APOIE A AGÊNCIA MURAL

Colabore com o nosso jornalismo independente feito pelas e para as periferias.

OU

MANDE UM PIX qrcode

Escaneie o qr code ou use a Chave pix:

30.200.721/0001-06

Agência de Jornalismo das periferias

Por: Bruna Rocha | Cleber Arruda | Eduardo Machado | Joyce Melo

Notícia

Publicado em 19.11.2021 | 23:45 | Alterado em 24.11.2021 | 12:03

Tempo de leitura: 4 min(s)

Injustiça social, racismo, falta de moradia, intolerância religiosa, machismo e feminicídio são algumas das causas enfrentadas pelas ativistas Bruna Silva, 21, Roseane Santos, 23, e Beatriz Sousa, 20. Para essas jovens moradoras das periferias de Salvador, a discussão e a vivência desses temas são constantes e a consciência da juventude negra está cada vez mais articulada para mudar realidades.

“A sociedade precisa entender que a juventude não quer só droga, prostituição e paredão. A juventude está engajada na luta social, na política, porque a gente já entendeu que esse país aqui não é o que a gente quer. Essa sociedade racista, machista, LGBTfóbica não é o que queremos”

Bruna Silva, poetisa e moradora da Suburbana

A poetisa iniciou suas atividades na militância no Espaço Cultural Alagados, no bairro do Uruguai. “Minha trajetória começa quando conheço o Espaço Cultural Alagados e lá participo de rodas de conversa sobre questões raciais e sociais. Minhas experiências com o racismo, machismo e as diversas opressões me dão fôlego para escrever, como também a vivência dos meus amigos e familiares”, conta Bruna. Atualmente, ela realiza seus trabalhos independentes com poesia.

“Espero contribuir para um mundo menos preconceituoso, menos racista, menos fascista”, diz a poetisa Bruna Silva @Divulgação

Para ela, a participação dos jovens negros das periferias na política é necessária para mudar desigualdades sociais. “A gente precisa entrar no debate político. Principalmente, porque estamos dentro das periferias, onde não tem um saneamento básico, que é o mínimo. O emprego não chega para gente, o ônibus demora a passar, enfim, é a gente que passa por isso, e por isso nos engajamos muito mais nessa luta social e política que a juventude branca”, diz.

Assim como Bruna, a universitária Beatriz Souza é outra jovem ativa em movimentos sociais desde cedo. Moradora do Nordeste de Amaralina, Beatriz é ativista do Odara Instituto da Mulher Negra, onde trabalha na área de comunicação e participa de um programa com jovens meninas negras no combate à Covid-19, na Bahia e em Pernambuco.

“A gente ensina e demonstra para elas a força que têm, como podem usar as redes sociais, como podem usar a comunidade, mostramos que elas têm voz. Então, tudo é pensado para que essas meninas consigam acessar esses direitos”, diz Beatriz, que participa de atividades do instituto desde 2016.Para a ativista, o futuro terá mudanças significativas a partir da articulação e protagonismo dos jovens.

“A juventude negra está construindo um espaço de poder e isso é muito real, porque esse espaço não será construído pelo Estado”.

Beatriz critica o papel do poder público na garantia da segurança e dos direitos da juventude negra. “O genocídio é um projeto de Estado que está correndo a todo vapor há mais de 500 anos nesse país. Então, se não formos nós, do movimento de mulheres pretas, de pessoas pretas, se a gente não cria esse espaço para nossa juventude, para que deem continuidade a nossa luta, esse espaço não vai existir”, avalia.

De acordo com o Atlas da Violência 2021, negros têm mais do que o dobro de chance de serem assassinados no Brasil, representaram 77% das vítimas de assassinato no país em 2019.

Contudo, a estudante se diz confiante na ação dos jovens para o futuro. “Sigo esperançosa do futuro porque vejo a juventude se articulando e isso é histórico. Principalmente sendo uma jovem que consegue entender o gás que estamos dando. A juventude vai narrar discursos e vai construir caminhos para o futuro ser mais frutífero”, concluiu Beatriz.

