APOIE A AGÊNCIA MURAL

Colabore com o nosso jornalismo independente feito pelas e para as periferias.

OU

MANDE UM PIX qrcode

Escaneie o qr code ou use a Chave pix:

30.200.721/0001-06

Agência de Jornalismo das periferias
Notícias

Governo do Estado volta a restringir abertura de bares e salões na região de Osasco e Barueri

Plano São Paulo foi atualizado e número de casos rebaixou municípios para fase laranja; Prefeito de Barueri diz que cidade seguirá na fase amarela por decisão própria

Image

Por: Paulo Talarico | Lucas Veloso

Notícia

Publicado em 07.08.2020 | 21:24 | Alterado em 10.08.2020 | 13:37

RESUMO

Plano São Paulo foi atualizado e número de casos rebaixou municípios para fase laranja; Prefeito de Barueri diz que cidade seguirá na fase amarela por decisão própria

Tempo de leitura: 3 min(s)
Image

Campanha da prefeitura em meio ao calçadão cheio em Osasco @Paulo Talarico/Agência Mural

Menos de um mês depois do anúncio de que poderiam voltar a abrir bares, academias e salões de beleza, a região oeste da Grande São Paulo, voltou para a fase laranja do chamado plano São Paulo. 

Na manhã desta sexta-feira (7), o governador de São Paulo, João Doria, atualizou o plano de flexibilização. Na nova configuração, a sub-região oeste da região metropolitana foi rebaixada para a fase laranja da quarentena. 

A área engloba as cidades de Barueri, Carapicuíba, Itapevi, Jandira, Osasco, Pirapora do Bom Jesus e Santana de Parnaíba. Além delas, as cinco cidades da região norte: Caieiras, Cajamar, Franco da Rocha, Francisco Morato e Mairiporã também seguem na fase laranja.  

Nesta fase, é permitida a abertura de 20% da capacidade de lojas e serviços. Essa abertura pode ser feita pelo período de quatro horas diárias, todos os dias; ou por seis horas, desde que abra apenas por quatro dias na semana. A praça de alimentação nesse caso não é permitida, o consumo em bares, a ida a academias e salões de beleza são proibidos.

Algo pouco provável em cidades que já vivem um clima de normalidade, apesar do número de mortes e de casos que não parou de subir e dobrou desde o início do Plano São Paulo. 

Principal centro comercial de Osasco, o calçadão da rua Antonio Agu estava cheio na tarde desta terça-feira (7). O ritmo das vendas está longe de ser o de antes da pandemia, mas filas nas caixas lotéricas, dentro do shopping e nas lojas deixam dúvidas sobre se ainda há uma quarentena. 

Image

Calçadão movimentado lembra os dias antes da pandemia em Osasco @Paulo Talarico/Agência Mural

O governo paulista também anunciou a prorrogação da quarentena no estado até o dia 23 de agosto. 

A taxa de ocupação de leitos de UTI (Unidade de Terapia Intensiva) para a Covid-19 entre 75% e 80% é um dos requisitos para esse nível.

Outras nove regiões do estado de São Paulo evoluíram seus indicadores relacionados à pandemia do novo coronavírus e estão agora na Fase 3 – Amarela do Plano São Paulo. Com a mudança, o estado têm agora 86,1% de seu território na fase amarela do Plano.

VEJA TAMBÉM
Confira quantos casos de Covid-19 foram confirmados em cada cidade
Opinião: Plano de flexibilização ignora proximidade das cidades
Não leve o coronavírus para casa: veja como se proteger caso saia de casa

O Plano São Paulo é atualizado quinzenalmente, de acordo com dados colhidos nas semanas anteriores pelo próprio governo. O plano é dividido em cinco fases que vão do nível máximo de restrição de atividades não essenciais (Vermelho) a etapas identificadas como controle (Laranja), flexibilização (Amarelo), abertura parcial (Verde) e normal controlado (Azul).

A análise tem sido feita com base nas cinco regiões em que está dividida a Grande São Paulo. As sete cidades da região oeste estão dentro do quesito de vagas de UTI. No entanto, o avanço de casos nos municípios ficou abaixo do esperado para manter os municípios na fase amarela. 

A decisão de usar a média das cidades para avaliação não foi aceita por todos os gestores. 


PREFEITO DESAFIA ESTADO

Em Barueri, o prefeito Rubens Furlan (PSDB) disse que não irá respeitar a decisão estadual. “Vamos permanecer na cor amarela por um decreto meu”, afirmou o gestor que é do mesmo partido de João Doria. 

“Fui surpreendido com a decisão do governador de regredir o nosso município da faixa amarela para a laranja”, diz. “Todas as exigências estabelecidas pelo próprio estado, estamos cumprindo rigorosamente”. 

O gestor disse que a capacidade hospitalar está acima dos 40%, assim como leitos de internação e de UTI (Unidade de Terapia Intensiva). Ele disse que há um entendimento do STF (Supremo Tribunal Federal) que permite as cidades indicarem quais serão as medidas tomadas.

A decisão sobre o Plano São Paulo tem causado polêmica e levado a questionamentos na Justiça. Em junho, a cidade de Mairiporã tentou mudar de fase da quarentena por conta própria, mas a decisão foi barrada pela justiça.

O plano de flexibilização também foi criticado por diversos prefeitos por apontar diferenças entre cidades que têm limites próximos e moradores que circulam entre elas. 

receba o melhor da mural no seu e-mail

Paulo Talarico

Editor-chefe e cofundador da Agência Mural, é formado em Jornalismo pela Universidade São Judas Tadeu e em História pela Universidade de São Paulo.

Lucas Veloso

Jornalista, cofundador e correspondente de Guaianases desde 2014.

Republique

A Agência Mural de Jornalismo das Periferias, uma organização sem fins lucrativos, tem como missão reduzir as lacunas de informação sobre as periferias da Grande São Paulo. Portanto queremos que nossas reportagens alcancem outras e novas audiências.

Se você quer saber como republicar nosso conteúdo, seja ele texto, foto, arte, vídeo, áudio, no seu meio, escreva pra gente.

Envie uma mensagem para [email protected]

Reportar erro

Quer informar a nossa redação sobre algum erro nesta matéria? Preencha o formulário abaixo.