APOIE A AGÊNCIA MURAL

Colabore com o nosso jornalismo independente feito pelas e para as periferias.

DOE MENSALMENTE PELO CATARSE

OU

MANDE UM PIX qrcode

Escaneie o qr code ou use a Chave pix:

30.200.721/0001-06

Agência de Jornalismo das periferias

Por Paulo Talarico | 05.06.2021

Reportagem: Eduardo Machado e Daniel Brito

Edição: Cleber Arruda

Publicado em 05.06.2021 | 6:26 | Alterado em 05.06.2021| 6:26

RESUMO

Em Salvador, comunidade cobra falta de diálogo com governo sobre futuro de parque e organiza abaixo-assinado contra processo de concessão

NAVEGUE
COMPARTILHE
Image

Moradores colhendo frutos na parte interna do parque @Eduardo Machado/Agência Mural

Localizado entre o bairro de Pirajá e o subúrbio de Salvador, o Parque São Bartolomeu é carregado não só de muito verde, mas também de muita história. O local, junto com outros parques naturais da Bahia e de outros cinco estados do país, está prestes a ser concedido à iniciativa privada, o que tem gerado preocupação em ambientalistas e na própria comunidade que frequenta o espaço.

Uma das principais reclamações é sobre a falta de diálogo dos órgãos estaduais que cuidam do parque, como a Conder (Companhia de Desenvolvimento Urbano do Estado da Bahia) administradora do local, e o Inema (Instituto do Meio Ambiente e Recursos Hídricos da Bahia). 

“Até o momento, não vi nenhuma discussão, nem com o conselho gestor da área, nem com as entidades”, afirma Valdeci Teixeira Barbosa, 63, conhecida como Mameto Val, mameto de nikices da casa religiosa Mukundewá, em Alto de Coutos. 

Um abaixo-assinado promovido pela Iniciativa Popular Trilha das Flores, grupo responsável pela comunicação popular sobre o parque, quer reunir 2.500 assinaturas contra a concessão. Até o momento, foram colhidas 2.299 que representam insatisfação com o processo. 

Atuante nos bairros de Plataforma e São João do Cabrito, o MTD (Movimento de Trabalhadoras e Trabalhadores por Direitos) vem denunciando em rede com terreiros de Candomblé, grupos culturais e ambientais do Subúrbio Ferroviário a falta de escuta por parte do Governo do Estado e do BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social), órgão federal financiador do projeto.

Para o coordenador nacional da entidade, Juan Gonçalves, 27, a ausência do diálogo com as comunidades tem sido favorável ao cenário de privatização.

“As comunidades não foram ouvidas não, inclusive a rede de religião de matriz africana do Subúrbio Ferroviário está tentando mover o Ministério Público para aumentar a pressão junto ao Governo do Estado a fim que haja mais diálogo”, revela.

No último dia 28 de maio, o BNDES apresentou o plano de estudo sobre a viabilidade econômica do parque, em uma reunião com a coordenação da APA (Área de Proteção Ambiental) São Bartolomeu/Bacia do Cobre, onde o parque está inserido, e algumas lideranças comunitárias. 

Segundo Juan, o acordo apresentado foi o de lançar o edital de concessão e licitação para uso do parque a partir do segundo semestre deste ano. “Precisamos construir alternativas para denunciar esse processo. Defendemos o parque porque sabemos que é a defesa do nosso território. Ao invés de pensar em privatizar, deveriam investir mais na revitalização das águas e em pontos centrais de cultura”, destaca. 

Image

Juan Gonçalves na Cascata de Nanã @Eduardo Machado/Agência Mural

Elionaldo Gomes, 40, presidente da Assmoilha (Associação de Moradores de Ilha Amarela), um dos bairros abrangidos pelo parque, também diz não ter sido comunicado a respeito do processo. 

“Ficamos sabendo com amigos do parque de Pituaçu, onde a situação de privatização está avançada. Gravamos um vídeo sobre essa possibilidade, afirmando que éramos contra porque não haviam nos consultado. Foi aí que começaram a mandar convite para algumas organizações”, relata.

O líder comunitário, que também é um dos conselheiros da APA, espaço composto por organizações da sociedade civil e representantes do poder público, participou da apresentação do projeto. Ele afirma haver uma falta de atenção ao extrativismo local e a ausência de uma ação direcionada às áreas degradadas ao redor do parque.

“Estão tratando como coisas pequenas o extrativismo local, as hortas comunitárias. Não apresentaram o que fariam com as áreas degradas ao redor do parque”, avalia Gomes. 

“Vimos que o interesse deles não é no parque como todo, querem as áreas que já estão em preservação. Por que não pegaram a área geral para fazer manutenção com participação do povo que vem cuidando há anos e anos sem receber um tostão?”, questiona Gomes.

Por ser formado por uma grande reserva de diversidade natural, o extrativismo local é considerado a garantia de renda e subsistência para muitas famílias, segundo a dona de casa Adair Oliveira, 83, moradora da região. 

