APOIE A AGÊNCIA MURAL

Colabore com o nosso jornalismo independente feito pelas e para as periferias.

DOE MENSALMENTE PELO CATARSE

OU

MANDE UM PIX qrcode

Escaneie o qr code ou use a Chave pix:

30.200.721/0001-06

Agência de Jornalismo das periferias
No Corre

'Mulheres negras foram empurradas pelo desemprego para o empreendedorismo'

No domingo (25) foi celebrado o Dia da Mulher Negra e Caribenha. Nas periferias de São Paulo, histórias de afroempreendedoras mostram desafios de garantir a renda em meio à pandemia

Image

Por: Estela Aguiar

Notícia

Publicado em 26.07.2021 | 15:12 | Alterado em 22.11.2021 | 15:54

“Lute pelo que você acredita, independente do que for”, diz a trancista Isabella Soares, 24, em Cidade Tiradentes, na zona leste de São Paulo. “Podemos ter muitos sonhos e minha intenção é sempre fazer dar certo”, completa a criadora da marca Isa Tranças.

Isabella falava sobre o Dia Internacional da Mulher Negra Latino Americana e Caribenha e o Dia Nacional de Tereza de Benguela e da Mulher Negra, celebrados no domingo (25).

Ambas marcam a luta e resistência de mulheres pretas contra o racismo, machismo e a opressão de classe. Mulher preta e empreendora, Isabella é um exemplo de como elas têm buscado meios de driblar as dificuldades de garantir a renda e com o agravamento da pandemia.

Image

Domingo foi dia da mulher negra, latino-americana e caribenha @Magno Borges/Agência Mural

“No caso das periferias, as mulheres sempre tiveram uma função de chefiar a família e considerando o mercado de trabalho totalmente desigual que remunera menos mulheres negras, faz com que elas tenham que se virar para sobreviver”, comenta Gabriela Chaves, economista, fundadora e CEO da NoFront – Empoderamento Financeiro.

Segundo estudo sobre empreendedorismo da Periferia de São Paulo, realizado pela “Empreende Aí” em 2020, 61% dos negócios mapeados tinham um quadro societário mais feminino. 

O perfil principal era de empreendimentos criados por mulheres negras, jovens de 30 a 39 anos e com ensino superior completo e pós graduação/mestrado e doutorado. 

Esse perfil difere de negócios de impacto no Brasil, caracterizados pela liderança de homens, brancos, jovens adultos e escolarizados.

Image

Beatriz Alvez é proprietária do Acarajazz @Arquivo Pessoal

Moradora do Jabaquara, zona sul de São Paulo, Beatriz Alves, 30, é um caso de quem conseguiu iniciar o próprio negócio depois do curso superior. Ela estudou gastronomia e criou o Acarajazz, restaurante com um pouco mais de cinco anos de comidas típicas brasileiras, sendo o carro chefe, o acarajé. 

Antes, ela trabalhou com call center e depois com a vendas de computadores,  mas não se adaptou. “O máximo que fiquei numa empresa foram três meses. Sempre ao primeiro sinal de humilhação e assédio moral, eu saía”, conta. “Percebi logo que teria que ter um negócio próprio como uma alternativa ao emprego formal”, explica. 

O estudo também aponta que 8 em cada 10 empreendedores das periferias já investiram dinheiro do próprio bolso no negócio. 

Foi como Letícia Santos, 20, mulher preta, dona da Afro Sant’s  e moradora de Jardim Nova Poá, em Poá, na Grande São Paulo. “O apoio é difícil financeiramente, então sempre tive que me virar nos trinta para comprar o material e as minhas coisas”, aponta Letícia. 

PANDEMIA

As quitandas, mercados de bairro, profissionais autônomos e microempreendedores sofreram impactos severos devido à pandemia do novo coronavírus. Para evitar o contágio, comércios não essenciais tiveram de fechar por alguns meses. 

