Acontece na Escola: Moradores do Grajaú participam de projetos para a melhoria de escola

Sanzia Regina
Colaborou Lara Deus

A Escola Estadual Carlos de Moraes de Andrade, localizada no Grajaú, extremo sul de São Paulo, exerce não apenas a função tradicional de uma escola, de ensinar e aprender dentro da sala de aula. Há 26 anos, nascem lá projetos que incluem e levam cultura à comunidade e os moradores do entorno. Entre eles, estão uma escola de futsal e um projeto de grafite de seus muros.

Receba nossa newsletter!

Um dos projetos mais famosos que surgiram na escola é o Kuma Futsal que, desde 1992, dá aulas do esporte e ajuda jovens periféricos a seguirem seus sonhos nesta área. E ele só acontece por causa da parceria que tem com a diretoria. “Hoje em dia é muito difícil ter projetos dentro de escolas, que na maioria das vezes são detonadas, destruídas, ou até porque o próprio diretor não quer abrir”, opina o professor Armando Manoel, fundador do projeto.

“Não trabalhamos com mensalidade, trabalhamos mesmo com amor. Fazemos campeonatos em outras regiões, a maioria dos nossos atletas estão inseridos dentro de clubes, temos parcerias, atletas profissionais que jogam no Sul, atletas menores também jogam em clubes daqui como São Paulo, AABB, Corinthians, Taboão Da Serra”, exemplifica Armando.

Leia a série de reportagens sobre o que Acontece na Escola.

Neste projeto, muitos jovens alcançaram seu objetivo e estão se profissionalizando em clubes brasileiros. O exemplo mais notável é Raul Da Silva, que começou com 9 anos, foi jogar no Banespa na categoria de menores, depois foi para a Associação Atlética Banco do Brasil (AABB), jogou no São Paulo, quando atingiu a maioridade jogou no Barueri, Osasco e agora joga em um time profissional do Sul do País.

Colaboradores do projeto Kuma Futsal preparando o muro para o projeto do Grafite, onde os grafiteiros da região iriam refazer o nome da escola que estava totalmente apagado. (Paula Alves/Arquivo)

Além do futsal, o professor também busca oferecer lições de vida para os alunos. “Eu reforço muito para os pais ideias como ‘se vocês nunca inserirem seus filhos para os sonhos deles ninguém nunca irá reconhecer”, afirma ele.

Colorindo os muros

Dentre outros projetos, a escola também exerce um projeto anual de grafite, com artistas do bairro e a parceria dos alunos da própria escola. E como ele surgiu? Sônia Regina, mãe de aluna e vice-presidente do Kuma Futsal, explica: “Todos os anos nós reformamos a escola. No ano de 2016, minha filha estava começando a grafitar e teve a brilhante ideia de fazer uma arte coletiva.  Preparamos o muro com a ajuda de nosso atletas e no outro dia eles fizeram o grafite com o nome da escola. Há uns anos atrás fizemos outro projeto beneficente na escola toda e foi lindo”.

Daniel Alves, aluno do oitavo ano, aprova o projeto: “Os desenhos não deixam [o espaço] muito clássico, deixam um clima legal”.

O aluno do terceiro ano do ensino médio Luan Martins aprova o projeto e as iniciativas de grafitar os muros. No entanto, aponta melhorias que poderiam ocorrer na escola. “Sou estudante daqui desde 2009 e a estrutura não mudou nada praticamente. Desde quando entrei aqui a situação sempre foi precária e necessita sim de uma reforma geral”, reclama ele.

Atletas do projeto Kuma Futsal reformando a cor da quadra onde utilizam. (Erickson Câmara/Arquivo)

O diretor da escola, Paulo Cesar Valeriano, assumiu este ano e lista algumas melhorias que aconteceram no período. “Nós não tínhamos água. Cheguei aqui sabendo que há mais de cinco anos ocorria este problema e consegui resolver este ano. Víamos o pátio, as escadas que não tinham iluminação alguma e consegui também arrumar esta questão da luz, que é prioridade”, exemplifica. No entanto, ele acredita que para haver mais melhorias, a participação das famílias é essencial.

“Quando nós precisamos dos pais uma vez a cada bimestre na reunião de pais nós só vemos três pais presentes, sendo que temos 40 alunos frequentes. Entendo que o trabalho é necessidade de sustento mas eles precisam participar”, pede Paulo. Ele apoia a ideia de colorir a escola com grafite, mas apenas em algumas partes da escola.