“É um meio de a população que mora aqui ganhar dinheiro porque há frutos de todos os tipos. Muitas pessoas aqui vivem e sobrevivem disso, através das madeiras, frutas, folhas, terra, pescarias. Se privatizarem, como entraremos? Teremos que pagar?”, indaga. 

OUTROS PARQUES NA MIRA

O São Bartolomeu não é o único colocado nesta condição. Ainda no final de 2020, o BNDES lançou o Programa de Estruturação de Concessões de Parques Naturais. A entidade planeja dar suporte à desestatização de serviços de visitação a esses locais nos estados da Bahia, Mato Grosso do Sul, Minas Gerais, Pernambuco, Rio Grande do Sul e Tocantins.

Em Salvador, os parques de Pituaçu e o Zoobotânico também foram escolhidos pelo programa. No restante do estado, foram selecionados os parques estaduais da Serra do Conduru (localizado em área dos municípios de Ilhéus, Itacaré e Uruçuca) e o das Sete Passagens, no município de Uruçuca.

Na prática, a atitude permitiria que empresas privadas pudessem administrá-lo, o que é contestado pelas comunidades locais. Segundo o BNDES, esse programa de concessões “vai atrair investimentos para aprimorar a qualidade dos serviços prestados”.  

“Os contratos vão prever melhorias desde investimentos básicos em infraestrutura, como banheiros, sinalização ao longo das trilhas e aparelhamento dos centros de visitantes, até o desenvolvimento de novos atrativos e equipamentos de recreação de acordo com a vocação de cada parque e com foco no ecoturismo e conservação ambiental”, diz o superintendente de Governo e Relacionamento Institucional do órgão, Pedro Bruno Barros de Souza, em nota publicada no site da instituição.

PLANOS PARA O PARQUE

Image

Parque tem cachoeiras e pedras consideradas sagradas @Eduardo Machado/Agência Mural

Procurada, a Conder, que administra o Parque São Bartolomeu, disse que as questões relacionadas ao processo de concessão deveriam ser tratadas com o Inema. O órgão ambiental, por sua vez, por meio da sua assessoria de comunicação, respondeu que não houve atualizações após a visita de uma comitiva do BNDES ao parque, realizada em fevereiro, e também que as tratativas relacionadas ao projeto seguem em avaliação com o Governo do Estado.

A pasta disse ainda que os bens e serviços a serem explorados serão devolvidos à administração pública ao final do contrato, seja ele de 15, 20 ou 30 anos. “Deste modo, não trata-se de ‘venda do parque’ ou ‘privatização da natureza’ e sim de estudos de viabilidade para a concessão dos serviços turísticos do parque, respeitando as questões socioambientais”, afirma, em texto publicado em seu site.

“No caso do programa em questão, a proposta é elaborar estudos para analisar a viabilidade de concessão, por tempo limitado, do uso de uma parte da área dos parques (a ser identificada nos estudos) – a chamada área de uso público – ou uma concessão de serviços turísticos visando à visitação e melhoria das condições de infraestrutura de visitação e recreação para o público em geral”, prossegue.

O Inema disse também que as comunidades que frequentam os parques também serão ouvidas. “Serão identificados os principais atores sociais e organizações representantes da comunidade que tenham conexão e que sejam afetados por um projeto como esse. Na sequência haverá um processo de escuta estruturada, em que serão identificados os principais anseios, pontos de atenção e preocupações comunitárias quanto à Unidade de Conservação”, finaliza.

CACHOEIRAS, FÉ E TRADIÇÕES

Image

Maria Inês com os irmãos Jossival e Jessival Gonçalves colhem plantas no parque @Eduardo Machado/Agência Mural

Historicamente, o parque sempre serviu para encontros ecumênicos, principalmente, por praticantes de religiões de matriz africana por ser constituído de flora, fauna, águas e pedras sagradas, como a de Obaluaiyê, Tempo e de Xangô ou as cachoeiras de Oxum, Nanã e Oxumar.

Nascida e criada no parque, Adair Oliveira relembra a época em que o local não tinha uma estrutura cercada. Segundo ela, dessa maneira, as pessoas vivenciavam mais o espaço. 

“Eu nasci e me criei bem pertinho da cachoeira de Oxum, a água era maravilhosa, tomava banho, lavava roupa e bebia água. Aqui era só mato, tinha a linha do trem, a pista veio depois. Hoje em dia o pessoal colocou esgoto, cercaram tudo, tombaram o parque, mas acabaram com tudo”, diz. 

E lamenta: “A água de tão suja faz subir uma espuma branca com um cheiro terrível, você não aguenta. A única cachoeira que não tem esgoto é a de Oxumarê, porque ela nasce no meio da ladeira em uma moita de bambu escondida. As outras, o pessoal destruiu”.

Image

Pedra de Omolu no Parque São Bartolomeu @Daniel Brito/Agência Mural

De acordo com Adair, tudo que se dá dentro do parque, os moradores aproveitam para alimentação e venda. “Isso aqui é muito importante e nós moradores damos valor, o que precisa ser feito aqui são os poderes públicos cuidar mais e estar mais próximo da Comunidade”, conclui.

