APOIE A AGÊNCIA MURAL

Colabore com o nosso jornalismo independente feito pelas e para as periferias.

DOE MENSALMENTE PELO CATARSE

OU

MANDE UM PIX qrcode

Escaneie o qr code ou use a Chave pix:

30.200.721/0001-06

Agência de Jornalismo das periferias

Por: Ariane Costa Gomes

Notícia

Publicado em 19.04.2022 | 14:31 | Alterado em 21.04.2022 | 20:06

Tempo de leitura: 2 min(s)

A partir de quinta-feira (21), andar de ônibus em Osasco, na Grande São Paulo, ficará mais caro. Apesar do anúncio em dezembro de que não haveria alta, o prefeito Rogério Lins (Podemos) autorizou o aumento da tarifa para R$ 5 em decreto publicado nesta segunda-feira (18). Depois do anúncio, cidades vizinhas como Carapicuíba, Itapevi e Barueri também anunciaram a alta.

De acordo com o decreto nº 13.335, está autorizado o aumento “para utilização dos veículos que operam no Sistema de Transporte Coletivo Urbano de Passageiros na Cidade de Osasco”. Antes o valor da tarifa era de R$ 4,50.

Também diz que o desconto de 50% sobre o valor da tarifa para estudantes permanece, assim como a gratuidade para idosos.

Desde o começo do ano, ao menos outras 15 cidades aumentaram o preço da passagem do transporte municipal, alegando a crise econômica e alta no preço dos combustíveis como justificativa. Com o preço de R$ 5, Osasco terá uma tarifa mais barata apenas do que São Bernardo do Campo e Diadema, que elevaram o preço a R$ 5,10.

A alta em Osasco pode levar outras cidades vizinhas a também reajustarem o valor. “A Prefeitura de Osasco, a exemplo das demais cidades da região oeste, segurou o reajuste da tarifa esperando pelos subsídios do governo federal, que não vieram”, afirmou a administração.

A prefeitura cita que o último reajuste na cidade foi feito em 2019, quando saiu de R$ 4,35 para R$ 4,50. “A cidade não teve aumento em 2020, 2021 e em 2022.” A gestão alega também que as empresas defendiam um reajuste para R$ 6,94.

A decisão de Lins contraria o anúncio feito pelo governo municipal no final do ano passado. Em dezembro, o gestor publicou em sua rede social que a cidade iria segurar pelo quarto ano consecutivo (2021) o aumento na tarifa de ônibus.

Na publicação o prefeito sinalizou que em 2022 iria atrás de subsídios do Governo Federal “para o diesel ou para as gratuidades para que o sistema de transporte coletivo não entre em colapso financeiro”.

No final de novembro, Lins esteve em Brasília junto com outros prefeitos para solicitar dinheiro aos governos estadual e federal para custear as despesas tendo em vista os constantes aumentos no preço da gasolina e do diesel.

Ali o prefeito já sinalizava que, caso não acontecesse o subsídio, as empresas de ônibus poderiam aplicar um reajuste. “A prefeitura, se for necessário, subsidiará com recursos municipais parte do reajuste solicitado, para reduzirmos o máximo possível, o impacto à nossa população”, disse.

Apesar da alta no preço, demandas da população com relação ao transporte público ainda estão pendentes na cidade.

Em 2019 foi implantado o Bilhete Único na cidade. No entanto, o modelo não prevê integração com os trens da CPTM (Companhia Paulista de Trens Metropolitanos) e com os ônibus da EMTU (Empresa Metropolitana de Transportes Urbanos de São Paulo).

No modelo atual, o passageiro consegue fazer até duas integrações diárias durante a semana pagando apenas uma tarifa. No entanto, há um limite de até uma hora de diferença entre o primeiro e o segundo embarque. Aos fins de semana, o tempo da integração tarifária é de até duas horas.

Questionada sobre o andamento do projeto de integração no transporte público, a prefeitura respondeu que não houve avanços.

Ariane Costa Gomes

Jornalista, acredita que a informação e a educação são ferramentas fundamentais para transformar as pessoas e a sociedade. Gosta de aprender e conhecer coisas novas, estar ao lado das pessoas que ama, ouvir música e ficar junto de suas duas cachorrinhas. Correspondente de Osasco desde 2015.

Republique

A Agência Mural de Jornalismo das Periferias, uma organização sem fins lucrativos, tem como missão reduzir as lacunas de informação sobre as periferias da Grande São Paulo. Portanto queremos que nossas reportagens alcancem outras e novas audiências.

Se você quer saber como republicar nosso conteúdo, seja ele texto, foto, arte, vídeo, áudio, no seu meio, escreva pra gente.

Envie uma mensagem para [email protected]

Reportar erro

Quer informar a nossa redação sobre algum erro nesta matéria? Preencha o formulário abaixo.