Sanzia Regina é estudante da 3ª série do ensino médio na escola estadual Carlos de Moraes Andrade
Lara Deus é correspondente de Pirituba

Essa reportagem foi produzida por um participante do programa de bolsa de jornalismo Acontece na Escola da Agência Mural, no qual estudantes do ensino médio de escolas públicas da região metropolitana de São Paulo produzem conteúdo jornalístico sobre temas do cotidiano escolar. A iniciativa integra o projeto Mural nas Escolas.

 

0 thoughts on “Acontece na Escola: Professores de Etec em Osasco fazem protesto silencioso contra reforma do ensino médio”

  1. Que lindo Ana Beatriz!
    Nos olhos e na voz dessas crianças é que realmente está a nossa esperança de um país melhor.
    Pessoas inocentes que conseguem enxergar o que muitos ignoram.
    É a vida de verdade,o sorriso estampado,o brilho nos olhos que mal sabem o que ainda vai ter que enfrentar.
    Um super abraço de toda família Centro Comunitário do Embura.
    Felicidades linda.

  2. Um raio x dessas pequenas Almas, que acreditam e sonham em um país onde tudo parece estar pedido, surge através da pureza e simplicidade o nascer da esperança dentro desses pequenos gigantes.
    Ainda vale a pena sonhar!

  3. Uma linda crônica, repleta de alma e total conhecimento do cenário atual de nosso país.
    São palavras assim que nos inispiram à lutar por mais um dia.
    Parabéns!!!

  4. Parabéns. Sou testemunha do seu ganho de saúde física, emocional e psicológica. Pois a bicicleta proporcionou a conscientização dos alimentos que lhe trazem energia e vitalidade e daqueles que intoxicam tirando o vigor pro esporte. Sua conquista de um corpo mais sadio e moldado também é digna de congratulações.

    1. Pessoa incrível, estudamos juntos e realmente sua história de vida é algo que muitas pessoas que tiveram a oportunidade de conviver um pouco com ele aprendeu muito.

  5. Fantástico ! Com todos percalços que a periferia oferece na prática esportiva, eis uma superação e motivação para deixarmos de ser sedentários ! Parabéns Mauro pela iniciativa !

  6. Olá,
    Gostaria de saber se a possibilidade de receber bolsa de estudos para esse curso em específico. Que Muito fazer, mas não possuo recursos no momento para investir.

    Desde já agradeço.

    1. Olá, Sheila! Muito obrigada pelo contato e interesse pelo curso. A atividade é oferecida pela faculdade, logo, vale tentar direto com a Fespsp a possibilidade de conseguir alguma bolsa.

  7. Paulinho, esta sim é a mais linda forma de Dizer Eu Te Amo Para um Pai!
    Você fez uma linda homenagem, para o Tio Paulo, que é Paizão de toda Família.
    Deus abençoe a todos os Filhos.

  8. Zorade, ai sim meu grande sobrinho, que homenagem de arrepiar.! Digo nunca vista, (é claro)pois cada um é um…Quanta sabedoria vestida de aparente ignorancia! O jeito de ser do meu irmao meio estranho, superou os grandes modos finos de criar seus filhos…Quanta riqueza de carater , de valentia também,ele apresentou a voce e a essa exelente Mae que te trouxe ao mundo…Familia pequena nas de grande peso..kkkk em todos os sentidos…No seu relato voce se esqueceu de falar sibre a bondade do coraçao dele…Tem umas histórias de caridade dele que admiro!…Parabéns pela homenagem ! Que Deus lhe proteja , que cada vez mais sua intelugencia seja ativada….abraços

  9. Olá boa tarde,
    Gostaria de parabenizar pela iniciativa e tbm Têmos que girar essa informação e cobrar de forma correta e pacífica dos responsável para tal , tendo em vista que somos moradores da região Têmos essas e outras dificuldades sendo que todos nós vamos receber visitas Nos próximos dias de político ou de seus prestadores de serviços prometendo o que não se cumpre ,uma vez que se não formos no dia votar somos obrigados a pagar multa e tenho certeza que todos nos não deixamos de pagar e quando se trata de olhar um pouco pra lado mínimo que é ,transporte, segurança, iluminação, etc.. Nos não temos respaldo ,então diariamente ouvimos relatos e acontecimentos que cada dia dificulta mais a vivência no bairro, só lembrando que mesmo sendo uma APA todos aqui são eleitores que seguem a risca com suas obrigações e o que queremos é o mínimo se iníciando pelo Respeito aos moradored e direito de ir e vir que já não temos mais.
    Att:
    Gilmar Rodrigues

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *