Estudante de história, professor e MC: Marabu lança segunda música

Cria do Jardim Ângela e do Capão Redondo, na zona sul de São Paulo, Matheus Santos, 22, divide a vida em três momentos: cursar história na maior universidade pública do país (a USP), dar aulas em um cursinho popular e, há quase dois anos, fazer rap.

Artisticamente, ele é conhecido como Marabu. A escolha do nome veio com o objetivo de representar a etnia Fula, região do ocidente africano hoje conhecida como Mali.

Receba nossa newsletter!

Marabu conta que o rap o salvou e garante que isso é mais do que falar de vulnerabilidade social, por ser morador da periferia. “Isso fala de questões acerca da minha identidade, das novas perspectivas de mundo que o rap me mostrou, das noções políticas, ensinamentos acerca da cultura negra brasileira”, explica.

Para ele, o hip hop e o rap ajudam na articulação política enquanto indivíduo. “Talvez isso tenha sido um ponto crucial pra minha formação. Acredito que, graças ao rap e ao hip hop, muitos de nós não só sobrevive, mas vive, e está sempre buscando fartura de vida plena”, defende e indica nomes da cena musical como Nayra Lays e Thiago Elñino.

Marabu traz no som uma musicalidade preta, com tom de diáspora (em um sentido de movimentos políticos e econômicos que espalharam africanos por todo mundo e produziram formas de articulação e expressões de negritudes em hábitos, linguagem e comportamentos) e brasilidade. Por isso, prefere que o chamem de MC (mestre de cerimônias) em vez de rapper.

Marabu dá aulas em um cursinho na USP (Divulgação)

“A musicalidade preta brasileira é muito diversa e muito do que as pessoas pretas produziram no Brasil faz parte da minha identidade e da minha formação artística. Sou criado em meio ao forró, brega, funk e pagode, na minha música há diversos elementos trazidos do rap brasileiro, mas não só, também há muito do funk mesmo e do samba rock”, conta. “Todos esses estilos foram aprimorados e consolidados por músicos pretos de todos os lugares do Brasil.”

Em fevereiro deste ano, ele lançou o segundo trabalho: intitulado de Boa Sorte, a música, para o MC, pretende dialogar com a “juventude preta que busca uma vida longe da estatística, que vive na metrópole, cria suas oportunidades com pouquíssimos recursos”.

Marabu explica que o nome da música vem da necessidade de um diálogo mais efetivo. “A quebrada precisa se cuidar, se aliar, os pretos precisam dialogar, o rap, o funk, o trap, o samba, o punk. Nossa morte é o resumo da pauta deles, mas nós não concordamos, precisamos conversar entre nós”, afirma. “Boa Sorte vem pra iniciar esse diálogo, que ainda vai ter muitos capítulos. A arte é só o começo, vamos falar muito alto, com cada vez mais gente”.

A inspiração para o som veio do ‘funk da baixada’, principalmente de artistas como PP da VS, Neguinho do Kaxeta, Felipe Boladão e MC Daleste, e do samba rock, com nomes como Jorge Ben Jor e Branda Di Neve.

“A mensagem é: a gente vai viver, não importa o que aconteça. Boa sorte pra gente e pra quem for contra, porque eles vão precisar”.

Para o MC, a música fala sobre a dupla realidade “que vive quem transita nas quebradas da cidade e caminha no centro, a dualidade que vive quem é filho de gente preta com a identidade destroçada pelo racismo e que se misturou com os brancos que foram separados por diversos motivos dos benefícios do capital.”

Capa do single de Marabu (Divulgação)

“Também sobre aqueles que tentam manter a identidade mesmo em meio a uma estrutura branca e racista que destrói famílias e só puxa pra baixo, pras universidades de baixa qualidade, pro subemprego e pra falta de qualidade de vida”, completa.

UNIVERSIDADE

Tanto o rap quanto a universidade não estavam nos planos de Matheus. Quando entrou para o curso de história da FFLCH (Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas), da USP, ele não imaginava os desafios que iria enfrentar. As dificuldades começaram na preparação para o vestibular.

“Eu me preparei errado”, conta. “As expectativas criadas em torno da universidade pública, quando ninguém da família ou do convívio já habitou esse ambiente, são muito irreais. A preparação também é deficiente”, explica Marabu, que hoje está no quinto ano do curso.

Durante o período preparatório, Matheus diz que focou demais em matérias regulares (disciplinas de uma grade curricular comum, com aulas de ciências humanas, exatas e linguagens) quando, para ele, elas contribuem de maneira ineficiente para desenvolver as aptidões necessárias para a vida universitária, como o desenvolvimento intelectual e artístico.

História sempre foi a matéria favorita dele na escola e, por não ter uma nota de corte muito alta, foi a escolha certa. “Prestei pra história com intuito de conhecer academicamente a área e entrar pela rachadura do muro em um dos ambientes universitários mais privilegiados e excludentes”, diz.

MC aponta desafios de entrar na universidade (Felipe Cardoso)

Ao ingressar, descreve, percebeu que a sensação era de quem vive no inferno e não faz a menor ideia de como é a vida no Éden. “Estou muito longe de viver no paraíso. A desigualdade social imensa que está presente em São Paulo não nos permite saber como é a experiência de vida do outro, da elite branca, e esse contato gera de primeira uma revolta e a sensação de não pertencimento, depois a gente passa a compreender nossas potencialidades e valorizar nossa trajetória”, explica.

A vivência na universidade abriu portas para que Matheus pudesse lecionar “História do Brasil” no cursinho popular NCN (Núcleo de Consciência Negra), na USP, e ser membro da gestão da entidade, que atua em outras frentes além do cursinho popular.

“Tenho o dever e o prazer de desenvolver junto com meus alunos uma relação muito mais horizontal. Procuro estimular em sala de aula competências que só o método conteudista de ensino não abarca, e que são muito mais importantes pro prosseguimento pleno da vida universitária”, conta.

VEJA TAMBÉM:
‘Poeta não é uma profissão é um castigo’, diz Sérgio Vaz aos 30 anos de carreira
Como estão os moradores do Campo Limpo que perderam casas em janeiro

No rap, Marabu conta que está construindo o fundamento do seu castelo, começando pela raiz. Desde o lançamento do primeiro trabalho, Negócios, em outubro de 2018, ele tem recebido retornos positivos do seu som. Atualmente, trabalha em um disco ao lado do produtor Levi Keniata, mas ainda não definiram o melhor formato.

“Tenho noção de que colocar duas músicas no mundo já é muito pra quem vem de onde eu venho, as estatísticas me colocam em outros lugares, mas é aqui que quero e devo estar, tem muito trabalho a ser realizado ainda”, afirma.

“Começamos os estudos e iniciamos o processo do disco. A gente ainda não sabe se vai ser um EP, um álbum ou um DVD, só sabemos que vai ser grande”, comemora.

O MC está preparando um espetáculo curto com o material dos trabalhos que já foram lançados. Durante as apresentações, ele será acompanhado pela DJ Livea Soares. Marabu conta que recebe convites para participar de alguns festivais e tocar em alguns espaços ao longo de 2019, mas ainda não tem datas liberadas. Mas uma coisa é certa: ele pretende cantar na maior quantidade de quebradas possíveis.

Paloma Vasconcelos é correspondente da Vila Nova Cachoeirinha
[email protected]