A universitária Beatriz Sousa tem 20 anos e está no Odara Instituto da Mulher Negra desde 2016 @Gabrielle Guido/Agência Mural

Outra jovem que também atua politicamente em seu bairro, o Jardim Cajazeiras, é a atriz e poetisa Roseane Santos, conhecida como Rose. A jovem, que na infância morava em uma ocupação, conta que começou sua trajetória na militância há cinco anos no Movimento Sem Teto Da Bahia.

“Viver a trajetória no movimento foi o pontapé que eu tive na militância. As pessoas que residiam lá me deram o maior apoio e isso me marcou”, diz.

Atualmente, ela faz parte do Coletivo Incomode, uma articulação que abrange outras organizações e debate questões sociais na região. “As pautas de luta do Coletivo Incomode e as que defendo são o encarceramento em massa, extermínio, do genocídio da juventude negra à violência policial, racismo, intolerância religiosa e o feminicídio”, pontua.

Roseane Souza interpretando a guerreira Maria Felipa nos festejos da Independência da Bahia @Divulgação/Tanajura

Rose alerta sobre o desafio de conciliar uma vida ativa na militância e não se desestabilizar emocional e psicologicamente. “Você está nas rodas de debate e está escutando depoimentos de pessoas violentadas das mais diferentes formas. É muito muito revoltante e, se não tivermos uma cabeça firme, a gente pensa até em desistir”, diz.

“A gente vem tentando buscar debater e estudar também sobre como devemos agir diante dessas questões no nosso dia a dia. Porque o racismo, por exemplo, é algo muito frequente”

A jovem conta que já passou por momentos de ansiedade que não conseguia se apresentar, nem recitar poesias. Também relembra momentos marcantes no palcos. “Eu era a dona Miriam que havia perdido o filho. A peça mostrava o jovem no caixão e a patroa falando que a mãe precisava trabalhar, sem se importar com o corpo do filho da empregada. Chorei no ensaio; chorei encerrando a peça. Aquilo foi muito forte para mim”.

A partir dali, Rose diz ter se sentido motivada a prosseguir como ativista. “Essa cena me fez ter força de vontade para seguir, para dar continuidade na militância e ajudar jovens que estão dentro das comunidades e que às vezes só precisam de cultura, de projetos, de que a cultura chegue até eles”.

Para a atriz, há esperanças na atuação da juventude negra. “Espero e desejo muito construir um futuro. Comunidades onde não haja tanta violência como agora. Construir jovens com mentes pensantes para que sejam Dandaras, Marighellas, pretos potências que possam se ver e se inspirar naqueles que vieram antes de nós”, conclui.

receba o melhor da mural no seu e-mail

Bruna Rocha

Estudante de jornalismo, correspondente da Barra/Pituba em Salvador, BA, desde 2021. Gosta de ler, resenhar, e sempre estar informada, pois acredita que através da comunicação de qualidade e ética pode quebrar barreiras.

Cleber Arruda

Cofundador, correspondente da Brasilândia desde 2010 e editor em projetos especiais. É jornalista do Valor Econômico e voluntário do projeto Animais da Aldeia. Canceriano, gosta de cachorros e de viajar por aí.

Eduardo Machado

Jornalista e correspondente do bairro Lobato no Subúrbio/ Ilhas em Salvador, BA, desde 2020. É educador referência e articulador político. Integra assessorias de Movimentos Negros e a Rede de Religiões de Matriz Africana do Subúrbio Ferroviário de Salvador. É Ogan no Ilê Axé Torrun Gunan e pai de Kaiyê Dan.

Joyce Melo

Jornalista, correspondente de Sussuarana em Salvador, BA, desde 2021. Taurina que ama um desapego e pagodeira. Conecta seus conhecimentos em comunicação à sua vocação ao empreendedorismo com propósito e inovação social.

Republique

A Agência Mural de Jornalismo das Periferias, uma organização sem fins lucrativos, tem como missão reduzir as lacunas de informação sobre as periferias da Grande São Paulo. Portanto queremos que nossas reportagens alcancem outras e novas audiências.

Se você quer saber como republicar nosso conteúdo, seja ele texto, foto, arte, vídeo, áudio, no seu meio, escreva pra gente.

Envie uma mensagem para [email protected]

Reportar erro

Quer informar a nossa redação sobre algum erro nesta matéria? Preencha o formulário abaixo.