Tadeu, tem pós-graduação em jornalismo esportivo e curso técnico de locução para rádio e TV. Atualmente, estuda História na Universidade de São Paulo. Gosta de café, Osasco, livros, futebol e cinema.

Osasco

Lucas Veloso

Jornalista, cofundador e correspondente de Guaianases desde 2014.

Guaianases, São Paulo

Comentários