Para Gabriela, as mulheres foram as mais afetadas com a pandemia. “Muitas tiveram que abrir mão do emprego, porque as escolas dos filhos fecharam. É um dos fatores que empurra as mulheres para o empreendedorismo.” 

Logo no começo da crise, em abril de 2020, o levantamento “Mulheres negras – saúde financeira e expectativas diante da Covid-19”, realizado pelo Instituto Identidades do Brasil, apontou que 47% das entrevistadas temiam perder os clientes no empreendimento, seguido por 37% de ficar doente e não conseguir trabalhar.

“Sofri muito com a pandemia, porque estava começando e tive que ficar um ano em casa, sem atender”, relembra Isabella. 

Image

Isabella em atendimento antes da pandemia da Covid-19 @Arquivo Pessoal

A situação atrapalhou uma trajetória que estava começando, depois dela perder o emprego que tinha em um call center em 2019. Em 2021, ela voltou a atender perto de casa com os protocolos de segurança. 

“Faço somente penteados e tranças que não demoram tanto”, diz. “Não tenho outra fonte de renda, consegui pegar algumas parcelas do auxílio emergencial, mas não todas e minhas economias já tinham acabado.” 

Direito criado para auxiliar famílias pobres, o auxílio emergencial de R$ 600 foi criado ano passado, mas interrompido em dezembro. Depois de quatro meses, o pagamento voltou a ser feito, mas com redução de até 75% no valor – paga agora no máximo R$ 375.

A situação da trancista também se assemelha ao que passou Beatriz com o restaurante, que esteve limitado apenas ao delivery. “Nos impactou com uma queda considerável em nosso faturamento quando começamos a nos estabilizar”, relembra. 

OLHAR PARA O FUTURO

Manter um negócio em pé não é tarefa fácil. O estudo sobre o empreendedorismo da Periferia de São Paulo mostra que 49% dos negócios das periferias mapeados estão no chamado “vale da morte”. 

A denominação significa que são negócios em operação, mas que ainda não atingiram o ponto de equilíbrio: tudo que entra no caixa não é suficiente para cobrir as despesas. Por esse motivo, é importante criar e manter uma reserva financeira.

“Qualquer valor já é importante, que ele tente guardar pelo menos 1% porque lá é um lugar de saúde mental do empreendedor”, diz Gabriela. 

As empreendedoras têm um olhar próspero para o futuro e falam de inspirações e  conselhos para outras empreendedoras. “Me sinto inspiração para outras mulheres pretas pela minha persistência, vontade de fazer dar certo e enfrentar as adversidades”, afirma.

Beatriz aconselha como manter o negócio. “Ter tudo na ponta do lápis, ter expectativas reais e traçar bem as metas de vendas e estratégias de como atingir essa meta”, diz. 

“Feito isso, invista num produto de qualidade e na área de alimentação compensa muito fazer um produto bom e feito com bons ingredientes, pois nenhuma estratégia fideliza mais um cliente que uma comida boa de verdade”, diz. 

Para Letícia, acreditar no trabalho e passar o conhecimento adiante faz a diferença.  “Tenha confiança naquilo que faz e tenha amor por isso, assim as coisas vão fluir melhor. Estou obtendo retorno desse trabalho e sempre passo o que eu aprendi para as mulheres pretas com quem tenho contato.” 

Estela Aguiar

Jornalista. É fiel à crença de que da ponte pra cá, o jornalismo é revolucionário. Apaixonada por carnaval, filmes e séries. Correspondente do Jardim João XXIII desde 2019

Republique

A Agência Mural de Jornalismo das Periferias, uma organização sem fins lucrativos, tem como missão reduzir as lacunas de informação sobre as periferias da Grande São Paulo. Portanto queremos que nossas reportagens alcancem outras e novas audiências.

Se você quer saber como republicar nosso conteúdo, seja ele texto, foto, arte, vídeo, áudio, no seu meio, escreva pra gente.

Envie uma mensagem para [email protected]

Reportar erro

Quer informar a nossa redação sobre algum erro nesta matéria? Preencha o formulário abaixo.