APOIE A AGÊNCIA MURAL

Colabore com o nosso jornalismo independente feito pelas e para as periferias.

DOE MENSALMENTE PELO CATARSE

OU

MANDE UM PIX qrcode

Escaneie o qr code ou use a Chave pix:

30.200.721/0001-06

Agência de Jornalismo das periferias
Notícias

Mauá, Pirapora do Bom Jesus e Cajamar tiveram mais de um prefeito neste mandato

Átila Jacomussi conseguiu voltar ao Paço Mauaense após decisão judicial; Grande SP teve também duas eleições suplementares, após impedimento de prefeitos eleitos em 2016

Image

Notícia

Publicado em 15.01.2020 | 15:44 | Alterado em 15.01.2020

Tempo de leitura: 4 minutos

Quem você elegeu prefeito em 2016? A resposta não corresponde a quem está no poder em algumas cidades da Grande São Paulo. Além de pedidos de cassação nas Câmaras Municipais, três cidades viveram com constantes trocas de prefeitos ao longo do período. 

Levantamento da Agência Mural aponta que ao menos 12 cidades tiveram crises políticas nestes três anos de mandato com mudanças ou ameaça de troca de gestores. Em uma delas, a situação ainda pode haver reviravoltas: Mauá. 

Há ao menos dois anos, o município enfrenta um período de intensa instabilidade política, em que o prefeito, Átila Jacomussi (PSB) e a vice-prefeita, Alaide Damo (MDB), se revezaram várias vezes no comando da cidade. 

As coisas se complicaram em maio de 2018, quando Jacomussi foi preso após a Polícia Federal encontrar R$ 87 mil em sua residência, como parte da Operação Prato Feito, que investiga o desvio de recursos de prefeituras em áreas como a da merenda. 

Image

Átila Jacomussi foi preso e cassado pela Câmara, mas reassumiu após decisão judicial @Divulgação

Jacomussi conseguiu a liberação após o ministro Gilmar Mendes, do STF (Supremo Tribunal Federal), conceder habeas corpus. Foram 36 dias preso. Neste período, a Câmara dos Vereadores negou o pedido de impeachment por 22 votos a um.

Enquanto isso, Alaíde Damo assumiu a administração e fez mudanças no secretariado. Durou pouco, pois Jacomussi reassumiu o cargo na prefeitura em setembro do mesmo ano sob autorização, novamente, do ministro do STF. 

Parecia o fim da história. Mas não. Átila foi preso novamente em dezembro de 2018. Desta vez, o político foi alvo da Operação Trato Feito, que investiga esquemas de recursos públicos em contratos firmados com o município. Atila nega irregularidades.

Image

Vice-prefeita assumiu o mandato e ficou mais de 100 dias à frente da gestão @Divulgação

Alaíde assumiu novamente o comando da cidade em mais dois períodos: dezembro de 2018 e fevereiro de 2019 e, novamente, entre abril de 2019 e setembro do mesmo ano. Completou 100 dias na gestão

No último período longe da administração de Mauá, Jacomussi teve o mandato cassado pela Câmara Municipal, que aceitou a denúncia de crime de responsabilidade. A alegação é de que o gestor não informou a ausência do cargo para os vereadores. 

A situação parecia novamente resolvida até que em setembro, uma liminar do TJ (Tribunal de Justiça) de São Paulo anulou a decisão dos vereadores e fez com que Jacomussi retomasse o cargo de prefeito. 

A situação ainda pode mudar judicialmente, em pleno ano eleitoral. A Justiça ainda irá julgar em definitivo se os vereadores cometeram ou não irregularidades ao cassar o prefeito. 

Image

Danilo Joan em campanha pela cidade; pessedista recebeu 18 mil votos (Divulgação) @Divulgação

CAJAMAR E PIRAPORA TIVERAM NOVAS ELEIÇÕES

Desde março, Cajamar é governada por Danilo Joan (PSD) como parte final de uma longa novela na cidade. 

Joan venceu uma eleição suplementar, após uma série de trocas de mandatários que começou em 2013, com o afastamento do ex-prefeito Daniel Fonseca. Desde então foram 13 trocas de prefeitos na cidade. 

Na eleição de 2016, Paula Ribas foi eleita, mas ela também teve o mandato cassado, após decisão da Justiça Eleitoral. 

VEJA TAMBÉM:
Em Itaquaquecetuba, prefeito escapa de dois processos de cassação

Com a saída dela e da vice Dalete, coube aos vereadores que eram presidentes da Câmara Municipal assumirem o cargo. Dois eles passaram pelo posto principal até que a Justiça Eleitoral determinou a nova eleição. 

Joan terá menos de 2 anos de mandato e é cotado para buscar a reeleição em 2020.

Image

Gregório perdeu a eleição de 2016 em Pirapora, mas venceu uma nova eleição em 2018 @Divulgação

Município com menos de 20 mil habitantes, Pirapora do Bom Jesus viveu um período de instabilidade política desde o fim das eleições de 2016. Na época, o vencedor foi o ex-prefeito Raul Bueno (PTB), mas o candidato teve a candidatura julgada irregular após a disputa eleitoral e não assumiu. 

A partir daí, uma batalha foi travada pelo comando da cidade. Inicialmente, o prefeito seria o presidente da Câmara. Na votação, Dany Floresti (PSD) teve o apoio da maioria dos nove parlamentares. Curiosamente, Dany era aliado do então candidato derrotado Gregório Maglio (MDB). 

Mais de um ano se passou com a cidade sendo governada interinamente até que a Justiça Eleitoral decidiu realizar uma nova eleição no ano passado. Novamente, a disputa teria Gregório no páreo. Também entrou na corrida eleitoral Andrea Bueno (PSDB), esposa de Raul, o ex-prefeito que ganhou mas não levou em 2016.

Em uma disputa acirrada, Gregório venceu com 42% dos votos (uma diferença de 250 votos), e voltou a assumir o comando da cidade.

Laiza Lopes

Jornalista, correspondente de Mauá desde 2015. Estuda sobre direitos humanos, gênero e raça. Ama conhecer novos lugares, pessoas e sabores. Está sempre em movimento, com mil projetos e ideias na cabeça - sim, sou geminiana.

Paulo Talarico

Editor-chefe de jornalismo na Agência Mural. É formado em Jornalismo pela Universidade São Judas Tadeu e em História pela Universidade de São Paulo. Tem pós-graduação em jornalismo esportivo e curso técnico de locução para rádio e TV. É também membro associado do Projor (Instituto para o Desenvolvimento do Jornalismo). Gosta de café, Osasco, livros, futebol e cinema. Cofundador e correspondente de Osasco desde 2011.

Republique

Faça com que essa história chegue para mais pessoas.

Republique o nosso conteúdo gratuitamente.

Regras:

Os títulos podem ser modificados desde que não mude o contexto;

Os textos devem ser publicados como estão na versão original, sem edição ou cortes;

Todas as republicações devem dar crédito para a Agência Mural e também os créditos dos profissionais envolvidos em sua produção, conforme aparece na publicação original;

As fotografias e outras imagens/artes podem ser republicadas com os devidos créditos;

Os vídeos republicados não devem passar por nenhum tipo de edição, devem conter os créditos da Agência Mural; para transmissão na TV, é preciso enviar um pedido para contato@agenciamural.org.br.

Reportagens publicadas no site www.agenciamural.org.br não podem ser revendidas.

Se possível, os materiais republicados devem mencionar o perfil da Mural nas redes sociais.

Reportar erro

Quer informar a nossa redação sobre algum erro nesta matéria? Preencha o formulário abaixo.