APOIE A AGÊNCIA MURAL

Colabore com o nosso jornalismo independente feito pelas e para as periferias.

DOE MENSALMENTE PELO CATARSE

OU

MANDE UM PIX qrcode

Escaneie o qr code ou use a Chave pix:

30.200.721/0001-06

Agência de Jornalismo das periferias
Notícias

Como Paraisópolis e Heliópolis estão combatendo o coronavírus; ouça o podcast

As duas maiores favelas de São Paulo, com 100 e 200 mil moradores, respectivamente

Image

Por: Redação

Notícia

Publicado em 09.04.2020 | 23:07 | Alterado em 16.12.2020 | 19:19

Paraisópolis e Heliópolis são as duas maiores favelas de São Paulo, com 100 e 200 mil moradores, respectivamente. O “Em Quarentena” foi conferir o que a população está fazendo para enfrentar a Covid-19.

“A palavra favela sequer tem sido pronunciada. É como se 13 milhões de brasileiros não existissem neste país. Então o que temos visto são dois brasis. Um do home office, da quarentena, álcool gel e da máscara. E outro Brasil das pessoas que a fome já está chegando, que moram em cima dos córregos e que estão sendo demitidas”. (ouça a partir de 00:01)

Quem abriu este episódio com esta fala acima é Gilson Rodrigues, líder comunitário de Paraisópolis, que fica na zona sul e é a segunda maior favela de São Paulo, atrás apenas de Heliópolis. 

“Criamos um comitê das favelas, uma rede de solidariedade. A cada 50 casas, nós temos um morador voluntário que é presidente de rua. Ele é responsável por fazer a distribuição de doações que chegam, mas principalmente, por pedir socorro acionando as ambulâncias”. (a partir de 01:23)

O líder explicou que como o SAMU não atende a comunidade, o comitê contratou ambulâncias. “São três, sendo duas básicas e uma UTI. E um grupo de sete profissionais, com dois médicos, que ficam 24 horas aqui na comunidade para atender a população que mais precisa”. (ouça em 01:48)

Além de garantir o acesso ao socorro, eles estão construindo hospitais de campanha em duas escolas estaduais. “Elas vão abrigar 500 pessoas, para que elas possam fazer isolamento. São pessoas que testaram positivo e que no grupo familiar tenham idosos ou doentes crônicos”. (em 02:15)

Preocupados em fortalecer a imunidade das pessoas eles ainda têm distribuído diariamente duas mil marmitas, com planos de aumentar o volume. 

Sueli é uma das criadoras da ONG “Costurando Sonhos”, que capacita mulheres em situação de vulnerabilidade social e vítimas de violência doméstica. “Emprestamos as máquinas da oficina para as meninas. Quando transportamos essas máquinas, descobrimos que na casa de algumas a energia elétrica não comportava uma máquina industrial. Tivemos que substituí-las por máquinas caseiras”. (em 03:32)

Ela também compartilhou que com a iniciativa, o projeto alcançou outras comunidades que estão produzindo máscaras para serem distribuídas. (em 04:06)

Karoline é moradora de Heliópolis, também na zona sul de São Paulo, e falou sobre a solidariedade entre os moradores. “Muitos têm trabalhado, voluntariamente, na organização das arrecadações que temos recebido. A gente está tentando se ajudar. Uma mão lava a outra”.  (em 04:43)

Ela também reforçou as dificuldades financeiras que as famílias têm enfrentado com a chegada do coronavírus. “Deu um baque na renda familiar de muitas famílias, inclusive na minha. A firma do meu pai não está pagando e da minha irmã demitiu. A minha está pagando, ainda bem. Mas, ainda assim, fica difícil, aqui em casa são oito pessoas”. (em 05:05)

Aluízio Marino é educador social e faz parte do projeto “Observatório De Olho na Quebrada”, que desenvolve pesquisas sobre a região onde está a comunidade. Ele ajudou a desenvolver um estudo que mostra que 65% das famílias de Heliópolis já deixaram de trabalhar ou estudar depois das orientações de isolamento. 

“A gente percebe que quanto menor a renda, maior o impacto das medidas de isolamento social. Maior os impactos relativos à economia dessas famílias. Isso reforça a necessidade das políticas emergenciais de uma renda básica”. (em 06:07)  

Tanto Paraisópolis quanto Heliópolis criaram vaquinhas virtuais para arrecadar dinheiro. 

As doações para Paraisópolis podem ser feitas pelo site esolidar.com. É só buscar o nome da favela no campo de pesquisa.

Já para Heliópolis, as contribuições podem ser realizadas pelo site benfeitoria.com/helipa ou pelo UNAS, ligando (11) 2272-0140.

Ouça este bate papo completo no Em Quarentena #13: Como Paraisópolis e Heliópolis estão combatendo o coronavírus.

Podcast Em Quarentena

Viver em meio ao coronavírus não deve estar sendo fácil para ninguém. Imagina então para quem vive nas periferias. 

O “Em Quarentena” é o podcast especial que a Agência Mural de Jornalismo das Periferias criou neste momento da pandemia. Queremos informar, com notícias do dia a dia, quem mais precisa se virar meio a esse caos.

Você pode receber o podcast diretamente no seu Whatsapp, enviando um “Oi” para +55 11 9 7591 5260. Ouça também no Instagram, Youtube, Spotify, Deezer, Apple e Google Podcast

Redação

A Agência Mural de Jornalismo das Periferias tem como missão minimizar as lacunas de informação e contribuir para a desconstrução de estereótipos sobre as periferias da Grande São Paulo.

Republique

A Agência Mural de Jornalismo das Periferias, uma organização sem fins lucrativos, tem como missão reduzir as lacunas de informação sobre as periferias da Grande São Paulo. Portanto queremos que nossas reportagens alcancem outras e novas audiências.

Se você quer saber como republicar nosso conteúdo, seja ele texto, foto, arte, vídeo, áudio, no seu meio, escreva pra gente.

Envie uma mensagem para [email protected]

Reportar erro

Quer informar a nossa redação sobre algum erro nesta matéria? Preencha o formulário abaixo.