Nesse feriado de Corpus Christi, a dona de casa Maria Inês Gonçalves, 74, aproveitou para passear, colher folhas medicinais nas trilhas verdes do São Bartolomeu e prosear na praça da Cachoeira de Oxum com a família. 

Maria Inês separa as folhas colhidas entre os dedos e explica suas funções: “Essa daqui é dente de leão, essa aqui é donzélia são folhas boas para dores e inflamação e dizem também servem para diabetes.”, desconfia dona Maria. E complementa: “Essa daqui é o Arrozinho, uma erva muito boa para quentura intestinal e pancada nos nervos, basta esquentar e enrolar que a dor passa”, ensina. 

Para ela, a concessão do parque pode representar mudança na relação com as plantas. “A medicina natural vai acabar, porque as pessoas não dão valor e aqui é um jardim de folhas de remédio”, pontua. 

Sua filha, a agente de higienização hospitalar Arlene Gonçalves, 44, está dividida a respeito da questão. “Vai tirar a oportunidade de todos terem essa convivência ao ar livre, as crianças brincarem e conhecerem uma planta nativa que às vezes não tem oportunidade lá fora, e por outro lado, privatizar vai melhorar em termos de segurança”, destaca.  

VEJA TAMBÉM:
Construção de elevatória de esgoto na beira da lagoa do Abaeté revolta moradores e ambientalistas
Comunidades quilombolas reclamam de impactos industriais em Porto de Aratu

Essa relação cultural do meio ambiente nas rotinas, manifestações e atividades dos moradores demarca o Parque São Bartolomeu como um importante instrumento da memória histórica, de patrimônio imaterial e bem simbólico às comunidades que formam o Subúrbio Ferroviário de Salvador.

Mãe Val pontua a relação íntima entre cultura local e o meio ambiente, vínculos mantidos desde a infância. 

“Fui criada com minhas irmãs fazendo piquenique tomando banhos na Cachoeira de Osun. Lembro que carregava quatro latas de águas por dia do parque para encher o purrão da nossa casa. Essa era a água que saciava a nossa sede. Pescávamos pitu, mariscos, caranguejos, siris, aratus para nos alimentar no manguezal que existia no parque”, relembra.

“O meu terreiro é completamente descendente da natureza ambiental do Parque São Bartolomeu. Necessito de suas águas para manter minha religião viva, das suas terras, de suas matas, de suas pedras, da sua beleza e de suas estórias. Esse vínculo cultural e religioso tem sido a minha luta constante para que a preservação ambiental cultural e religiosa não se perca como a história indígena”, pontua. 

PALCO DE LUTAS HISTÓRICAS

Image

Escultura em homenagem a Zeferina, do artista plástico Bel Borba @Eduardo Machado/Agência Mural

Com 75 hectares, o Parque São Bartolomeu é considerado uma das maiores reservas de Mata Atlântica em área urbana do Brasil;  instituído como parque em 1978 por meio de um decreto municipal.

O parque integra a Bacia do Rio do Cobre, e abriga na parte divisória com o bairro de Pirajá a Barragem do Cobre, cujas nascentes localizam-se entre os bairros de Fazenda Coutos 3, Valéria, Paripe, Periperi, Ilha Amarela e Pirajá.

A barragem do Cobre foi concluída pelo Governo do Estado em 1931 e integrava o primeiro sistema de abastecimento de água de Salvador, que abasteceu vários bairros do subúrbio até o ano de 2005. Hoje, encontra-se abandonada. 

Símbolo identitário, de luta e resistência do povo baiano, o Parque São Bartolomeu além de ser um patrimônio desconhecido, é palco de fatos importantíssimos para a historiografia do Brasil como a “Batalha de Pirajá”, em 8 de novembro de 1822, conhecida por ser o ápice na guerra pela independência do Brasil.

Morada de Tupinambás, o atual parque antes chamado de Floresta do Urubu, logo tornou-se um ponto distinto com africanos fugitivos que ali encontraram proteção e refúgio. Organizando-se por volta de 1826 no chamado Quilombo do Urubu, com Negra Zeferina à frente, uma das principais lideranças de insurreições negras do século XIX.

Paulo Talarico

Editor-chefe e cofundador da Agência Mural, é formado em Jornalismo pela Universidade São Judas Tadeu e em História pela Universidade de São Paulo.

Republique

A Agência Mural de Jornalismo das Periferias, uma organização sem fins lucrativos, tem como missão reduzir as lacunas de informação sobre as periferias da Grande São Paulo. Portanto queremos que nossas reportagens alcancem outras e novas audiências.

Se você quer saber como republicar nosso conteúdo, seja ele texto, foto, arte, vídeo, áudio, no seu meio, escreva pra gente.

Envie uma mensagem para [email protected]

Reportar erro

Quer informar a nossa redação sobre algum erro nesta matéria? Preencha o formulário abaixo.